Mostrando postagens com marcador Liberdade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Liberdade. Mostrar todas as postagens

domingo, 8 de julho de 2018

Apesar - Itagon


Que música! Apenas ouçam!



Apesar de mim
Não por minha causa
O vento há de soprar
Apesar de mim
As folhas crescerão sem pesar
E o Sol nascerá sobre mim

O dia acontecerá
Apesar
Sejas por mim, não abro mão
Mesmo a pesar

E não vá reparar a bagunça em mim
Estou a caminhar em obras

Eu lanço fora todo medo
Todos meus segredos
E o que me afasta de Ti
Sigo encontrando tudo que me resta
O peso e a pressa
Varredura em mim a pesar

A graça veio me consolar
Não tenho aonde ir
Confio mais em mim
Do que graça do meu Deus
Depósito de ego são minhas mãos

Mas o que posso ou não fazer
Aonde vou me esconder
Se o que restava era encontrar
Você

Eu lanço fora todo medo
Todos meus segredos
E o que me afasta de Ti
Sigo encontrando tudo que me resta
O peso e a pressa
Varredura em mim a pesar




Rafaela Valverde

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Escola ultrapassada

Resultado de imagem para educação

A educação  como está organizada hoje é a mesma que foi organizada há séculos. E a maior representante disso é a escola. A escola está velha. Não se aprende mais com a escola do jeito que é. Hoje as pessoas precisam de novos conhecimentos, novos formatos, novas estruturas e não somente do mais do mesmo. Pode até ter um pouco de mais do mesmo, mais é mais do mesmo demais e ninguém aprende nada, só conteúdos para passar no vestibular - ou memoriza - e olhe lá.

Há muitos e muitos anos a estrutura dos currículos escolares é a mesma. Só aprendemos conteúdos, repetições e mantras, sem pensar, sem raciocinar, sem criticar. Sim, nas escolas particulares também. Vejo algumas escolas particulares como fábricas de "passantes" no vestibular e nada mais.  Os outdoors espalhados pela cidade com "fulaninho aprovado em medicina na Ufba", "cicraninho aprovado em primeiro lugar sei lá onde..." estão aí para comprovar isso.

A estrutura e a forma como a escola funciona data do tempo dos nossos avós. Meus avós estudaram assim: fileiras, ordem alfabética, silêncio absoluto na sala, memorização, o professor lá na frente sendo o centro do saber e todos os bláblablás que conhecemos. O foco ainda está no que o professor sabe e em como ele vai transmitir para seus alunos - que são como o nome já diz a-lunos - sem luz. Tábulas rasas que precisam ser preenchidos com o saber do professor. O processo de ensino aprendizagem não é considerado e sim a passação de conteúdos meramente ilustrativos, distantes do cotidiano dos estudantes e pouco interessantes.

O que o aluno já sabe e pode vir a contribuir não é importante e não pode ser considerado. Esse aluno não é protagonista do seu próprio conhecimento, ele não desperta para determinado saber, através da mediação do professor. Não na escola que ainda temos hoje. Nessa escola, o aluno se cala, senta ereto, sem se mexer ou olhar para trás e ouve. E escreve. Coisas fragmentadas, descontextualizadas e que na maioria dos casos ele não sabe para que serve.

O sistema não permite. A burocracia não permite. Há muitos entraves para que a escola melhore, cresça, evolua e assim ela segue, com preguiça de sair da zona de conforto e se transformar. Mas também quem está no poder não tem nenhum interesse que a escola mude e vire um ambiente de formação crítica. Ainda temos uma educação e escolas tecnicistas, idiotizantes, desinteressantes e incapacitantes no sentido  de fazer os meninos acharem que o problema está neles, que eles não conseguem aprender e que são burros, essas coisas que sempre escutamos.

O que eu penso é que algo tem que mudar. Do jeito que está não está satisfatória. Então seria interessante mudar, não? Acredito que a responsabilidade também não pode estar sempre na mão dos professores. Existe algo maior, como eu já disse acima, o sistema, o poder. Não há interesse em mudar nada na escola no que se refere a isso, por parte do MEC por exemplo. O que vemos são um bando de reformas remendando o que já está esfarrapada há muitos anos.

Acredito que é daí que vem a mudança, mas não a partir deles e sim de nós que estamos aqui embaixo, lutando pela educação. Nenhuma luta que gerou mudanças ocorreu de cima para baixo e sim ao contrário. Por que não trazer elementos sociais, coisas que estão acontecendo nas comunidades em que eles estão inseridos para iniciar as aulas? Por que não conversar, saber dos meninos o que eles fazem quando estão fora da escola? Por que não deixar que eles sentem à vontade e conversem troquem questões entre si? Por que não aproveitar a conversa deles para iniciar a aula? Por que ficar somente dentro da sala de aula? Por quê? São tantos porquês. Não tenho resposta para eles todos, mas teremos que caminhar e trabalhar para termos. Por uma escola mais crítica! Por uma educação que faça pensar e realmente seja transformadora!



Rafaela Valverde


segunda-feira, 18 de junho de 2018

Ainda Assim Eu Me Levanto - Maya Angelou


Resultado de imagem para maya angelou

Precisamos conhecer poetas e poetisas negros!!!

Você pode me riscar da História
Com mentiras lançadas ao ar.
Pode me jogar contra o chão de terra,
Mas ainda assim, como a poeira, eu vou me levantar.

Minha presença o incomoda?
Por que meu brilho o intimida?
Porque eu caminho como quem possui
Riquezas dignas do grego Midas.

Como a lua e como o sol no céu,
Com a certeza da onda no mar,
Como a esperança emergindo na desgraça,
Assim eu vou me levantar.

Você não queria me ver quebrada?
Cabeça curvada e olhos para o chão?
Ombros caídos como as lágrimas,
Minh’alma enfraquecida pela solidão?

Meu orgulho o ofende?
Tenho certeza que sim
Porque eu rio como quem possui
Ouros escondidos em mim.

Pode me atirar palavras afiadas,
Dilacerar-me com seu olhar,
Você pode me matar em nome do ódio,
Mas ainda assim, como o ar, eu vou me levantar.

Minha sensualidade incomoda?
Será que você se pergunta
Porquê eu danço como se tivesse
Um diamante onde as coxas se juntam?

Da favela, da humilhação imposta pela cor
Eu me levanto
De um passado enraizado na dor
Eu me levanto
Sou um oceano negro, profundo na fé,
Crescendo e expandindo-se como a maré.

Deixando para trás noites de terror e atrocidade
Eu me levanto
Em direção a um novo dia de intensa claridade
Eu me levanto
Trazendo comigo o dom de meus antepassados,
Eu carrego o sonho e a esperança do homem escravizado.
E assim, eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto.


Original em inglês: Still I Rise
Tradução de Mauro Catopodis



Rafaela Valverde

Responsabilidade afetiva, você tem?

Imagem relacionada

Vou falar um pouco sobre responsabilidade afetiva. Não que eu seja psicóloga nem nada e nem estou aqui para tentar discutir e definir teorias acerca de quaisquer temas que sejam, mas com certeza já fui bastante atingida pela falta de responsabilidade afetiva dos outros, principalmente dos homens. Então, a intenção aqui é falar da minha experiência para tentar conscientizar as pessoas para que tenham responsabilidade e empatia com os sentimentos dos outros.

Bem, primeiro vou começar por um ponto muito importante, talvez o mais importante para algumas pessoas: o amor próprio, a prioridade para si mesmo. Claro que a gente mesmo deve vir em primeiro lugar, ninguém está falando o contrário. E não, não é egoísmo pensar na gente em primeiro lugar. Ao contrário, quando pensamos em nós mesmos e nos amamos fica mais fácil olhar para o outro com amor e empatia. Pois bem, para ter amor próprio e se valorizar não precisa usar outras pessoas a seu bel prazer, nem é preciso envolver alguém até esse alguém se apaixonar para se auto afirmar. Olha só, que incrível, existem outras formas de se auto afirmar: fazer exercício físico, escrever, pintar, produzir alguma coisa, ser inteligente... Há muito o que se fazer no universo para se sentir bem consigo mesmo, não precisa envolver o sentimento de outra pessoa ou outras pessoas, no plural. Porque tem gente que faz disso um hábito e age com irresponsabilidade afetiva diversas vezes na vida.

Vamos lá. É preciso olhar o outro com respeito, amor fraternal, seriedade e empatia - mais uma vez a empatia - ela é essencial! Quando você não está preparado para se envolver em relacionamentos ou ficar, ou seja lá o que for que envolva  outrem - e não venha com uma conversa de que não se sabe, a gente sempre sabe se está preparado ou não (!) então, não se envolva. Então não envolva ninguém em sua teia de insatisfação, dor e incoerência. Tenha um relacionamento com você mesmo ou com Deus. Mas fique só.Vá pensar na vida, ler a bíblia, ir ao cinema ou ao teatro, fazer caminhada, ver o pôr do sol. Talvez não dê para acreditar mas é possível fazer muitas coisas sozinho e ser feliz sozinho também.

Se não se sente preparado não envolva outra pessoa em sua vida, com sua família, com suas questões e vida pessoal. Essa pessoa também tem família, vida pessoal e questões. Ela tem sentimentos e provavelmente vai sofrer quando não mais conseguir satisfazer seus caprichos de pessoa mimada. Se não quer namorar não namore, se não quiser ficar não fique, se somente quiser ficar, sem ter certeza se gosta para ter algo mais sério, deixe claro, bem claro. Fale, grite e não fique inventando palhaçadas de namorico de adolescente. A outra pessoa não é idiota, nem criança. Ela vai entender e se não tiver na mesma vibe, vai sair da sua vida. Apenas tenha sinceridade, maturidade, humildade e amor ao próximo. Se você é uma pessoa boa você vai se preocupar minimamente com o outro e com o que vai causar na vida desse outro. Pense, respire, analise, ore, pergunte a outras pessoas, se questione várias vezes se você realmente gosta dessa pessoa a ponto de se relacionar. Não deixe o outro se relacionando sozinho. É triste, machuca. Se não vai ficar, se não tem intenção de ficar, não prometa nunca ir embora, não prometa vida a dois, casamento, filhos, futuro. Não prometa, idiota. Não prometa!

E além de tudo isso, envolver alguém deliberadamente em sua vidinha medíocre, ainda tem a falta de sinceridade. A coisa não está mais andando, todo mundo está percebendo, mas você não tem a coragem de falar, de abrir o jogo. Fica maltratando, ignorando, fazendo joguinho, se cala, passa mais tempo no celular, não toca, não beija, não deseja e faz de tudo para que a outra pessoa termine. Isso é uma sacanagem. É uma covardia! Você acaba gerando mágoas, raiva e energias ruins para si mesmo e para sua vida.

Ter um pouco de cuidado com o outro não custa nada. É simples. É só ficar quietinho no seu canto. Não baixar Apps de paquera, não pedir para amigos te apresentarem a alguém e não ficar buscando outras pessoas, PESSOAS, sim, olha eles são SERES HUMANOS iguais a você. Não diga que ama, não elogie, não envolva, não mande músicas, não seja romântico, não faça nada que faça o outro se apaixonar por você, se você não tiver realmente afim de viver aquilo. Porque relacionamento é coisa séria e não é fácil. Relacionamento é ajuste, é diálogo constante, é conflito, é conviver com outra pessoa e aceitar seu jeito de ser. Relacionamento é respirar fundo às vezes, e querer matar o outro de vez em quando, é muito difícil e não é para qualquer um, portanto se você realmente não quer se relacionar com AQUELA PESSOA, se acha que talvez vocês não combinem tanto, então não ENVOLVA ESSA PESSOA. Deixe ela em paz no canto dela. Porque qualquer coisa diferente disso é cretinice. Cresça, acorde e tenha responsabilidade afetiva. Nós agradecemos.



Rafaela Valverde

terça-feira, 12 de junho de 2018

Crescente fértil - Carina Castro

Resultado de imagem para carina castro poetisa


enquanto estendo as roupas
no varal
torço
pra que não chova
enquanto eu estiver fora
seria toda uma tarde enxuta
encharcada
tem também aquela goteira
insistente
pra amparar
pode vir de vento
sem aviso
dependendo da força
entra pelas frestas
da janela
inundando dentro
enquanto se acaba
a civilização
lembro que tenho que me virar em comida
pra suprir fomes alheias
confirmo no calendário o dia que o gás acabou/
localizo a lua crescente
– tempo certo –
pra cortar
os cabelos
pra que cresçam
subo a ladeira quase-sem-fôlego
me sinto sedentária
lembro que tenho
um corpo
mas não lembro
quando assentei poeira no chão
finquei raízes
ergui e pari o mundo
[e o que fez de mim a civilização?]
concebia-me sem pecado
e me embalava com muita graça
quando não temia
a época das cheias
que batiam no peito
não dava pé e não sabia nadar
que vinham
lavando e levando tudo
trazendo feras
peixes à beira da loucura
num transbordar infinito
prateando tudo até que tudo apodrecesse
tornando a lama, lume
crescente fértil
leito de nanã
dou de beber a tantas sedes
que a estiagem sempre é certa
corro pra tirar as roupas do varal
mas no fundo quero
que meu corpo encharque



Rafaela Valverde

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Discernimento e livre arbítrio

Resultado de imagem para vontade de deus

As pessoas têm uma ideia errônea, a meu ver, que a gente precisa sair do resto da nossa vida para ser cristão. Olha só, tenho uma novidade, não é necessário se alienar de tudo para servir e amar a Deus. "Fulaninho não é crente, não vou mais falar com ele... " "Sicrano é assim e assado, vou me afastar..." ou então "Não vou mais ver essas séries, filmes e ler esses livros mundanos, só vou ver coisas edificantes..."

Tá. Ok. Então se feche em seu mundinho crente e fique aí sozinho, chato e sem assunto. Vai estar em encontro de família, na faculdade, no trabalho ou sei lá mais onde e não vai saber de nada que se passa no mundo. Nada de cultura jovem, nada de cultura feminina, nada de cultura geral. Nada. Mal sabe falar sobre a bíblia e sobre Jesus, até porque Jesus pregava o amor. Seus seguidores o seguiam porque percebia seu amor. Mas, nem vejo esse tipo de pessoas falando no amor dEle. Como se aproximar de alguém para falar de Jesus se mal sabe falar de Jesus e nada sabe sobre cultura geral?Até porque todo ser humano é dotado de cultura e está inserido na cultura da sua comunidade, então é impossível viver totalmente afastado disso.

Pois bem, eu ainda posso escrever literatura, estudar, ver filmes, ter hobby, lazer e atividades culturais. Tenho livre arbítrio garantido por Deus e eu que aguente as consequências dos meus atos, com Ele. Com Ele. Com mais ninguém. É óbvio que é necessário, é obrigação, respeitar e obedecer a palavra de Deus. Mas não vejo porque viver num "pode-não-pode" exigido por pessoas, seres humanos iguais a mim. Eu, a medida que vou em que vou conhecendo e estudando a palavra de Deus, não apenas lendo e decorando versículos, eu mesma vou percebendo o que me apetece ou não. O que devo fazer ou não. Não preciso que ninguém fique me falando. Na verdade, nem eu nem ninguém. Tenho discernimento suficiente, sou uma pessoa adulta e já saí do pior.

A falta de um relacionamento com Deus  e muitas vezes a preguiça de estudar, de meditar, de ver o contexto do texto bíblico, implica na falta de conhecimento dEle e de Sua palavra. Nós temos capacidade  de escolha. Capacidade essa dada por Deus. Portanto, precisamos saber escolher, porque o tempo de Deus é diferente do nosso e uma hora vai ser preciso usar nossa capacidade para escolhermos sozinhos.

É preciso pedir orientação a Deus. Se Ele não responde no nosso tempo, é porque ele vai responder no tempo dEle ou então está esperando que nós usemos nossa inteligência, discernimento, livre arbítrio e conhecimento da palavra - minimamente. Uma hora, em determinado momento da vida será necessário agir e nesse agir aos poucos ir pedindo o direcionamento de Deus. "Senhor, é isso aqui mesmo? Se não for não deixe chegar ao fim..." Enfim, tem muitas formas de fazer isso.

Às vezes a gente fica com preguiça ou então com medo de fazer a escolha errada e acaba esperando muito por uma resposta divina só para se eximir de culpa ou responsabilidade. Queremos imediatismo e ao mesmo tempo queremos que Deus nos diga tudo, nos mostre um sinal ou nos confirme algo através de alguém, porém em muitos casos a resposta já está em nossa cara, na bíblia. Das duas, uma: ou  não lemos ou não estamos sabendo interpretar o que estamos lendo. De um mês pra cá pude perceber que a bíblia não é um livro tão difícil assim de se entender como eu achava antes. Então, força, vocês também conseguirão entender. Beijos de luz!



Rafaela Valverde

domingo, 6 de maio de 2018

Reconstrução!



Atenção: esse texto possui altas doses de metáfora!




Resultado de imagem para catando cacos


O quadro torto na parede. O espelho quebrado por ela ao jogar algum objeto estava por um tris e logo cairia. O quarto fora de si. O que não estava quebrado eram coisas de maior valor, claro, por que ela também não era idiota. O caos tomara conta do cômodo. Já se acostumara com ele, porém. Se era acometida pelo caos, alguma coisa tinha que ser também. E dessa vez fora o quarto. Deitara há horas de bruços, sem dormir profundo. Pesadelos a invadiam. Lágrimas caíram copiosamente e já secaram. Na verdade, nem sabia mais o porquê daquela dor. Se não lembrava é porque não era importante. Abriu os olhos e viu a parede branca com a luz do sol refletida. O travesseiro molhado. A cama exalando sofrimento. Um barulho muito alto. O susto a fez sentar na cama. O espelho caíra e se espatifara. A queda do espelho serviu para fazê-la levantar da sua própria queda. Como pôde ser tão estúpida e perder tempo com coisas tão pequenas? Como assim? Chorou? Horas perdidas deitada, chorando. Coisas quebradas. Pessoas que foram embora simplesmente por não aguentarem. Mas, hoje ela percebeu que fora tudo em vão. Perdera tempo, pessoas e momentos por causa de coisas desnecessárias e birrinhas infantis. Agora, sentara-se abraçando os joelhos, ainda na cama. Olhava ao redor analisando os resultados do acesso de raiva da noite anterior. Por que não quebrou a TV e o notebook também, sua imbecil? Assim, você teria um baita prejuízo e não esqueceria dessa atitude tola por um bom tempo. Revirou os olhos porque o pior é que agora teria que limpar toda a bagunça e sujeira. Esticou um pouco o corpo e olhou para o chão. Havia roupas, restos de comida, quadros espatifados, porta-retratos tortos e fotos rasgadas... E é claro os cacos do espelho que estavam espalhados por todo o piso branco. Depois de alguns minutos e depois de pensar e repensar em suas atitudes nos últimos meses e de tudo o que estava atraindo para si mesma, decidiu levantar. Devagar. Como tudo o que faria a partir dali. Com calma e leveza. Pegou alguns jornais e papéis velhos e enrolou um a um os cacos de vidro. Queria limpar e consertar tudo o mais rápido possível, mas se demorasse um pouco também não teria problema. O pior já passara. Agora, era reconstrução. Agora, era retirar cacos, coisas velhas e o que não servisse mais. Junto com os sentimentos ruins como ira, mágoa, ódio, tristeza e depressão. A vontade de morrer estava indo embora junto com a moldura do espelho. Os pequenos pedaços geométricos de vidro mostravam traços diferentes do seu rosto inchado pelo choro. As últimas lágrimas desse tipo de sentimento e birra, prometeu a si mesma. Enrolando aquele lixo em jornais e colocando-os em sacos sentia que aquela vida estava saindo da sua vida. Sim, aqui vale mesmo a redundância poética deste meu relato. Ela queria expurgar tudo que a fizera chegar naquele momento de sua existência. Agora, era tudo novo. Literalmente. Pôs o lixo para fora, tirou o espelho da sala e o pendurou no lugar do anterior. Não era totalmente novo mas sua vida seria. Não queria mais ficar juntando destroços, por isso fixou o espelho na parede com fita adesiva. Olhou seu reflexo novamente e suspirou. Sabia que não haveria mais estilhaços. O pranto cessara. A dor também. A vontade de brigar com o mundo e de se irar estava em sacos de lixo lá fora. Tenha um bom dia, falou em voz alta.



Rafaela Valverde

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Finais de semana

Resultado de imagem para saudades

Quando chegam os finais de semana
Eu choro de tristeza e de saudade
Peço a Deus que me ajude
Uma dor emana
Quero de novo essa felicidade
De te ter aqui amiúde
Eu te amo e não me calo
Sinto saudade todos os dias
Mas nesses dois dias, cheiro de amor exalo
Todo mundo já sabe das minhas lágrimas tardias



Rafaela Valverde

segunda-feira, 19 de março de 2018

De costas

Imagem relacionada

O clima começou a esquentar ainda no restaurante. Passava o pé pela perna dele, por debaixo da calça. Estava vestida com o vestido novo preto decotado com uma fenda atrás que deixava minhas costas à mostra. O sapato era vermelho e de salto alto, coisa que eu não costumava usar, mas deixava minhas pernas mais torneadas. Ele adorava quando me vestia assim e fazia isso de propósito. Desde que saímos de casa me lançava olhares gulosos. Passei meu pé em suas pernas até onde a calça permitia e depois, por cima da calça mesmo, acariciei com vigor seu membro que já havia se manifestado diante do meu habilidoso pé.

Já estávamos acostumados a fazer isso em qualquer lugar. Esta noite é a comemoração de mais um ano juntos e é especial, claro. Não nos constrangíamos mais. Aliás, ele não se constrangia mais, pois eu nunca me constrangi. Continuávamos jantando normalmente, aparentando normalidade para o resto das pessoas. Mas a chama começara ali e só iria terminar... bem, nem sei se terminou. Afinal de contas meu tesão por esse homem parece que não acaba nunca.

Terminamos o jantar calmamente e mal nos aguentamos dentro do carro do Uber. Ele enfiava a mão discretamente, se é que isso é possível, por baixo do meu vestido e eu já estava muito molhada, querendo ele. Entramos em casa nos atracando. Entrando de costas pelo hall de entrada enquanto o beijava, retirei os sapatos. Isso me deixava mais baixa. Em todos os sentidos... Continuei andando de costas, enquanto ele me guiava ainda me beijando com tesão, até chegarmos ao aparador. Ali, como num passe de mágica, ele me virou de costas para ele e passou a língua pela fenda do meu vestido.

Nossa, como eu adoro isso. Dei uns gritinhos de prazer e me arrepiei com o toque da sua língua em um dos pontos mais erógenos do meu corpo. Ainda de vestido, senti sua mão dentro da minha calcinha e depois entrar delicadamente em mim. Ele pressionava meus quadris nos dele e eu senti seu pau que já estava deliciosamente pronto. Aquela brincadeira com a língua pelas minhas costas continuava em ritmos diferentes enquanto ele me masturbava. Eu já gritava e sentia o gozo escorrer um pouco em seus dedos.

Implorei para que me penetrasse, porém ele parecia não me ouvir. Queria me torturar. Não falava nada, apenas sorria ás vezes. Um risinho descarado que me deixava maluca. Ao invés de fazer o que eu pedia ele preferiu tirar meu vestido por cima da cabeça e com desespero segurou e sugou delicadamente meu seio esquerdo. Passou a língua várias vezes pelo mamilo e deu mordidinhas no bico. Fez o mesmo no outro e eu já estava gozando loucamente. Ele tratava meus seios como ninguém. Não sei porque alguns homens simplesmente esquecem os seios. Eles são essenciais no prazer feminino... Devaneava enquanto gritava seu nome e pedia para que ele me chamasse de gostosa. Mulheres são auditivas, é o que dizem. Ora, todo mundo deve ser auditivo nessas horas!

Ele se ajoelhou, baixou minha calcinha até os joelhos e com a a saia do meu vestido em sua cabeça fazia movimentos de vai e vem só para sugar meu gozo. Nossa, o que esse homem faz é um espetáculo! Tirou meu vestido me apoiando de costas no aparador novamente e me penetrou com intensidade. Eu já não aguentava mais essa tortura e gozei mais uma vez, gritando. Minha voz ecoava pela casa. Ouvi ele gemer alto também. Terminamos e ficamos por alguns minutos ali, eu apoiada no móvel e ele apoiado em mim. Alguns vasos e porta retratos haviam se espatifado no chão. Mas, quem liga?




Rafaela Valverde

domingo, 18 de março de 2018

EPITÁFIO PARA O SÉCULO XX – AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA

 Olha que poema atual. Escrito em 1997 podia ter sido escrito agora em 2018. Afonso sempre escreveu poemas com temáticas sociais, especialmente durante o período da ditadura. Gostei muito desse quando li.


Resultado de imagem para affonso romano de sant'anna poemas
Afonso Romano de Sant'anna

1.
Aqui jaz um século
onde houve duas ou três guerras
mundiais e milhares
de outras pequenas
e igualmente bestiais.

2.
Aqui jaz um século
onde se acreditou
que estar à esquerda
ou à direita
eram questões centrais.

3.
Aqui jaz um século
que quase se esvaiu
na nuvem atômica.
Salvaram-no o acaso
e os pacifistas
com sua homeopática
atitude
-nux vômica.




Rafaela Valverde

domingo, 4 de março de 2018

Intensa - Jarid Arraes

Resultado de imagem para Jarid Arraes

não te quero como cerveja
social
entre conversinhas
com uma casualidade
e uma leveza
características

te quero como vodka
pura
e quente
de efeito forte
e de repente
te quero em muitas doses
e uma ressaca
que seja,
por favor,
recorrente.



Rafaela Valverde

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Minha borboleta

Resultado de imagem para paixão

A gente corre, corre e corre atrás da borboleta, mas ela foge da gente. Um belo dia quando a gente para de procurar e se distrai, é aí que a borboleta posa em nosso ombro. Ouvi essa história há um tempinho e me encantei logo de cara. Já gostava de borboletas, mas foi aí que decidi que gostaria mais. Essa pequena história quer dizer que durante muito tempo a gente fica procurando algo que às vezes nem sabe o que é e quando a gente para de procurar ou até mesmo perde as esperanças essa coisa acontece. Sem mais nem menos. Eu, por exemplo, estava aqui de boa, na minha, sem nem pensar em nada disso, sem nem pensar em me apaixonar de novo, mas em alguns momentos é a vida quem manda na gente, sei lá. Parece que há sempre alguma coisa predestinada, apesar de eu acreditar muito mais no livre arbítrio, em livres escolhas. Mas, querendo ou não, em determinado momento alguma coisa acontece sem que você queira ou sequer se dê conta. Pois bem, eu me apaixonei. Perdidamente. Loucamente. Rapidamente. Tantos advérbios para explicar e caracterizar o que não tem explicação e nem caracterização específica. Paixão é a coisa mais maluca que alguém pode sentir.  É ao mesmo tempo doença e cura, ao mesmo tempo que dá tensão de saudade, nos deixa com sorrisos idiotas o dia todo. Paixão é um sentimento pouco inocente, pouco isento. Arrasa tudo que vê pela frente. Consome fornalhas e mais fornalhas, esquenta... Pode virar amor. E esse sim é o mais sublime encanto sentido por seres humanos. A minha borboleta chegou no momento que eu imaginava que não mais seria capaz de despertar interesse em borboleta nenhuma. Posou no meu ombros descaradamente e eu não podia deixar que ela se fosse. Tentando buscá-la, caçá-la foi que me meti em uma enrascada disfarçada de namoro no passado. Hoje, eu sei que as coisas não serão mais assim. Eu não sinto apenas. Eu tenho certeza. Eu quero ficar nessa relação, eu quero tentar. Não são expectativas, são certezas. Expectativas são coisas que já descalcei há muito tempo. Não tinha expectativas nenhuma quando encontrei essa nova paixão lá no décimo dia do último mês de 2017. Sim, como eu disse foi tudo muito rápido. Porque era pra ser. Porque estávamos sendo preparados um para o outro. Porque estou lembrando muito bem que Deus me disse para esperar, para ficar calma e não procurar. Que essa hora chegaria. Que essa pessoa chegaria. Daí eu fiquei tranquila, parada e não procurei. Eis que chegou minha borboleta, minha rechonchuda e brilhante borboleta. Suas cores me enchem de alegria, sua calmaria me enche de paz. Suas graças me enchem de gargalhadas. Meu peito está cheio de um sentimento lindo e avassalador que me pegou depois de muitos anos. Há muito tempo não sabia o que era ficar sorrindo pelos cantos, ao invés de chorando e me lamentando. A minha borboleta me alcançou, me escolheu e é perto dela que vou ficar. Não vou deixar escapar. Não dessa vez. Me faz bem. Quero ela perto de mim, como já disse não vou deixar que ela escape, mas não vou prendê-la. Comigo não existe isso. Aqui a gaiola são meus braços e pernas enroscados quando estamos nus na cama de madrugada. Aqui, ao meu lado, fica quem quer. E ele quer. Minha borboleta, o dono da minha paixão. Quer. Ele-me-quer. E olha que nem imaginava que ainda tinha pólen para atrair uma borboleta tão incrível. Mas não é que eu tenho? Sou muito privilegiada!




Rafaela Valverde

domingo, 31 de dezembro de 2017

Adeus 2017!



Não posso dizer que 2017 foi um bom ano.  Terminei um namoro ruim e o que seguiu a partir daí foi bem escroto, mas já passei uma borracha nessa história que nem devia ter acontecido. Enfim, passando dessa parte que foi bem no inicio do ano, pulo para o carnaval que também foi bem no início e é um tema bem melhor. Fui depois de dois anos ao carnaval e pela primeira vez à noite, no circuito da Ondina. Fui atrás da pipoca de Armandinho e foi maravilhoso. Apesar de ter ido na última noite. Foi o melhor carnaval da minha vida.

Em abril fui para Recife e foram dias maravilhosos que passei lá. Viajar é uma das experiências mais gratificantes da vida. Mas esse ano tive poucos momentos realmente bons. Não posso mentir. Minha bolsa de iniciação científica acabou, tentei três estágios diferentes para atar em sala de aula e nenhum dos três deu certo. Isso foi muito frustrante por mim, sobretudo por eu não poder fazer nada. Me senti muito impotente. Com isso fiquei sem renda, o que me impediu de continuar saindo e fazendo minhas coisas. Deixei de ir à baladas, cinema ou qualquer outra coisa. E olhe que comecei o ano indo quase que toda semana ao cinema, o que eu amo. Enfim, tive momentos ruins financeiramente e na vida como um todo, pra falar a verdade.

Quantos dias e noites pensei em me matar. Coisa oriunda de uma grande depressão que fez ter uma recaída. Em muitos momentos acordava com vontade de morrer. A cada não que tomava em entrevistas de empregos e / ou estágios eu me sentia muito frustrada. Foi bem complicado. Tive vários momentos em que me senti inútil, com baixa auto estima e me achando a pior pessoa do mundo. Não curti São João. Não fiz quase nada que eu queria, mas consegui vencer tudo isso e estou aqui viva e bem.

Foi um ano bastante produtivo no que se refere a estudos e escrita. Comecei a escrever um livro de contos, que não sei quando vou terminar, escrevi o relatório final de pesquisa e fui destaque da Iniciação Científica do ano. Essa parte esteve tudo muito bem obrigado.  Tomei várias lições da vida. Lições de fé, de otimismo, de amor próprio, de amizade. Vi quem é realmente meu amigo e esteve sempre ao meu lado, disposto a me ajudar. Obrigada amigos. Um ano que conheci muita coisa nova na música e na literatura. Grandes descobertas e aprendizados. Agora, já no último mês, depois de tantos nãos chegou minha melhor notícia, meu emprego apareceu e é assim que vou começar o ano. Empregada. 

E ainda teve as questões políticas, sociais, os feminícidios e todas as atrocidades que aconteceram no Brasil e no mundo e que não deixam de nos marcar profundamente. É isso. Esse é, resumidamente, meu 2017. Que venha 2018. Muito melhor, fluindo, ano par... Coisa boa! Feliz ano novo para todos.




Rafaela Valverde

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Eu, cuidadora

Resultado de imagem para cuidar

Sempre fui a pessoa que cuidava dos outros, cuidei de minha irmã, cuidei de uma prima, achava que cuidava de minha mãe quando ela ficava doente, cuido de minha vó quando posso, cuidei de meu ex marido durante o tempo em que estivemos juntos; cuido de minhas gatas. Mesmo com esse meu jeitão doido e desbocado de ser eu consigo ser  suficientemente amorosa para cuidar de quem eu me importo.

Não vou dizer a idiotice que nasci com o dom de cuidar. Não sei se alguém realmente nasce com algum dom. Principalmente esse. O que se chama de dons são coisas que a gente precisa desenvolver por alguma necessidade ou por que gosta ou quer. Precisei desde cedo cuidar das pessoas, precisei ser responsável por minha irmã, casei cedo e precisei cuidar do marido. Simplesmente precisei e desenvolvi isso muito bem.

Me preocupo, cuido, insisto que a pessoa procure um médico, se tiver abertura vou, cozinho, cuido. Faço o que é preciso para o bem estar de quem eu gosto. Faço o que é necessário. Faço o que não é mais que minha obrigação. E nem gosto de ficar falando sobre isso. Eu apenas sou isso. Prefiro mostrar ao invés de ficar falando. Quem fala muito não é de muita coisa não...

Só queria utilizar esse singelo espaço para falar um pouco sobre isso. Estava conversando ontem com uma pessoa e usei essa palavra: cuidadora. É uma das coisas que me identifica. E quem me conhece sabe que mesmo eu sendo largadona, ter essa cara de bunda às vezes e parecer que não me importo. Eu me importo sim. E cuido. Eu adoro cuidar. Eu gosto de ver as pessoas bem. Eu sou isso, mesmo que em muitos casos não haja recíproca.



Rafaela Valverde

domingo, 17 de dezembro de 2017

Cansada e com medo

Resultado de imagem para cansada e com medo



Cansada e com medo
Guardo um segredo
Corpo fechado
Nó atado
Mente também
Pra os que não são do bem
Me fizeram sucumbir
Meu "não-amor-próprio" quase me fez desistir

Cansada e com medo
Corpo fechado
Ferido com um machado
Não o de Assis
Deixou cicatriz
Gosto azedo
De amarga rejeição
Que decepção!

Cansada e com medo
Mente também
Mente como todos eles
Aprendeu a ser reles
Mas com um porém
Quem aprende não tem males
Como quem nasceu assim
É apenas um arremedo

Cansada e com medo
Me fizeram sucumbir
Pensei em partir
Cortar os pulsos, nem sei...
Na hora paralisei
Mas, peraê!
Não vou me desesperar por isso
Não vou dar gosto a quem foi omisso

Cansada e com medo
Guardo um segredo
Fui tratada como brinquedo
Daqueles que a criança enjoa
E larga à toa
Mas sou boa
Não mereço, sei lá?
A pergunta que não vai calar!

Cansada e com medo
Nó atado
Por que será que a gente sempre acha que merece?
E se tivesse se matado?
A dor transparece
Mas ainda tem força
Desamarra logo!
E sai cedo

Cansada e com medo
Pra os que não são do bem
Saibam que vocês estão aquém
Saiu sem demora daquele atoledo
Vocês são uma corja
Que amor finge e forja
Para enganar
Quem tem pouco amor por si

Cansada e com medo
Meu "não-amor-próprio" quase me fez desistir
Mas consegui a poeira sacudir
Espanei vocês para fora da minha vida
Esse foi o ponto de partida
Me apaixonei por mim mesma
Por vocês só sinto indiferença, nem me apiedo
Afinal, não olho para pantesmas!




Rafaela Valverde

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Acostada

Resultado de imagem para mulher andando  na estrada


Meio do dia
Sol a pino
Agonia
Desatino

Ando pelo acostamento
Carcaças de animais mortos
Exigem meu afastamento
Me transporto

Penso que não vou aguentar
Carros por todo lado
Veículos de transitar
Horizonte opaco

A estrada é longa
Trata-se de alguma bê-erre
Ainda mais para mim, songamonga
Por mais que a vida me aferre

Quero mais é voar
Comemorar uma tal liberdade
Que temia encontrar
Na tal raridade

Do luar!

Mas, o que penso enquanto esse acostamento me persegue?
Será que vou chegar?




Rafaela Valverde

sábado, 9 de dezembro de 2017

Livros Outros Jeitos de Usar a Boca de Rupi Kaur e Um Útero é do Tamanho de um Punho de Angélica Freitas

Queria bater vinte livros lidos no ano e consegui. Quero falar aqui sobre quatro deles, que li recentemente e que foram livros bastante comentados e lidos ao longo de 2017. São ele: Outros Jeitos de Usar a Boca Rupi Kaur; Um Útero é do Tamanho de um Punho de Angélica Freitas; Para Educar Crianças Feministas e Sejamos Todos Feministas de Chimamanda Ngozi Adichie.

Resultado de imagem para outros jeitos de usar a boca resenhaDevo dizer que são bons livros, pequenos livros, livros para serem lidos rapidamente. Mas não significa que esses livros não tenham o que dizer. Eles têm e muito. O primeiro é de uma autora indiana, hoje residente no Canadá. O livro desde o início me chamou atenção pelo nome e por uma indicação feita em um quadro de livros na Rádio Metrópole. Daí a curiosidade foi aumentando cada vez mais e um belo dia consegui ler. Os textos foram escritos em formato de poema e são maravilhosos. Chorei um pouco lendo alguns, pois falavam de mim mesma. O sofrimento por amor, pela perda, a dor pelo outro que  foi embora... A cura (que inclusive é um dos capítulos do livro...)Ainda traz questões sobre violência contra mulher, questões de aceitação e amor pórprio. É um livro muito tocante.

quando você estiver machucada
e ele estiver bem longe
não se pergunte
se você foi o bastante
o problema é que
você foi mais que o bastante
e ele não conseguiu carregar 


Esse é um dos poemas ou trechos que mais me marcou, por razões muito óbvias, é só ler o poema e saber que tive uma ou talvez duas estórias assim.  Quem é que não teve? Pois bem, como eu já disse o livro aborda temas muito sérios. Assim, trago mais um trechinho:

sexo exige o consentimento dos dois
se uma pessoa está ali deitada sem fazer nada
porque não está pronta
ou não está no clima
ou simplesmente não quer
e mesmo assim a outra está fazendo sexo
com o seu corpo isso não é amor
isso é estupro 

Nem preciso dizer que amei esse livro não é? O próximo da minha listinha é o ó útero é do Tamanho de Um Punho de Angélica Freitas que tem o mesmo sobrenome que eu e de quem eu nunca tinha ouvido falar. É um livro que aborda questões feministas também e eu nem preciso dizer mais nada, não é mesmo? Sobretudo pelo nome do livro já é possível compreender do que se trata. É uma boa seleção de textos, eu também gostei, apesar de ter me tocado e me identificado menos que o anterior. Esse é o meu trecho selecionado do livro:

a mulher é uma construção
deve ser
a mulher basicamente é pra ser
um conjunto habitacional
tudo igual
tudo rebocado
só muda a cor
particularmente sou uma mulher
de tijolos à vista
nas reuniões sociais tendo a ser
a mais mal vestida
digo que sou jornalista

A postagem ficou muito grande, portanto vou falar um pouco dos livros de Chimananda em uma próxima postagem. Não tenho intenção que isto seja uma resenha, apenas quero registrar e compartilhar com vocês as minhas leituras. São livros tão subjetivos, leiam por vocês mesmos e criem suas próprias opiniões.




Rafaela Valverde




terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Eu tenho uma pessoa e sou eu!

Resultado de imagem para eu mesma

Eu já sofri muito. Já sofri muito nessa vida. E já tinha sofrido muito desde que você me deixou. Passeis uns seis meses sem saber de mim. Fora de mim pra falar a verdade. Eu estava com você, em você. Só tinha um pensamento: queria você de volta. Mas hoje isso é tão ridículo. E em tempos de empoderamento feminino, elevação de auto estimas, essas coisas, não cabe bem eu preferir você em detrimento de mim mesma. Sabe dizem que isso não é amor. Eu acho que é amor sim. Porém é mais amor pelo outro, nesse caso por você, do que por mim mesma.  A questão toda, é que graças a Deus isso mudou. Eu amo mais a mim hoje do que a você. Eu encontrei uma pessoa e ela sou eu mesma. Hoje só sofro por mim mesma. Hoje não admito ser maltratada por ninguém. Hoje só consigo ser capaz de ficar fora de mim por mim mesma.

Não sei dizer exatamente por quanto tempo fiquei no limbo. Às vezes o limbo ainda vem. É escuro, vazio e pegajoso. Mas não é por você, nem por ninguém. É simplesmente pelo fato de minha vida ser uma bosta mesmo. Em alguns momentos, ou quase todos os momentos em que estive com você foi menos bosta do que é agora. Confesso que fui feliz ao seu lado. Isso eu nunca escondi de ninguém, nem de você. Confesso que ainda existe algum resquício desse amor aqui por dentro de mim. Ele nunca vai morrer. Amor não morre, eu sei. O que apaga é o fogo da paixão, mas o incêndio do amor, só pode ser escondido e não finalizado. Jamais.

Ainda assim meu amor por mim mesma, graças a Deus, hoje, se sobrepõe ao amor que sinto por qualquer outro ser na terra.  Eu escolho a mim e sempre escolherei. Não creio que você volte a me fazer mal de novo algum dia, até porque eu não deixarei que isso aconteça. Até porque não sofro mais como antes e até porque não existe tanta proximidade assim entre nós, como eu penso. Estamos acabados, não existimos mais como casal e nosso Facebook não nos deixa mentir com as palavras "solteiro" e "solteira." Queria te tratar com um pouco mais de frieza do que o necessário. Queria tratá-lo com mais frieza do que trato usualmente. Queria, mas não trato, não consigo e não vou conseguir nunca. Quando penso ou falo com você sempre sinto afeto e vontade de fazer cafuné em você e tocar sua pele macia. 

Mas, não confunda as coisas, eu demorei, mas, hoje não me confundo mais! Isso não significa que eu pense em você como meu de novo, que eu tenha sonhos de Cinderela donzela e apaixonada de novo. Não significa que eu sonhe com você me dizendo que me ama e me pedindo para voltar. Você já fez isso uma vez e nem sei se era verdade.  Já consegui te conquistar uma vez e tenho plena consciência que não o farei de novo. Não possuo tanta capacidade apaixonativa assim, mas, o que eu sei é que sou maravilhosa. E que cada dia seu distante de mim é um desperdício e uma privação dessa mulher incrível e maravilhosa que eu me tornei e você nem conhece.



Rafaela Valverde

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Livro Uma Vida Inventada - Maitê Proença


Resultado de imagem para livro vidas inventadas maitê proença


Terminei  de ler essa semana o livro da atriz Maitê Proença, de quem eu gostava desde a infância, acompanhando pelas novelas da globo. Troquei o livro em um projeto de troca de livros e não sabia muito bem o que esperar dele. Confesso que o que me chamou atenção foi o nome da autora. Provavelmente se não fosse Maitê Proença eu nunca pegaria o livro.

Gostei bastante do livro que intercala memórias com estória. Uma está dentro da outra, não se separam e é justamente esse um dos diferenciais do livro que traz de maneira suave suas impressões sobre a vida, sobre as pessoas e narra de forma suave todas as tragédias que fazem parte da sua vida. Sim, para quem não sabe a atriz passou por grandes tragédias em sua vida. Quando ela tinha doze anos o pai matou a mãe e se matou anos depois, quando ela já trabalhava na Globo. Mas, a forma com que ela narra é muito bem feita. Pelo menos eu gostei bastante. Me fez refletir em alguns fatos da minha vida, especialmente a mágoa e a liberdade.

A atriz contou em uma entrevista que eu pude ler, que sentiu vontade de escrever sobre suas tragédias, depois que elas foram expostas em rede nacional no ano de 2005 no programa de Faustão. Então não tinha mais como não contar.

Ela vai trazendo memórias, relatos de viagens e conta casos divertidos sobre a vida; além da relação com a filha Maria, sua relação com a família e com as religiões. Além do começo difícil da carreira. No primeiro trabalho na TV, antes de começar, Maitê sofreu um acidente que a deixou de moletas por cerca de um ano. Além disso teve o aborto que ela fez aos dezesseis anos. Ela conta tudo de maneira muito leve e eu não consegui desgrudar do livro. É isso.


Autor: Maitê Proença
Ano: 2008
Páginas: 224
Editora: Agir





Rafaela Valverde

domingo, 26 de novembro de 2017

Motivo - Cecília Meireles


Resultado de imagem para cecília meireles

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...