Mostrando postagens com marcador Netflix. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Netflix. Mostrar todas as postagens

domingo, 18 de junho de 2017

Série Blindspot


Terminei ontem a primeira temporada da série Blindspot. E gostei muito. A série é americana, estreou em 2015 e foi criada por Martin Gero. O elenco conta com  Jaimie Alexander, Sullivan Stapleton, Rob Brown, entre outros. É uma produção de drama, suspense e ação que ainda está em andamento.

A série traz a história de agentes do FBI que se veem envolvidos em vários casos criminais e de corrupção, a partir de uma mulher, Jane Doe (Jaimie Alexander). com o corpo todo tatuado deixada em uma mala, sem roupas e desmemoriada, em uma das ruas de Nova York. Em uma das tatuagens há o nome do agente Kurt Weller  (Sullivan Stapleton), que logo se sente responsável por proteger a mulher misteriosa.

Assim, diversos casos se desenrolam a partir das tatuagens de Jane. Alguns casos estão em andamento, outros ainda vão acontecer enquanto cada tatuagem é decifrada. A identidade da mulher é revelada, mas nada é o que parece. Até mesmo os flashes de sua memória que vai voltando aos poucos podem não ser exatamente o que todos pensam.

A série é cheia de mistérios e conspirações. Muita ação, drama e suspense compõem os roteiros e as cenas, que são bem construídas e montadas, com boas interpretações. Percebi que algumas peças foram deixadas soltas, o que acredito que serão resolvidas ao longo das próximas temporadas. Uma série bem feita, com boas fotografias da cidade de Nova York e das outras locações. Cenas arrebatadoras, que prendem e deixam a gente com os nervos a flor da pele. Eu gostei bastante da série e recomendo!



Rafaela Valverde

sábado, 10 de junho de 2017

Filme Lion - Uma Jornada Para Casa


Assisti no final de semana passado o filme Lion - Uma jornada para casa que foi lançado no Brasil em fevereiro desse ano e já está na netflix. Nossa, como eu amo a netflix. O filme tem no elenco, nomes como  Dev Patel, Rooney Mara, Nicole Kidman, entre outros. O filme passei entre os gêneros drama, biografia e aventura e foi gravado em parcerias com os EUA, Austrália e  Reino Unido.

Dirigido por  Garth Davis, o filme, que é baseado em fatos reais, traz a história de Saroo, um menino de cinco anos que se perdeu do irmão durante uma viagem em Calcutá. O menino passou por coisas muito difíceis até ser adotado por uma família australiana que o amou e mudou sua vida.  Passou a vida inteira sem superar o que tinha lhe acontecido e já adulto, 25 anos depois reslveu procurar sua família através da internet.

Esses momentos em quem as lembranças de Saroo se misturam com a vida atual são muito bem construídos. É um drama psicológico, a gente sente a angústia dele. Ele fica anos sem saber nenhuma notícia da mãe biológica e dos irmãos. E apesar de aproveitar as oportunidades de estudo e trabalho na Austrália,  sonha sempre em reencontrar sua outra família. 

Eu achei o filme muito bom. Foi indicado a vários prêmios, inclusive Globo de Ouro e Oscar de melhor filme. Gostei bastante do filme, me emocionei e chorei. Sim, manteiga derretida. Há tempos não chorava vendo um filme. Recomendo. As atuações são excelentes e a fotografia é incrível.


Rafaela Valverde

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Série Gilmore Girls


Terminei de ver no final de semana a antiga série Gilmore Girls e em seguida assisti os quatro episódios do especial lançado pela Netflix no final do ano passado. Já tinha ouvido falar da série há alguns anos, mas a curiosidade veio mesmo  a partir do Gilmore Girls - Um ano pra recordar. No início do ano comecei a ver os episódios e de cara já gostei do bom humor de Lorerai e da amizade com a filha Rory.

Tal Mãe, Tal Filha como foi traduzida é uma série criada por  Amy Sherman-Palladino que estreou no ano 2000. Estrelada por Lauren Graham e Alexis Bledel, como Lorerai e Rory, teve seu final no ano de 2007. Com sete temporadas, a série teve um grande sucesso, inclusive aqui no Brasil. 

A história de mãe e filha é contada. Lorelai engravidou aos 16 anos e decidiu sair de casa para criar sua filha longe de todos. Mãe solteira, chegou na  pequena cidade fictícia Stars Hollow e  com ajuda de amigos e bastante trabalho começou a criar sua filha. Como são apenas as duas, elas desenvolvem uma parceria e cumplicidade. E foi essa parceria que me chamou atenção na série. E o bom humor de ambas? A piada de uma complementa a da outra. Achei sensacional a química das duas atrizes.

Lorelai não tem um bom relacionamento com seus pais Emily e Richard Gilmore por sempre contestar suas ideias e modo de vida. Os pais são envolvidos em eventos sociais que Lorelai acha fúteis, por isso sempre critica os pais e com isso traz certas alfinetadas ao modo de vida dessas pessoas.

Mas a série é muito mais que isso. Ri horrores durante esses meses que a vi. São ótimas piadas, histórias e personagens bem construídos. Stars Hollow é a comédia em si. Claro que também há drama e especialmente na última temporada e no especial chorei bastante e com certeza entrou no rol de uma das minhas séries preferidas. Amo Gilmore Girls. E essa é minha pequena homenagem.



Rafaela Valverde


sexta-feira, 24 de março de 2017

Série Merli


Dois professores me indicaram a série Merlí e eu decidi assistir. Está no Netflix e eu não poderia deixar de dar uma espiada. Especialmente por se tratar de uma série catalã, cuja cultura e língua eu ainda não tinha tido contato e por se tratar de educação e filosofia. Merlí estreou na Catalunha em 2015 e a Netflix comprou os direitos de exibição no Brasil e nos EUA.

Só tem a primeira temporada, mas já quero a segunda! Merlí, professor que dá nome a série é um professor de filosofia nada tradicional. Ele chega à escola causando polêmicas com os outros professores e com os alunos que estranham sua forma de ensinar e agir. Desperta o ódio de alguns e o amor de outros. Um outro detalhe da série é que cada episódio é nomeado com um filósofo ou uma vertente filosófica como os peripatéticos. E nesses episódios com nomes de filósofos, as aulas e as histórias têm influências de certas ideias deles. 

Merlí é pai de Bruno, que também é seu aluno. Bruno é gay mas ainda está no armário. E as histórias vão se desenvolvendo a partir dos dramas dos alunos, da personalidade do professor-protagonista Merlí, que não é nada fácil e a partir de ideias filosóficas também. Vários assuntos são abordados, como conflitos entre pais e filhos, divulgação de vídeos íntimos na internet, bullying, homossexualidade, etc.

É uma série muito bacana. Bem produzida, com boas atuações e aquela gostosíssima língua catalã que inclusive estou estudando na faculdade, já que é uma língua românica, advinda do latim hahaha. É isso, gente, eu gostei bastante e recomendo. Para professores e pessoas normais (rsrsrs). Já que é uma série bastante divertida e dá para aprender alguma coisa sobre filosofia. Recomendo!



Rafaela Valverde

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Filme A Busca


Assisti novamente o filme brasileiro A busca do ano de 2013. O filme é dirigido por Luciano Moura e tem no elenco Wagner Moura, Mariana Lima, Lima Duarte, entre outros. Pode ser  caracterizado como Aventura ou Drama. É um filme bem brasileiro, pelo menos foi o que eu achei. É claro que a atuação de Wagner Moura dispensa comentários e eu adoro Mariana Lima.

O filme traz a história de Theo Gadelha (Wagner Moura) e Branca (Mariana Lima), um casal de médicos que está se divorciando e que tem um filho adolescente de 14 anos , Pedro (Brás Antunes) que desaparece deixando os pais bem preocupados. Assim, Theo sai em busca do menino, percorre várias cidades, conhece várias pessoas e passa por alguns perrengues para tentar achar o menino.

É uma boa trama, porque prende. Dá curiosidade de saber o que houve com o menino que ao que se sabe está andando num cavalo preto por aí. Theo passa inclusive por um grupo de jovens que estão acampando e nesse momento eu senti que ele passa a conhecer melhor seu filho, conhecendo outros jovens quase da idade dele.

É um filme que fala de família. A família que se separa, o pai que não vê o filho há anos. O filho que foge de casa para poder reunir os dois... É um lindo e reflexivo filme. É um típico filme brasileiro, daqueles que colocam a gente para pensar mesmo. Assistam. Valorizem o cinema nacional.



Rafaela Valverde


quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Filme Shame


Vi no final de semana o filme Shame. É um filme que sinceramente eu nunca tinha ouvido falar, mas ouvi uma indicação de alguém no Facebook e decidi vê-lo. O filme é de 2011 e conta com a participação de  Michael Fassbender, Carey Mulligan, James Badge, entre outros. Um drama do Reino Unido dirigido por  Steve McQueen tem muitas cenas intensas, não necessariamente do ponto de vista sexual, mas do ponto de vista do cinema mesmo.

Algumas cenas falam por si próprias. Em determinados momentos o filme fica paradão, parecendo filmes brasileiros que também têm essa característica de câmera parada, cheguei a olhar para a tela para ver se a internet tinha parado ou se eu tinha pausado sem querer. Mas não, eram apenas momentos de reflexão do filme, ou que exigiam mais atenção.

O personagem principal Brandon, vivido por Fassbender, sofre de compulsão sexual. O que para as outras pessoas é saudável, para ele é no mínimo constrangedor. O filme inicia com voltas de Brandon pela casa, seu nu frontal não tem nada de sensual, ao contrário, pode chegar até a ser sombria, tensa. O filme é todo marcado por cenas de alívio e não prazer. É o que o sexo traz para Brandon. Pelo menos momentaneamente. Porque logo se faz necessário procurar mais objetos para satisfazer aquele desejo. 

Ele vive em função do sexo. Seu computador do trabalho, o de casa, suas estantes, toda a sua vida é tomada pelo sexo, pela pornografia. As cenas de sexo não excitam o telespectador, quase dá angustia ao ver algumas cenas. Talvez pelo personagem ser tão bem construído pelo seu interprete. É perceptível o incômodo de Brandon ao se aliviar com prostitutas ou desconhecidas no meio da rua.

Sua irmã, inconvenientemente vai morar em sua casa e passa a prescrutar seus segredos que praticamente vão até ela. É uma relação conturbada, mais uma de Brandon. Ele vive uma vida inquietante, me deu muita agonia assistindo esse filme.




Rafaela Valverde

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Série 3%


Terminei de ver a série brasileira 3%. É uma série exclusiva da Netflix com produção e atores brasileiros. Foi lançada no ano passado e a primeira temporada tem 8 episódios. Criada por Cesar Charlone e Pedro Aguilera, a série tem excelentes atores como João Miguel, Bianca Comparato, Michel Gomes.

João Miguel está maravilhoso com sempre. Que ator. Eu nem vou falar dele, vou falar só da série pois João Miguel daria um texto só pra ele. Enfim, 3% é uma série de Drama, Ficção científica, Suspense que foi bastante falada no final do ano passado quando estreou.  Ouvi falarem bem e mal também. Eu gostei bastante, especialmente por ser completamente diferente de tudo que eu já assisti produzido no Brasil. Particularmente, eu curto bastante a dramaturgia e o cinema brasileiros, então para mim foi mais fácil. Apenas não julguei.

Um ambiente futurista é o cenário da série, onde há a separação do mundo em um lugar devastado, o Continente e Maralto, um lugar extremamente moderno e bom de se viver. Todo jovem de vinte anos passa por uma seleção para ir para um bom lugar para "melhorar de vida". Eles passam por duras provas físicas e psicológicas, mas só três por cento desses jovens serão selecionados e poderão sair daquela vida miserável.

A trama que se segue a partir daí é tensa e cheia de suspense. A cada hora você é surpreendido, não se sabe o que vai acontecer no próximo minuto, e  novas histórias sobre os personagens são contadas ao longo dos episódios. Com uma fotografia sóbria e cinza e diálogos bem feitos a série para mim dá conta do recado. Devorei em poucos dias. Recomendo!



Rafaela Valverde

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Grey's Anatomy ♥


Terminei de ver as doze temporadas de Greys Anatomy disponíveis no Netflix. Há muito tempo que ouvia falar dessa série e quando tinha TV por assinatura até dei umas olhadas nela algumas vezes, \ mas alguém me disse: " essa será a melhor série da sua vida." Então fui, relutante, assistir e ver se era isso mesmo.

No início, nos primeiros capítulos da primeira temporada, eu ainda estava meio em dúvida se realmente gostava daquela série alucinante, cheia de casos loucos de medicina. Eu comecei bem devagar inclusive, ainda estava conhecendo os personagens e acabei parando no meio da segunda devido aos tantos afazeres da faculdade.

Mas um belo dia resolvi voltar a ver e fui me encantando aos poucos. Gostei logo de uns personagens de outros não. A série estreou em 2005 e é escrita por Shonda Rhimes, a mesma autora de séries como Scandal e How to Get Away with Murder, ambas que eu adoro. A minha relação hoje com Greys Anatomy é a mesma relação dos outros fãs. Eu adoro essa série. Me emocionei, ri, mas ri muito. Me indignei com algumas atitudes e mortes de alguns personagens.

E tem Cristina Yang. É um caso à parte. Eu e todos que eu conheço amam Yang. Ela é sem dúvida, a melhor personagem da série. A amizade dela com Meredith, a protagonista chatinha e metida a suicida é marcante e o bordão: "você é a minha pessoa" entrou para a minha história e para uma amizade que eu tenho hoje.

Foram casos estranhos, cenas bizarras e ficcionais. Teve gente envolvida com pedra, teve gente atravessa com um ferro no meio do corpo, explosão, afogamento, acidentes de carro, quedas de avião, transplantes, sexo... Muito sexo. Como as pessoas se pegavam dentro do hospital. Um outro destaque que eu quero dar para Grey's é em relação ao destaque que é dado aos personagens negros, que geralmente são médicos respeitados e chefes.  Enfim, cada  personagem é fofo e bem feito. Eu amo essa série.




Rafaela Valverde

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Filme Olho por Olho


Estou aproveitando esses poucos dias de férias que eu tive, já que segunda feira já começa o semestre 2016.2 por isso estou assistindo muitas coisas. Comecei a assistir a antiga e clássica Friends, indicada por amigos e já bastante conhecida por mim. Estou devorando Grey's Anatomy e estou assistindo alguns filmes.

Ontem vi um filme de 1996, ou seja de vinte anos atrás. Sei lá, tava passeando aleatoriamente no netflix e me deparei com esse filme, gostei da sinopse e decidi assistir. O filme é Olho por Olho. Dirigido por John Schlesinger, o filme  é um suspense, um bom suspense integrado por  Sally Field, Ed Harris, Olivia Burnette entre outros.

Uma família é abalada pelo estupro e morte violenta da filha mais velha. A mãe ouve toda a cena do ataque pelo celular, já que estava falando com a filha. Ela entra em desespero e em meio ao engarrafamento se vê impotente para ajudar a filha. A constatação da morte violenta da menina vem com a chegada em casa.

Daí em diante iniciam - se as investigações e as buscas pelo bandido. Logo um suspeito é pego e vai a julgamento, sendo solto por inconsistências de provas. O que se segue daí em diante é uma trama bem feita mas com o final meio previsível, apesar de  alguns detalhes surpreendentes. Eu gostei bastante desse filme e eu adoro suspenses. Recomendo.



Rafaela Valverde

Filme Bem vindo a Marly-Gomont


O filme Bem Vindo a Marly-Gomont é um país francês lançado agora mesmo em 2016 e recentemente chegado ao Netflix. Eu assisti por que foi indicação de uma amiga que me explicou um pouco do filme e fez uma pequena comparação entre o nosso comportamento, baianos, com os africanos.

Daí achei interessante a narrativa que ela fez da história do filme e fui assistir no mesmo dia. A direção é de Julien Rambaldi e o elenco conta com Marc Zinga, Médina Diarra, Aïssa Maïga, Bayron Lebli, entre outros. Confesso que eu não conheço nenhum ator do filme, mas eu gostei do filme e estou aqui indicando para vocês.

O filme traz a história de uma família da região do Congo, cujo o pai é recém formado em medicina. Ele decide então ir para o interior da França para começar a atuar na medicina. Eles já moravam na França e foi nesse país que ele estudou medicina. Um belo dia, em uma breve seleção, o prefeito de um remoto povoado no interior decide contratar o médico negro.

Ele vai com a sua família e são tratados com estranheza ou até com rispidez pelos moradores brancos da localidade. Eles nunca tiveram um morador negro, africano na cidade. Eles nunca tiveram um médico negro. E aí se inicia uma série de  acontecimentos de rejeição e preconceito contra a família. Muita resistência é encontrada pelo médico que tem que se esforçar muito mais para conseguir ganhar a confiança das pessoas e  passar a exercer a medicina. É uma história baseada em fatos reais e vale a pena ver. Recomendo.



Rafaela Valverde

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Easy


Assisti nesse final de semana a primeira temporada da série Easy, série original da Netflix. Composta de oito episódios, a série estreou em setembro e traz de forma antológica, personagens e episódios diferenciados e nem sempre conectados. Exceto por um detalhe ou outro, um personagem ou outro. A cidade em comum é Chicago. É lá que as câmeras livres e meio caseiras registram histórias divertidas e reflexivas.

Mas também há cenas e episódios meio maçantes. Apesar de eles durarem apenas cerca de 30 minutos, não dando muito tempo para se sentir entediado. Em alguns momentos eu senti uma identificação da série com uma outra que eu estou assistindo que é Black Mirror, uma série inglesa também com personagens e episódios diferentes. Vamos dizer que Easy seja uma Black Mirror dos pobres... rsrsrs

Mas Easy, que é dirigida por Joe Swanberg trata mais de relacionamentos interpessoais, apesar de haver algo  de relacionamento com a tecnologia e Black Mirror também tratar, além da tecnologia, das relações entre as pessoas. Mas sobre a série inglesa eu falo depois. O texto aqui é para Easy que traz temas modernos e polêmicos como exposição na mídia, diferença entre gêneros, aplicativos para transar, veganismo, homossexualidade etc.

Eu gostei da série. É bem feita e tem bons atores. Em um dos episódios há a presença de Orlando Bloom, famoso ator de Hollywood. E antes que eu esqueça de falar, há em Easy, um tratamento especial ao sexo. Cenas diferentes de sexo. Casais héteros, um casal de mulheres, mulher com o amigo do marido... É tudo bem quente. Que fique claro que foi o que eu mais gostei. Hahaha


Rafaela Valverde

terça-feira, 1 de novembro de 2016

How to Get Away with Murder


Terminei de ver a segunda temporada de How to Get Away with Murder que é a que está no Netflix. Mas já está na terceira temporada. É uma série de drama e suspense e tem nada menos que Shonda Rhimes como produtora executiva. A mesma criadora de Scandal e Grey's Anatomy.

É uma série boa e meio sem pé nem cabeça assim como Scandal. Não vou dizer porque eu acho sem pé nem cabeça, mas é uma série que têm muitos crimes e advogados, assim como Scandal. Salvaguardadas as semelhanças, as séries são diferentes no final das contas.

A protagonista, assim como em Scandal é uma mulher negra e forte.  Isso para mim conta pontos para a série. Gosto de mulheres protagonistas. Gosto de mulheres negras  fortes protagonistas.  Viola Davis é brilhante. Seus pupilos idolatram a personagem Annalize. 

A série começou em 2014 e tem alcançado bons números e bons seguidores e fãs. Eu gosto. Acho Viola uma atriz maravilhosa e gosto de olhar para ela. Ela poderia estar calada durante toda a série, só precisava olhar e manter sua expressão corporal e facial, já seria boa atriz!

Recomendo!


Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...