Mostrando postagens com marcador Vida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vida. Mostrar todas as postagens

sábado, 14 de julho de 2018

Luzes artificiais

Resultado de imagem para luz no fim do túnel


A luz no fim do túnel nunca acaba
É  gente que não está onde ela está
O dia sempre está lá quando acaba o túnel
A não ser que seja noite
Se for, terá luzes artificiais
Mas de dia a luz branca do fim do túnel estará lá
Por mais que não possamos ver
Estar presa em um carro passando em túneis escuros
ou artificialmente iluminados dá angústia
Esperamos sempre a luz
E quando ela não vem?
Ah, sim, ela vem!
E se for noite e não tiver luz, tem o sereno
Aquele ventinho na cara
Torna tudo mais ameno
Por mais que eu saiba que logo depois pode vir outro túnel
Sem luz
Ou muito longo
E a luz pode demorar a chegar
Mas ela está lá
Mesmo que seja noite
O dia chegará
E a luz no fim do túnel
Voltará!



Rafaela Valverde

Marcas

Resultado de imagem para marcas da vida

Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Assim como a cada ano que vem e vai a gente fica diferente
Porradas da vida vão moldando a gente assim como a depender da caneta,
a letra pode ser bonita ou feia, com tinta forte ou fraca.
No entanto, mesmo de formas diferentes é a gente quem escreve
Assim são as porradas e as mudanças
Muitas vezes somos responsáveis por elas
Porque escolhemos de mais
Ou de menos
Somos teimosos, birrentos, chatos, implicantes...
Então acabamos sendo marcados
Assim como a escrita com força marca o papel
Não tem como voltar atrás
A mão dói
Daí a gente escreve com menos força
Como dói, a gente para de querer o que hipoteticamente nos causará dor
Mas o que é mesmo que dói?
Dá para evitar?
Ou a gente só se ilude?
Dá para desescrever?
Dá para desmarcar o papel?
E a vida?
Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Cada vez que a vida nos marca é diferente
Só resta aceitar.






Rafaela Valverde

domingo, 8 de julho de 2018

Apesar - Itagon


Que música! Apenas ouçam!



Apesar de mim
Não por minha causa
O vento há de soprar
Apesar de mim
As folhas crescerão sem pesar
E o Sol nascerá sobre mim

O dia acontecerá
Apesar
Sejas por mim, não abro mão
Mesmo a pesar

E não vá reparar a bagunça em mim
Estou a caminhar em obras

Eu lanço fora todo medo
Todos meus segredos
E o que me afasta de Ti
Sigo encontrando tudo que me resta
O peso e a pressa
Varredura em mim a pesar

A graça veio me consolar
Não tenho aonde ir
Confio mais em mim
Do que graça do meu Deus
Depósito de ego são minhas mãos

Mas o que posso ou não fazer
Aonde vou me esconder
Se o que restava era encontrar
Você

Eu lanço fora todo medo
Todos meus segredos
E o que me afasta de Ti
Sigo encontrando tudo que me resta
O peso e a pressa
Varredura em mim a pesar




Rafaela Valverde

O musical Mamonas

A imagem pode conter: 4 pessoas, incluindo Rafaela Valverde, carro, céu e atividades ao ar livre
Eu mesma dentro da "Brasília"



"A banda Mamonas Assassinas entrou para a história como o maior fenômeno da indústria fonográfica brasileira, tendo vendido mais de três milhões de cópias no primeiro e único disco." (Fonte: G1)


Ontem fui ver o musical "Mamonas" gratuitamente no parque da cidade. O espetáculo estreou em 2016 e já passou por mais de trinta cidades. Aqui em Salvador foi apresentado pela primeira vez ao ar livre. O formato do evento foi bastante agradável, com espaço de food trucks, [duas mil] cadeiras (sim, assistimos sentados, oh glória!), cabine para fotos e uma Brasília Amarela em papelão (sei lá se é papelão mesmo, rsrs) que eu obviamente usei para exibir minha figura. Achei a estrutura muito boa, principalmente por ser de graça. Nunca imaginei que fosse ver algo tão bem feito e bem produzido gratuitamente. O evento foi patrocinado pelo BB Seguros, demorou pra fazer algo que preste, hein Banco do Brasil? 

O espetáculo é dirigido por José Possi Neto e o texto escrito Walter Daguerre, com direção de musical de Miguel Briamonte e coreografia de Vanessa Guillen. A classificação é livre e o musical traz a historia dos cinco rapazes que fizeram história e morreram em um desastre aéreo no ano de 1996. Dinho, Bento, Samuel, Júlio e Sérgio formaram inicialmente "a banda de rock progressivo" Utopia e tentaram por anos fazer sucesso sem conseguir, mas em 1995 após conhecerem o produtor musical Rick Bonadio e mudarem o nome e estilo da banda. Um ano estrondoso de sucesso. Com letras bem humoradas, de cunho sexual e marcadas pela irreverência.


O espetáculo é muito bom, com piadas divertidas e boas brincadeiras metalinguísticas, temporais e locais, já que a peça brinca o tempo todo com o fato de ser peça e musical, faz boas amarrações entre os anos noventa e aos tempos atuais; ainda teve boa adaptação local do texto já que traz elementos como acarajé e Baixa dos Sapateiros. Amei! Divertida, emocionante, artística. Bons cantores e dançarinos. 

Quando os Mamonas Assassinas morreram daquela forma horrível eu tinha sete anos e lembro do dia. Estávamos brincando em um domingo cinza de março quando deu a notícia na televisão. Na minha cabeça era mentira, já que pra mim não morriam pessoas jovens e no auge do sucesso. Aquele acidente abalou o Brasil e tomou o que mais de politicamente incorreto tivemos. Olha, Mamonas, fiquem em paz porque vocês não só não teriam sucesso como seriam bastante criticados nessa patrulha politicamente correta de hoje em que crianças não podem ouvir as palavras comer, corno e saco, mas jogam vídeo games super violentos e são expostas a todo tipo de conteúdo erótico possível. Saudades! É o que emana do peito. Foi lindo. Foi mágico, voltei à minha infância.



Rafaela Valverde

terça-feira, 3 de julho de 2018

O estar só

Resultado de imagem para estar só

Quantas vezes será que vou precisar repetir que me sinto sozinha?
E de que vai adiantar?
Quem é que vai me ouvir além Daquele que mora lá em cima?
Não há nada que remedie esse estar só
Solitude, afinal, só é bom quando se escolhe
Quando compulsoriamente vive-se
Sente-se a revolta e angústia
Dos dias que poderiam ser mais divertidos
Sobram apenas TV, cobertor, brigadeiro e pipoca
Sozinhos!
É bom que posso aproveitar minha gula sem atrapalhações
Mas tem horas que até eu preciso de companhia para comer
Pergunto-me o porquê
Tento entender
Em oração questiono
Porque afasto todo mundo
Esse pequeno escrito é mais um pequeno e inútil manifesto contra a poeira que o estar só levanta
Contra quem hei de me levantar/;
Quem preciso culpar?
A mim mesma, será?
O fato é que já não aprendi a viver sozinha
Estou sozinha quase o tempo todo há quatro anos
E quando todos se vão no fim de semana
Tranco - me aqui nessa caixa escura
Sem ver caras muito menos corações
Já sei como viver sozinha
E gosto até
Mas há de haver um limite
Ou não há?
Só!
Estar só não é bom nem para quem quer
Quem não quer vive a penar
Sinceramente, não quero mais estar só
Nem oito, nem oitenta
Não quero companhia o tempo todo
Nem tampouco um estar só tão constante quanto o tempo
Entendeu, vida?
Céu?
Deus?
Entenderam?
Estar só tem limite
Quantas vezes será que vou precisar repetir?
E de que vai adiantar?




Rafaela Valverde

segunda-feira, 2 de julho de 2018

E o nosso tempo?

Resultado de imagem para deus

Algumas coisas têm me influenciado ao longo desses dias para vir escrever este texto agora, é verdade. Lógico, não se constrói saberes sozinho. Pois bem, sempre leio blogs, livros, vejo vídeos no Youtube e principalmente leio a bíblia. E através disso tudo construo minhas próprias ideias. Vi esse vídeo (Vídeo Por que você acordou hoje?) agora a pouco de Luca Martini, se não conhece vá conhecê-lo. E até compartilhei no Facebook. Esse vídeo me fez pensar em algumas coisas que já vinha pensando. Aliado a isso fiz um devocional através do livro Bom dia de Max Lucado que dizia Encha seu dia de Deus. O texto trazia o seguinte versículo: Mas tu, Senhor, és Deus compassivo e misericordioso muito paciente, rico em amor e em fidelidade. Salmos 86,15. Então, o que eu quero dizer é que Ele é o único que não nos abandona. Quantas vezes perdemos tempo fazendo coisas idiotas e sem sentido? Perdemos tempo em redes sociais (eu já fiz e ainda faço muito isso) e esquecemos de observar as pequenas coisas do dia que podem ser sinais de Deus e Seu amor por nós. No entanto, Ele é paciente e misericordioso para esperar por nós. Quando é dito para encher seu dia de Deus, não significa que tem que ficar orando e lendo a bíblia o dia todo, até porque a gente precisa trabalhar, estudar, etc. Isso é dito, a meu ver, sobre relacionamento, comunhão, parceria e submissão à sua vontade. Porém para que saibamos e consigamos ouvi- Lo se faz necessário nos calarmos, fazer silêncio, deixar o celular um pouco de lado, parar de tagarelar. Simples assim. Simplesmente observar um pássaro ou uma borboleta passeando e quicando em nossa frente pode ser Deus se aproximando da gente. Sentir o vento no rosto, ver o mar ora revolto, ora calmo; tomar banho de chuva ou sentir o sol queimando nossa pele. Esses são os sinais diários  de Deus. Deus nos dá novas manhãs todos os dias para que estejamos próximos Dele, usufruindo da sua benignidade e amor absolutos. Muitas vezes damos mais importância a nossos afazeres que a Deus. Mas Ele não nos abandona. Mesmo a gente estando distraído. É isso. Estar em comunhão com o Pai e encher nosso dia e nossa vida Dele não significa ir à igreja quase todos os dias e nem a ler a bíblia de maneira descontextualizada e afastada Dele, como se fosse um documento formal e antigo e nada mais. O que temos feito para nos aproximarmos de Deus? Temos deixado coisas fúteis de lado? Coisas que nos fazem perder um tempo absurdo. Eu, por exemplo, vou contar um segredo: volta e meia fico sem redes sociais,ou Netflix ou qualquer outra coisa, passo dias sem postar ou assistir nada, em propósito com o Senhor, voltando a atenção para Ele. Me privando de tão pouco em relação ao que Ele faz por mim. É isso que queria dizer. 





Rafaela Valverde

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Escolhi não sofrer

Resultado de imagem para olhando o horizonte


Eu escolhi não sofrer. Decidi que não ficaria choramingando por pessoa bosta. Acordei um belo dia e disse para mim mesma: "não vou mais pensar nessa pessoa escrota". E assim tenho seguido minha vida. E sabe que não tenho pensado mesmo? Pra mim é como se a pessoa nem existisse e como se ela nunca tivesse passado pela minha vida. Eu dou graças a Deus todos os dias por isso. Quando a gente passa a enxergar mais Deus e mais a gente mesma, para de pensar, de se importar e de gostar de homem escroto que não merece a gente. Isso é maravilhoso! Deus fala para amarmos a Ele acima de qualquer coisa e isso faz sentido quando passamos por certas coisas. Quando amamos outra coisa mais que a Ele temos grande chance de nos dar mal. Porque ninguém tem tamanho amor e tamanha capacidade de nos corresponder como Deus. Deus não nos decepciona. Nunca. Então, essa lição fica bem clara pra mim na medida em que as coisas vão acontecendo, principalmente no que se refere a relacionamento com outras pessoas, sendo namoro ou amizade. Se isso está acontecendo é porque eu amei mais pessoas do que a Deus e essas pessoas sempre vão me decepcionar e sempre serão imperfeitas, assim como eu. Simplesmente porque elas são pessoas. É claro que não podemos redimir pessoas escrotas da sua escrotidão e mau caratismo. Não tenho dúvidas que as pessoas escolhem agir mal com outras. Assim como temos o amor, temos livre arbítrio dados por Deus. Então, a pessoa sabe que está sendo escrota e continua sendo. Por livre escolha dela. E eita que já me perdi do que eu estava falando exatamente. Estava falando da minha decisão de não sofrer. Pensei e vi que tinha duas opções: sofrer e choramingar por alguém ridículo que fez promessas falsas ou simplesmente mudar e sair da zona do sofrimento. Escolhi, é claro, a segunda opção e até já escrevi poema sobre isso. Depois que esse embuste-encosto saiu da minha vida eu me reconciliei com Deus, eu sinto um amor imenso no meu coração; minha auto estima está mais lá em cima do que nunca - ao contrário de quando estava com ele que me sentia como um lixo que não podia nem falar e me expressar, já que tudo o que eu falava estava errado. Depois que esse traste se retirou da minha vida tenho mais tempo para mim mesma, mudei o cabelo, durmo melhor (na minha cama de casal nova!), estou fazendo exercícios físicos e me amando tanto, mas tanto. Cada vez mais linda, mais rainha. Até minha pele melhorou! Não tenho mais nenhuma necessidade de medir minhas atitudes e palavras por causa de pessoas medíocres. E isso me dá um grande alívio. O que consequentemente me fortalece e faz com que não sofra mesmo. Um peso foi retirado da minha vida e eu sofri e chorei por mais ou menos um mês, mas agora já passou, já foi. Estou bem plena. Melhor que nunca. E a tendência é melhorar. Porque Deus está comigo. É só o que importa.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Breaking Bad

Resultado de imagem para breaking bad


Para alguns, a melhor série de todos os tempos. Para mim, a melhor série que assisti. Breaking Bad já ganhou muitos prêmios e é considerada uma das maiores séries de todos os tempos sim, pela revista Rolling Stone. Criada por Vince Gillian, a série que estreou em 2008, traz a história de Walter White (Bryan Cranston), um químico frustrado que dá aulas para o ensino médio e trabalha em um lava-rápido para complementar a já limitada renda familiar. Para piorar a situação, Walter descobre que está com um avançado câncer de pulmão e a partir daí, é claro, sua vida e sua percepção sobre ela mudam.

Preciso agora abrir um pequeno parêntese para informar que escreverei com muita paixão. Não tenho a intenção de escrever uma mera resenha descritiva, fria e isenta. Preciso mesmo, pelo menos tentar demonstrar através deste texto, o quanto gostei da série e o quanto me emocionei, me surpreendi e achei-a brilhante. Preciso escrever com paixão sobre Breaking Bad porque queria que todo mundo assistisse.

Pois bem, com incentivo do cunhado, que é policial de combate ao tráfico de drogas, Walter participa de uma batida policial e esse é seu primeiro contato com o famigerado ambiente do tráfico. A partir desse momento, Walter vê a possibilidade de deixar sua família bem financeiramente depois que ele morrer. Ele reencontra seu ex aluno Jesse Pinkman (Aaron Paul) e começa a "cozinhar" cristal ou metanfetamina em um trailer. Walter, com sua genialidade e seu conhecimento sobre química, aliado à Pinkman, que já conhece bem o mercado passa a experimentar uma nova sensação de poder e a ganhar dinheiro.

Sua esposa Skyler (Anna Gunn) fica sem saber durante um tempo sobre a doença e sobre a nova profissão do marido. Mas quando ela descobre sobre a doença, insiste que o marido faça o tratamento, mesmo sem saber de onde vinha o dinheiro. Skyler é uma grande personagem na série. Ela é o ponto principal de alguns conflitos e problemas enfrentados pelo marido. Sim, algumas das tensões e planos que davam errado para Walter se safar, eram causados por ela. Skyler começou como uma personagem pequena que foi crescendo ao longo do tempo. Uma dona de casa fútil, grávida,  que escrevia (até achei que a carreira dela de escritora seria mais desenvolvida na série, mas não foi, que pena!)

Assim como os outros personagens também cresceram. Parece que eles iam crescendo na medida em que a série ia avançando e tendo sucesso. Até li em uma das minhas pesquisas que Jesse seria um personagem pequeno que logo morreria, porém devido a química com o Sr. White, como ele o chamava, o personagem não só não morreu como cresceu e virou um dos personagens chave para para o andamento da série.

Com cinco temporadas, Breaking Bad, mostra o ser humano da forma mais humana e real possível, tendo em vista que afasta visões maniqueístas dos personagens. Ninguém nessa série é somente bom ou somente mau. São pessoas, corruptíveis e cheias de defeitos. Algumas pessoas afirmam que acabam gostando muito de Walter mesmo ele sendo criminoso. Eu não. Admirava-o por sua inteligência, mas não tinha ilusões, sabia que ele era bandido sim e que deveria pagar pelos seus crimes. E, na minha opinião, essa é uma das qualidades de um bom ator: ele é tão bom que se faz ser odiado. E Bryan prova ser um excelente ator. A maior desculpa de Walter é que entrara no crime pela família e essa seria sua maior motivação, mas em determinado momento da série ele admite que é por ele. Pelo poder, pelo prestígio de ser o Heisemberg, o cozinheiro do cristal azul, o melhor da região.

Com um filho adolescente e deficiente, Walt Junior (RJ Mitte) e um bebê a caminho, Walter sabe que não poderá estar presente na vida deles dali a um tempo, portanto, apesar do tratamento contra o câncer que o deixa debilitado, ele continua cozinhando e "aprontando" bastante na companhia de Jesse. E em determinados momentos a capa do "pela minha família" cai e a gente passa a perceber que Walter faz o que faz porque quer. Ele tem várias oportunidades de parar, ele não escolhe não matar ou não deixar morrer (quem assistiu vai entender!) pelo contrário, sempre que surge uma oportunidade ele avança ainda mais em sua vida criminosa. E para mim é essa é uma das genialidades da série e do personagem Sr White como eu gosto de chamá-lo.

Roteiro bem feito, bem organizado, com cenas mais antigas intercaladas e uma boa sequência. Além de uma excelente produção. Enfim, como eu disse: cheia de paixão! Não tem como ser diferente. Estou até com vontade de ver de novo, inclusive já revi o primeiro e segundo episódios com uma pessoa que indiquei. Podem me chamar de louca, mas gosto de qualidade, sei reconhecer minimamente algo bom quando vejo.

Além de tudo a série passa em Albuquerque, Novo México, local incomum para mim. Nunca vi produção feita nesse local. O que ajuda um pouco o roteiro devido a proximidade com o México, o cartel e todas as vertentes criminosas ligadas ao tráfico de drogas que todos nós já sabemos. Enfim, posso falar que amo essa série mais uma vez? Comprovadamente fenômeno mundial, Breaking Bad já ganhou inúmeros prêmios incluindo dezesseis Primetime Emmy Awards, oito Satellite Awards, dois Globos de Ouro e um Prêmio Escolha Popular. Em 2014, entrou para o Livro dos Recordes como o seriado mais bem avaliado de todos os tempos pela crítica. (Fonte: Wikipédia)

A série está na Netflix e eu assisti em um tempo recorde. Menos de dois meses. Agora, vou falar sobre algumas curiosidades que pesquisei e observei na série ao longo desse tempo. Claro que faltou falar sobre muitas coisas aqui. E óbvio que passaria o dia escrevendo sobre essa série. E não vou falar mais sobre detalhes do enredo ou do roteiro, porque seria spoiler para os desafortunados que ainda não assistiram ou que ainda estão assistindo. Rsrs Assistam e tirem suas próprias conclusões  e vejam o que acontece ao longo das cinco temporadas.

Pois bem, o nono episódio da última temporada foi dedicado ao fã adolescente Kevin Cordasco que morreu de câncer. Na época houve uma forte comoção do elenco e produção da série com esse fã. Até o visitaram. Achei bem legal a homenagem. "O ator principal, Bryan Cranston, declarou numa entrevista que "o termo 'breaking bad' é uma gíria do Sul que significa que alguém desviou-se do caminho correto e passou a fazer coisas erradas. E isto aplica-se tanto a um dado momento quanto a uma vida inteira." (Wikipédia)

Com tiradas engraçadas e cenas bastante violentas - a série arrancou gargalhadas e nervosismo de minha pessoa - Breaking Bad encerrou no ano de 2013. Em seguida, Vince Gillian começou a escrever e produzir a série Better Call Saul que é um um spin-off de Breaking Bad.  Better Call Saul trata da vida do advogado Saul Godman que foi advogado de Sr White. É isso. Amor eterno a Breaking Bad!



Rafaela Valverde




sexta-feira, 22 de junho de 2018

O que falta pra gente ficar junto?

Imagem relacionada

O que falta pra gente ficar junto, hein?
Se tem amor
Tem paixão
Tem tesão
Tem cuidado
Tem afeto e atenção
Tem amizade e admiração
Se tem conversa
Tem assunto
O que falta pra gente ficar junto?
O que é que mais falta?
O que é que você ainda quer?
Além de toda essa emoção que temos quando estamos juntos?
Você quer mais que isso?
Então você quer incendiar o universo
Só pode ser
Por que eu não sei de nada mais quente do que nosso amor
E não só quente no sentido erótico
Não se trata somente disso
É quente de intensidade
De vontade
De tamanho
O que é que falta, me diz?
Eu não vejo mais nada que esteja escasso por aqui
Mas se você me disser
Vou ao final do arco-íris pegar pra você
Pra você se tocar
Que não falta mais nada pra gente ficar junto
Só você que teima em não perceber
Ou não querer
Mas como  pode não ver
Se tem amor
Tem paixão
Tem tesão
Tem cuidado
Tem afeto e atenção
Tem amizade e admiração
Se tem conversa
Tem assunto
O que falta pra gente ficar junto?



Rafaela Valverde


Escola ultrapassada

Resultado de imagem para educação

A educação  como está organizada hoje é a mesma que foi organizada há séculos. E a maior representante disso é a escola. A escola está velha. Não se aprende mais com a escola do jeito que é. Hoje as pessoas precisam de novos conhecimentos, novos formatos, novas estruturas e não somente do mais do mesmo. Pode até ter um pouco de mais do mesmo, mais é mais do mesmo demais e ninguém aprende nada, só conteúdos para passar no vestibular - ou memoriza - e olhe lá.

Há muitos e muitos anos a estrutura dos currículos escolares é a mesma. Só aprendemos conteúdos, repetições e mantras, sem pensar, sem raciocinar, sem criticar. Sim, nas escolas particulares também. Vejo algumas escolas particulares como fábricas de "passantes" no vestibular e nada mais.  Os outdoors espalhados pela cidade com "fulaninho aprovado em medicina na Ufba", "cicraninho aprovado em primeiro lugar sei lá onde..." estão aí para comprovar isso.

A estrutura e a forma como a escola funciona data do tempo dos nossos avós. Meus avós estudaram assim: fileiras, ordem alfabética, silêncio absoluto na sala, memorização, o professor lá na frente sendo o centro do saber e todos os bláblablás que conhecemos. O foco ainda está no que o professor sabe e em como ele vai transmitir para seus alunos - que são como o nome já diz a-lunos - sem luz. Tábulas rasas que precisam ser preenchidos com o saber do professor. O processo de ensino aprendizagem não é considerado e sim a passação de conteúdos meramente ilustrativos, distantes do cotidiano dos estudantes e pouco interessantes.

O que o aluno já sabe e pode vir a contribuir não é importante e não pode ser considerado. Esse aluno não é protagonista do seu próprio conhecimento, ele não desperta para determinado saber, através da mediação do professor. Não na escola que ainda temos hoje. Nessa escola, o aluno se cala, senta ereto, sem se mexer ou olhar para trás e ouve. E escreve. Coisas fragmentadas, descontextualizadas e que na maioria dos casos ele não sabe para que serve.

O sistema não permite. A burocracia não permite. Há muitos entraves para que a escola melhore, cresça, evolua e assim ela segue, com preguiça de sair da zona de conforto e se transformar. Mas também quem está no poder não tem nenhum interesse que a escola mude e vire um ambiente de formação crítica. Ainda temos uma educação e escolas tecnicistas, idiotizantes, desinteressantes e incapacitantes no sentido  de fazer os meninos acharem que o problema está neles, que eles não conseguem aprender e que são burros, essas coisas que sempre escutamos.

O que eu penso é que algo tem que mudar. Do jeito que está não está satisfatória. Então seria interessante mudar, não? Acredito que a responsabilidade também não pode estar sempre na mão dos professores. Existe algo maior, como eu já disse acima, o sistema, o poder. Não há interesse em mudar nada na escola no que se refere a isso, por parte do MEC por exemplo. O que vemos são um bando de reformas remendando o que já está esfarrapada há muitos anos.

Acredito que é daí que vem a mudança, mas não a partir deles e sim de nós que estamos aqui embaixo, lutando pela educação. Nenhuma luta que gerou mudanças ocorreu de cima para baixo e sim ao contrário. Por que não trazer elementos sociais, coisas que estão acontecendo nas comunidades em que eles estão inseridos para iniciar as aulas? Por que não conversar, saber dos meninos o que eles fazem quando estão fora da escola? Por que não deixar que eles sentem à vontade e conversem troquem questões entre si? Por que não aproveitar a conversa deles para iniciar a aula? Por que ficar somente dentro da sala de aula? Por quê? São tantos porquês. Não tenho resposta para eles todos, mas teremos que caminhar e trabalhar para termos. Por uma escola mais crítica! Por uma educação que faça pensar e realmente seja transformadora!



Rafaela Valverde


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Toca Em Mim de Novo - Isadora Pompeo







Essa música é muito linda e me toca muito. Gosto muito de Isadora! 



Lembro quando te encontrei
Tudo novo você fez
Os abraços que senti
Me fizeram prosseguir

Várias vezes eu caí
E você me levantou
Eu achava estar bem
Mas me rendo

Eu me rendo
Eu me rendo
Eu me rendo a ti

Eu me rendo
Eu me rendo
Eu me rendo a ti

Toca em mim de novo
Enche-me de novo
Eu não me vejo
Sem tua presença

Toca em mim de novo
Enche-me de novo
Eu não me vejo
Sem tua presença




Rafaela Valverde

Livro A Vida de Nosso Senhor

Resultado de imagem para livro a vida de nosso senhor

Ontem terminei de ler um surpreendente livro de Charles Dickens : A Vida de Nosso Senhor. Surpreendente porque não fazia ideia que existia. Comprei o livro por 10,00 em uma feirinha de livros em um shopping da cidade. Pois bem, Charles escreveu  ou reescreveu uma história resumida da vida de Jesus Cristo, totalmente baseada na bíblia. Com essa história ele queria ensinar essa história a seus filhos quando ainda eram crianças. Nunca quis publicar e só depois de muitos anos de sua morte, seus descendentes resolveram publicar. A edição que comprei é da editora Martins Fontes.

O livro foi escrito entre 1846 e 1849 e é baseado no evangelho de São Lucas, conforme informação da orelha do livro. O manuscrito ficou na família guardado como tesouro na família Dickens por  oitenta e cinco anos, sendo passado de mão em mão. Porém não poderia ser publicado enquanto algum filho do autor estivesse vivo. No ano de 1933 o último filho de Dickens morreu deixando o manuscrito com sua esposa e filhos que decidiram publicar. A primeira edição foi ´publicada em 1934 em Londres e nos EUA e foi um dos livros mais vendidos daquele ano.

O livro é uma narrativa simples, com alguns milagres, parábolas e detalhes sobre a vida de Jesus. Destaquei alguns trechos no final e vou dividir um aqui com vocês:

"Cristandade é AGIR BEM, sempre, mesmo em relação a quem nos faz o mal. Cristandade é amar ao nosso próximo como a nós mesmos e fazer a todos os homens o que desejamos que eles façam conosco. Cristandade é ser amável, bondoso, desculpar e conservar essas qualidades serenamente em nossos corações e, sem vaidade, jamais vangloriar - nos delas, ou de nossas orações, ou de nosso amor a Deus, mas demonstrar sempre que O amamos na busca humilde de agirmos justamente, em todos os sentidos."

É isso!


Rafaela Valverde

Estou muito melhor sem você

Imagem relacionada

Olha só, estou muito bem sem você
Voltei a me exercitar
Pintei o cabelo
Re-encontrei Deus
Não imploro mais por atenção
Ela vem!
Atenção e tudo mais
Olhos se voltam
Quando passo em qualquer lugar
Sem você
Sem seu peso
Olha, estou muito melhor sem você
Nem imaginava, sabe?
É que sou tapada
Acabo cobrindo a visão de mim mesma
E fico vendo mais o outro
Mas agora, depois de umas porradas
Vou me ver mais
Me olhar mais
E preciso repetir:
Estou tão bem sem você!
Se soubesse que ficaria assim
Já teria soltado sua mão
Desde a primeira vez que percebi
Que tu querias partir
Demorei de soltar
Segurei com força
Hoje nem sei o porquê
Não queria ficar sem você
Hoje não sei viver sem mim
Sou muito melhor sem você
Respiro sem achar que estou incomodando
Posso ser eu mesma
Não aquela que você fazia eu ser
Saiba que não me deixou ser um terço do que eu realmente sou
Perdeu!
Brilho no olhar, não mais aquele de paixão
Alívio me alcançou
Eu perdi!
Perdi o medo de me expressar
Brigar e lutar pelo melhor
Nem preciso mais!
Estou otimamente bem sem você!
Ora, ora...
Não preciso mais exigir ser bem tratada
Simplesmente sou e deixo ser
Eu mereço!
Não preciso mais implorar ínfimas e pobres palavras
Elas vêm automaticamente
E, ei psiu?
Estou muito, mas muito bem mesmo
Sem você!
E espero que você finalmente esteja melhor
Que esteja feliz
Sem mim...
E sem você também
É sim, você sem você
Porque é você quem se sabota
Quis me sabotar também
Comigo não!
É você quem afasta as pessoas de você!
Enfim, você se foi
Quis ir
Graças a Deus!
Porque eu estou muito bem, obrigada!
Vou ali ver TV e comer pipoca
Sozinha e também acompanhada.




Rafaela Valverde

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Responsabilidade afetiva, você tem?

Imagem relacionada

Vou falar um pouco sobre responsabilidade afetiva. Não que eu seja psicóloga nem nada e nem estou aqui para tentar discutir e definir teorias acerca de quaisquer temas que sejam, mas com certeza já fui bastante atingida pela falta de responsabilidade afetiva dos outros, principalmente dos homens. Então, a intenção aqui é falar da minha experiência para tentar conscientizar as pessoas para que tenham responsabilidade e empatia com os sentimentos dos outros.

Bem, primeiro vou começar por um ponto muito importante, talvez o mais importante para algumas pessoas: o amor próprio, a prioridade para si mesmo. Claro que a gente mesmo deve vir em primeiro lugar, ninguém está falando o contrário. E não, não é egoísmo pensar na gente em primeiro lugar. Ao contrário, quando pensamos em nós mesmos e nos amamos fica mais fácil olhar para o outro com amor e empatia. Pois bem, para ter amor próprio e se valorizar não precisa usar outras pessoas a seu bel prazer, nem é preciso envolver alguém até esse alguém se apaixonar para se auto afirmar. Olha só, que incrível, existem outras formas de se auto afirmar: fazer exercício físico, escrever, pintar, produzir alguma coisa, ser inteligente... Há muito o que se fazer no universo para se sentir bem consigo mesmo, não precisa envolver o sentimento de outra pessoa ou outras pessoas, no plural. Porque tem gente que faz disso um hábito e age com irresponsabilidade afetiva diversas vezes na vida.

Vamos lá. É preciso olhar o outro com respeito, amor fraternal, seriedade e empatia - mais uma vez a empatia - ela é essencial! Quando você não está preparado para se envolver em relacionamentos ou ficar, ou seja lá o que for que envolva  outrem - e não venha com uma conversa de que não se sabe, a gente sempre sabe se está preparado ou não (!) então, não se envolva. Então não envolva ninguém em sua teia de insatisfação, dor e incoerência. Tenha um relacionamento com você mesmo ou com Deus. Mas fique só.Vá pensar na vida, ler a bíblia, ir ao cinema ou ao teatro, fazer caminhada, ver o pôr do sol. Talvez não dê para acreditar mas é possível fazer muitas coisas sozinho e ser feliz sozinho também.

Se não se sente preparado não envolva outra pessoa em sua vida, com sua família, com suas questões e vida pessoal. Essa pessoa também tem família, vida pessoal e questões. Ela tem sentimentos e provavelmente vai sofrer quando não mais conseguir satisfazer seus caprichos de pessoa mimada. Se não quer namorar não namore, se não quiser ficar não fique, se somente quiser ficar, sem ter certeza se gosta para ter algo mais sério, deixe claro, bem claro. Fale, grite e não fique inventando palhaçadas de namorico de adolescente. A outra pessoa não é idiota, nem criança. Ela vai entender e se não tiver na mesma vibe, vai sair da sua vida. Apenas tenha sinceridade, maturidade, humildade e amor ao próximo. Se você é uma pessoa boa você vai se preocupar minimamente com o outro e com o que vai causar na vida desse outro. Pense, respire, analise, ore, pergunte a outras pessoas, se questione várias vezes se você realmente gosta dessa pessoa a ponto de se relacionar. Não deixe o outro se relacionando sozinho. É triste, machuca. Se não vai ficar, se não tem intenção de ficar, não prometa nunca ir embora, não prometa vida a dois, casamento, filhos, futuro. Não prometa, idiota. Não prometa!

E além de tudo isso, envolver alguém deliberadamente em sua vidinha medíocre, ainda tem a falta de sinceridade. A coisa não está mais andando, todo mundo está percebendo, mas você não tem a coragem de falar, de abrir o jogo. Fica maltratando, ignorando, fazendo joguinho, se cala, passa mais tempo no celular, não toca, não beija, não deseja e faz de tudo para que a outra pessoa termine. Isso é uma sacanagem. É uma covardia! Você acaba gerando mágoas, raiva e energias ruins para si mesmo e para sua vida.

Ter um pouco de cuidado com o outro não custa nada. É simples. É só ficar quietinho no seu canto. Não baixar Apps de paquera, não pedir para amigos te apresentarem a alguém e não ficar buscando outras pessoas, PESSOAS, sim, olha eles são SERES HUMANOS iguais a você. Não diga que ama, não elogie, não envolva, não mande músicas, não seja romântico, não faça nada que faça o outro se apaixonar por você, se você não tiver realmente afim de viver aquilo. Porque relacionamento é coisa séria e não é fácil. Relacionamento é ajuste, é diálogo constante, é conflito, é conviver com outra pessoa e aceitar seu jeito de ser. Relacionamento é respirar fundo às vezes, e querer matar o outro de vez em quando, é muito difícil e não é para qualquer um, portanto se você realmente não quer se relacionar com AQUELA PESSOA, se acha que talvez vocês não combinem tanto, então não ENVOLVA ESSA PESSOA. Deixe ela em paz no canto dela. Porque qualquer coisa diferente disso é cretinice. Cresça, acorde e tenha responsabilidade afetiva. Nós agradecemos.



Rafaela Valverde

terça-feira, 12 de junho de 2018

Crescente fértil - Carina Castro

Resultado de imagem para carina castro poetisa


enquanto estendo as roupas
no varal
torço
pra que não chova
enquanto eu estiver fora
seria toda uma tarde enxuta
encharcada
tem também aquela goteira
insistente
pra amparar
pode vir de vento
sem aviso
dependendo da força
entra pelas frestas
da janela
inundando dentro
enquanto se acaba
a civilização
lembro que tenho que me virar em comida
pra suprir fomes alheias
confirmo no calendário o dia que o gás acabou/
localizo a lua crescente
– tempo certo –
pra cortar
os cabelos
pra que cresçam
subo a ladeira quase-sem-fôlego
me sinto sedentária
lembro que tenho
um corpo
mas não lembro
quando assentei poeira no chão
finquei raízes
ergui e pari o mundo
[e o que fez de mim a civilização?]
concebia-me sem pecado
e me embalava com muita graça
quando não temia
a época das cheias
que batiam no peito
não dava pé e não sabia nadar
que vinham
lavando e levando tudo
trazendo feras
peixes à beira da loucura
num transbordar infinito
prateando tudo até que tudo apodrecesse
tornando a lama, lume
crescente fértil
leito de nanã
dou de beber a tantas sedes
que a estiagem sempre é certa
corro pra tirar as roupas do varal
mas no fundo quero
que meu corpo encharque



Rafaela Valverde

Um tênis

Resultado de imagem para caminhada

Fui na médica e recebi um ultimato: preciso perder peso. Vinte quilos, talvez a médica tenha exagerado. Sempre fui rechonchuda, mas não posso mais ser. Afetou minha saúde. Vamos lá! Pelo menos dez quilos pretendo perder logo. No mesmo dia  comprei um bom tênis. Confesso que sou um pouco pão dura e se já tinha comprado um tênis  precisaria usá-lo. Não sabia exatamente como usaria, se na academia ou se voltaria a caminhar. (Parei porque meu outro tênis estava horrível, muito velho) Ontem até pensei em ir à academia fazer matrícula mas pensei bem e desisti. Não vou investir dinheiro em algo que detesto (mais uma pão durice minha, rsrs).

Então, detesto academia. Detesto as músicas e o volume das músicas, detesto musculação, detesto as pessoas muito felizes e malhadas, detesto instrutores, detesto  a imagem coletiva de uma academia. Pois bem, desisti da academia e decidi que sim, voltaria a caminhar. Como ontem, segunda feira, fiquei com medo de sair às cinco da manhã sozinha para caminhar porque estava muito escuro, decidi que precisava ir hoje de qualquer jeito. E fui. Saí de casa para caminhas às 05:10, caminhei por meia hora e voltei para tomar banho, café e sair para o estágio. Foi corrido, mas me fez muito bem. Eu gosto muito de caminhar e o tênis é ótimo.

O que me surpreendeu foi encontrar várias pessoas caminhando no mesmo horário pelo bairro. Se eu soubesse que tanta gente caminhava no escuro, já teria ido desde ontem, ou desde antes, nesse horário. Sempre ia de manhã cedo, porém não tão cedo ou então no final da tarde. Minha intenção inicialmente é caminhar meia hora todos os dias, inclusive os sábados. Os domingos vão depender da minha vontade, sono, ou se for para a igreja. Vamos combinar que levantar cedo domingo (não, qualquer dia) é um saco, né? Mas, o que me faltava era somente o tênis. Já o tenho e agora estou focada em emagrecer, em ter uma vida melhor, com mais disposição, um sono melhor, enfim... Até meus ovários policísticos a atividade física vai aliviar. Atividade física é bom para tudo! Pretendo  também diminuir a quantidade de comida ingerida e melhorar a qualidade, sem dietas muito restritivas, porque isso pode vir a ter um efeito contrário. É isso!


Rafaela Valverde


sábado, 9 de junho de 2018

Burburinho humano

Resultado de imagem para barulho

É barulho por todo lado. Buzinas, sirenes, músicas em volume tão alto que me escapa até o pensamento, pessoas conversando, barulho, barulho e barulho. Será que não é possível a gente fazer silêncio nunca? Será que não há motivos para fazer silêncio? Será que estar a sós com a gente mesmo é tão ruim assim? As pessoas não falam de falar. É interminável o número de blá-blá-blás e não há quem suporte. Ontem li um texto que dizia algo assim. Algo sobre o silêncio que não temos mais. O silêncio que perdemos direito de ter. Olha, é bem cansativo ouvir tanto, ouvir tantas coisas, tanto burburinho, conversas diferentes, pessoas diferentes, histórias diferentes. Eu acho que precisamos de doses de silêncio. Acho inclusive que deve fazer bem para a saúde. Passo por longos momentos de silêncio durante a maior parte dos meus dias. Eu gosto muito. Só ouço meus pensamentos e a música ou a rádio que está no meu fone de ouvido. Na verdade eu acho que não suporto mesmo é ouvir burburinho humano. As pessoas são extremamente barulhentas, falam alto e falam muita besteira. Eu só quero estar em paz dentro de um ônibus ou na fila do banco. Oras, mas qual a necessidade que se tem de falar tanto? Auto- afirmação? Desassossego? Há alguns meses peguei um micro-ônibus e sentei bem perto de uma mulher que falava muito. Tipo, ela já estava falando quando eu entrei e desci e ela continuou falando e falando. Observem que era um micro-ônibus. Ou seja, um ônibus menor que os normais, então era muito irritante. Falam, falam, falam e não dizem nada. Quando chegam em casa querem mais barulho, querem assistir o JN depois a novela e querem que os meninos, logo os meninos, tão cheios de energia (!), fiquem calados. Ora, vocês passaram o dia parecendo umas matracas infernizando a vida de todo mundo e agora querem que os meninos calem a boca, pra vocês consumirem Tevê. Vocês estão loucos? É esquizofrenia coletiva? Hein? Me explica! Por que eu não consigo entender. Na verdade eu nem quero mais entender merda nenhuma, eu só quero que vocês calem a boca, pode ser? É por isso que a gente é obrigada a ser grossa, porque esse pessoal pede. Fala sério! Mas, então, saindo da minha histeria de exigência do silêncio, o que tenho pensado sobre isso, é que as pessoas têm necessidade de se autoafirmar, mas, além disso, penso que pessoas barulhentas são aquelas que tiveram poucos momentos de silêncio e solidão na vida. Eu, no entanto, passei muitos momentos na infância e adolescência sozinha e em silêncio quase absoluto, lendo. Como eu lia! Como eu exercitava meus pensamentos, como eu economizei minha voz e palavras que são apenas jogadas ao vento e ecoam nos ouvidos de outrem, incomodando e irritando. Assim como me irrito hoje. Pessoas que sempre tiveram casa cheia ou que tiveram raros momentos de solidão, creio eu - essa é minha opinião- podem sim ter mais dificuldades em manter a boca fechada e isso é chato. Pessoas que falam muito e o tempo todo, vocês são chatas! Já existe tanto barulho em nossas vidas, pra que mais? Obviamente eu sei que isso nunca vai acabar e sempre vão existir burburinhos, burburinhos esses que algumas vezes, ironicamente,  acabam me salvando de mim mesma e dos meus  gritantes pensamentos  silenciosos.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Discernimento e livre arbítrio

Resultado de imagem para vontade de deus

As pessoas têm uma ideia errônea, a meu ver, que a gente precisa sair do resto da nossa vida para ser cristão. Olha só, tenho uma novidade, não é necessário se alienar de tudo para servir e amar a Deus. "Fulaninho não é crente, não vou mais falar com ele... " "Sicrano é assim e assado, vou me afastar..." ou então "Não vou mais ver essas séries, filmes e ler esses livros mundanos, só vou ver coisas edificantes..."

Tá. Ok. Então se feche em seu mundinho crente e fique aí sozinho, chato e sem assunto. Vai estar em encontro de família, na faculdade, no trabalho ou sei lá mais onde e não vai saber de nada que se passa no mundo. Nada de cultura jovem, nada de cultura feminina, nada de cultura geral. Nada. Mal sabe falar sobre a bíblia e sobre Jesus, até porque Jesus pregava o amor. Seus seguidores o seguiam porque percebia seu amor. Mas, nem vejo esse tipo de pessoas falando no amor dEle. Como se aproximar de alguém para falar de Jesus se mal sabe falar de Jesus e nada sabe sobre cultura geral?Até porque todo ser humano é dotado de cultura e está inserido na cultura da sua comunidade, então é impossível viver totalmente afastado disso.

Pois bem, eu ainda posso escrever literatura, estudar, ver filmes, ter hobby, lazer e atividades culturais. Tenho livre arbítrio garantido por Deus e eu que aguente as consequências dos meus atos, com Ele. Com Ele. Com mais ninguém. É óbvio que é necessário, é obrigação, respeitar e obedecer a palavra de Deus. Mas não vejo porque viver num "pode-não-pode" exigido por pessoas, seres humanos iguais a mim. Eu, a medida que vou em que vou conhecendo e estudando a palavra de Deus, não apenas lendo e decorando versículos, eu mesma vou percebendo o que me apetece ou não. O que devo fazer ou não. Não preciso que ninguém fique me falando. Na verdade, nem eu nem ninguém. Tenho discernimento suficiente, sou uma pessoa adulta e já saí do pior.

A falta de um relacionamento com Deus  e muitas vezes a preguiça de estudar, de meditar, de ver o contexto do texto bíblico, implica na falta de conhecimento dEle e de Sua palavra. Nós temos capacidade  de escolha. Capacidade essa dada por Deus. Portanto, precisamos saber escolher, porque o tempo de Deus é diferente do nosso e uma hora vai ser preciso usar nossa capacidade para escolhermos sozinhos.

É preciso pedir orientação a Deus. Se Ele não responde no nosso tempo, é porque ele vai responder no tempo dEle ou então está esperando que nós usemos nossa inteligência, discernimento, livre arbítrio e conhecimento da palavra - minimamente. Uma hora, em determinado momento da vida será necessário agir e nesse agir aos poucos ir pedindo o direcionamento de Deus. "Senhor, é isso aqui mesmo? Se não for não deixe chegar ao fim..." Enfim, tem muitas formas de fazer isso.

Às vezes a gente fica com preguiça ou então com medo de fazer a escolha errada e acaba esperando muito por uma resposta divina só para se eximir de culpa ou responsabilidade. Queremos imediatismo e ao mesmo tempo queremos que Deus nos diga tudo, nos mostre um sinal ou nos confirme algo através de alguém, porém em muitos casos a resposta já está em nossa cara, na bíblia. Das duas, uma: ou  não lemos ou não estamos sabendo interpretar o que estamos lendo. De um mês pra cá pude perceber que a bíblia não é um livro tão difícil assim de se entender como eu achava antes. Então, força, vocês também conseguirão entender. Beijos de luz!



Rafaela Valverde

domingo, 27 de maio de 2018

Eu-Mulher - Conceição Evaristo

Resultado de imagem para conceição evaristo


Uma gota de leite
me escorre entre os seios.
Uma mancha de sangue
me enfeita entre as pernas.
Meia palavra mordida
me foge da boca.
Vagos desejos insinuam esperanças.
Eu-mulher em rios vermelhos
inauguro a vida.
Em baixa voz
violento os tímpanos do mundo.
Antevejo.
Antecipo.
Antes-vivo
Antes – agora – o que há de vir.
Eu fêmea-matriz.
Eu força-motriz.
Eu-mulher
abrigo da semente
moto-contínuo
do mundo.



– Conceição Evaristo, no livro “Poemas da recordação e outros movimentos”. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.





Rafaela Valverde

Querido amigo ateu - Fabiana Bertotti


Descobri Fabi essa semana. Ela é jornalista, escritora, casada com um pastor e é Adventista. Não concordo com algumas coisas que ela fala, mas nesse vídeo eu concordo com tudo. Não adianta ser uma pessoa chata, até porque você não converte ninguém, quem converte é o Espírito Santo. Pode até pregar, mas antes viva em sua vida o que está pregando. Seja uma pessoa agradável pra falar de Jesus porque ele não merece gente chata achando que segue ele e proliferando mentiras e intolerâncias em Seu nome. Enfim, vejam o vídeo.



Rafaela Valverde

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...