Mostrando postagens com marcador Escrita. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escrita. Mostrar todas as postagens

sábado, 14 de julho de 2018

Marcas

Resultado de imagem para marcas da vida

Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Assim como a cada ano que vem e vai a gente fica diferente
Porradas da vida vão moldando a gente assim como a depender da caneta,
a letra pode ser bonita ou feia, com tinta forte ou fraca.
No entanto, mesmo de formas diferentes é a gente quem escreve
Assim são as porradas e as mudanças
Muitas vezes somos responsáveis por elas
Porque escolhemos de mais
Ou de menos
Somos teimosos, birrentos, chatos, implicantes...
Então acabamos sendo marcados
Assim como a escrita com força marca o papel
Não tem como voltar atrás
A mão dói
Daí a gente escreve com menos força
Como dói, a gente para de querer o que hipoteticamente nos causará dor
Mas o que é mesmo que dói?
Dá para evitar?
Ou a gente só se ilude?
Dá para desescrever?
Dá para desmarcar o papel?
E a vida?
Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Cada vez que a vida nos marca é diferente
Só resta aceitar.






Rafaela Valverde

domingo, 8 de julho de 2018

Te tendo

Resultado de imagem para orando

Sua santidade é tão infinita
E eu sei que não consigo imitar
Nunca serei igual a ti
A tua face é bonita
Não paro de te amar
Jamais me deixa cair
Quero te ver
Porque sentir já sinto
Contigo pra sempre quero viver
Tão forte sua presença
Não posso deixar de crer
De ti estou faminta
Mais e mais vou te conhecer
Chegou e ainda pediu licença
Educado, grandioso
Me dá o maior amor que já tive
Tu és glorioso!
Sereno e cheio de vida
Você vive!
Não importa que duvidem
Eu sei que aí estás
À destra do pai
Um dia voltarás
Antes estava estava no time dos que não criam
Mas da escravidão me apartais
E hoje livre estou
Me juntava aos que não te viam
Mas me dei conta que sempre me amou
E naquele dia
Me encheu de plenitude
E amor
E aí mudei minha atitude
E quis te ter
E assim sigo eu: te tendo!




Rafaela Valverde

terça-feira, 3 de julho de 2018

A chuva e a troça

Resultado de imagem para poça de chuva


Um pingo de chuva bate com força na poça do asfalto
Parece minha insistência em tentar coisas para as quais não tenho tato
Tipo isso de me apaixonar
Já vi que não dá
A chuva diminuiu
Mas não o impacto sobre a poça
A água flui
E a vida me troça
Em algum momento vai parar
A chuva ou a enganação?
A chuva!
A enganação não acaba, não
A chuva vai, e vem o sol...
Mas a poça fica lá
E vira buraco quando seca
Atrapalhando o trânsito
Igualzinho o que fica depois que a paixão passa
Um atrapalho mudo do trânsito da minha tranquilidade
Sento e aguardo: a chuva vai voltar!
A enganação também
O buraco vai aumentar
Junto com minha falta de tato
Para gotas grossas que vão bater forte aqui dentro.



Rafaela Valverde

O estar só

Resultado de imagem para estar só

Quantas vezes será que vou precisar repetir que me sinto sozinha?
E de que vai adiantar?
Quem é que vai me ouvir além Daquele que mora lá em cima?
Não há nada que remedie esse estar só
Solitude, afinal, só é bom quando se escolhe
Quando compulsoriamente vive-se
Sente-se a revolta e angústia
Dos dias que poderiam ser mais divertidos
Sobram apenas TV, cobertor, brigadeiro e pipoca
Sozinhos!
É bom que posso aproveitar minha gula sem atrapalhações
Mas tem horas que até eu preciso de companhia para comer
Pergunto-me o porquê
Tento entender
Em oração questiono
Porque afasto todo mundo
Esse pequeno escrito é mais um pequeno e inútil manifesto contra a poeira que o estar só levanta
Contra quem hei de me levantar/;
Quem preciso culpar?
A mim mesma, será?
O fato é que já não aprendi a viver sozinha
Estou sozinha quase o tempo todo há quatro anos
E quando todos se vão no fim de semana
Tranco - me aqui nessa caixa escura
Sem ver caras muito menos corações
Já sei como viver sozinha
E gosto até
Mas há de haver um limite
Ou não há?
Só!
Estar só não é bom nem para quem quer
Quem não quer vive a penar
Sinceramente, não quero mais estar só
Nem oito, nem oitenta
Não quero companhia o tempo todo
Nem tampouco um estar só tão constante quanto o tempo
Entendeu, vida?
Céu?
Deus?
Entenderam?
Estar só tem limite
Quantas vezes será que vou precisar repetir?
E de que vai adiantar?




Rafaela Valverde

sábado, 30 de junho de 2018

Manifesto de abertura: Literatura Marginal/ Terrorismo Literário (escrito por Ferréz)

Resultado de imagem para ferréz
  
Fica aí a mensagem. Entendedores entenderão!


A capoeira não vem mais, agora reagimos com a palavra, porque pouca coisa mudou, principalmente para nós.
Não somos movimento, não somos os novos, não somos nada, nem pobres, porque pobre segundo os poetas da rua, é quem não tem as coisas.
Cala a boca, negro e pobre aqui não tem vez! Cala a boca!
Cala a boca uma porra, agora agente fala, agora agente canta, e na moral agora agente escreve.
Quem inventou o barato não separou entre literatura boa/feita com caneta de ouro e literatura ruim/escrita com carvão, a regra é só uma, mostrar as caras. Não somos o retrato, pelo contrário, mudamos o foco e tiramos nós mesmos a nossa foto.
A própria linguagem margeando e não os da margem, marginalizando e não us marginalizados, rocha na areia do capitalismo.
O sonho não é seguir o padrão, Não é ser o empregado que virou o patrão, não isso não, aqui ninguém quer humilhar, pagar migalhas nem pensar, nós sabemos a dor por recebe-las.
Somos o contra sua opinião, não viveremos ou morreremos se não tivermos o selo da aceitação, na verdade tudo vai continuar, muitos querendo ou não.
Um dia a chama capitalista fez mal a nossos avós, agora faz mal a nossos pais e no futuro vai fazer a nossos filhos, o ideal é mudar a fita, quebrar o ciclo da mentira dos “direitos iguais”, da farsa dos “todos são livres” agente sabe que não é assim, vivemos isso nas ruas, sob os olhares dos novos capitães do mato, policiais que são pagos para nos lembrar que somos classificados por três letras classes: C,D,E.
Literatura de rua com sentido sim, com um principio sim, e com um ideal sim, trazer melhoras para o povo que constrói esse pais mas não recebe sua parte.
O jogo é objetivo, compre, ostente, e tenha minutos de felicidade, seja igual ao melhor, use o que ele usa.
Mas nós não precisamos disso, isso traz morte, dor, cadeia, mães sem filhos, lágrimas demais no rio de sangue da periferia.
Somos mais, somos aquele que faz a cultura, falem que não somos marginais, nos tirem o pouco que sobrou, até o nome, já não escolhemos o sobrenome, deixamos para os donos da casa grande escolher por nós, deixamos eles marcarem nossas peles, porque teríamos espaço para um movimento literário? Sabe duma coisa, o mais louco é que não precisamos de sua legitimação, porque não batemos na porta para alguém abrir, nós arrombamos a porta e entramos.
Sua negação não é novidade, você não entendeu? Não é o quanto vendemos, é o que falamos, não é por onde nem como publicamos, é que sobrevivemos.
Estamos na rua loco, estamos na favela, no campo, no bar, nos viadutos, e somos marginais mas antes somos literatura, e isso vocês podem negar, podem fechar os olhos, virarem as costas, mas como já disse, continuaremos aqui, assim como o muro social invisível que divide esse pais.
O significado do que colocamos em suas mãos hoje, é nada mais do que a realização de um sonho que infelizmente não foi visto por centenas de escritores marginalizados desse país.
Ao contrário do bandeirante que avançou com as mãos sujas de sangue nosso território, e arrancou a fé verdadeira, doutrinando nossos antepassados índios, ao contrário dos senhores das casas grandes que escravizaram nossos irmãos africanos e tentaram dominar e apagar toda a cultura de um povo massacrado mas não derrotado.
Uma coisa é certa, queimaram nossos documentos, mentiram sobre nossa história, mataram nossos antepassados.
Outra coisa também é certa, mentirão no futuro, esconderão e queimarão tudo que prove que um dia a classe menos beneficiada com o dinheiro fez arte.
Jogando contra a massificação que domina e aliena cada vez mais os assim chamados por eles de “excluídos sociais” e para nos certificar que o povo da periferia/favela/gueto tenha sua colocação na história, e que não fique mais 500 anos jogado no limbo cultural de um país que tem nojo de sua própria cultura, a literatura marginal se faz presente para representar a cultura de um povo, composto de minorias, mas em seu todo uma maioria.
E temos muito a proteger e a mostrar, temos nosso próprio vocabulário que é muito precioso, principalmente num país colonizado até os dias de hoje, onde a maioria não tem representatividade cultural e social, na real negô o povo num tem nem o básico pra comer, e mesmo assim meu tio, agente faz por onde ter us barato para agüentar mais um dia.
Mas estamos na área, e já somos vários, estamos lutando pelo espaço para que no futuro, os autores do gueto sejam também lembrados e eternizados, mostramos a várias faces da caneta que se faz presente na favela, e pra representar o grito do verdadeiro povo brasileiro, nada mais que os autenticos, e como a pergunta do menino numa certa palestra.
- como é essa literatura marginal publicada em livros.
Ela é honrada, ela é autentica e nem por morarmos perto do lixo, fazemos parte dele, merecemos o melhor, pois já sofremos demais.
O mimiógrafo foi útil, mas a guerra é maior agora, os grandes meios de comunicação estão ai, com mais de 50% de anunciantes por edição, bancando a ilusão que você terá que ter em sua mente.
A maior satisfação está em agredir os inimigos novamente, e em trazer o sorriso na boca da Dona Maria quando ver o livro que o filho trouxe para casa.
Vindo com muita mais gente e com grande prazer de apresentar novos talentos da escrita periférica.
Prus aliados o banquete está servido, pode degustar, porque esse tipo de literatura viveu muito na rua e por fim está aqui no livro.
Depois do lançamento dos três atos que fizemos juntamente com a revista Caros Amigos, edições especiais chamadas Caros amigos/literatura marginal ao qual a Casa Amarela desde o principio acreditou e apoiou, a forma agora chega em livro.
Mas como sempre todos falam tudo e não dizem nada, vamos dar uma explicada: A revista é feita para e por pessoas que foram postas a margem da sociedade.
Ganhamos até prêmios, como o da A.P.C.A.(Academia Paulista de Críticos de Arte) melhor projeto especial do ano.
Muitas são as perguntas, e pouco o espaço para respostas, um exemplo para se guardar é o de Kafka, a crítica convencionou que aquela era uma literatura menor. Ou seja, literatura feita pela minoria dos judeus em Praga, numa língua maior o Alemão.
A Literatura Marginal sempre é bom frisar é uma literatura feita por minorias, sejam elas raciais ou sócio-econômicas. Literatura feita a margem dos núcleos centrais do saber e da grande cultura nacional, ou seja os de grande poder aquisitivo. Mas alguns dizem que sua principal característica é a linguagem, é o jeito que falamos, que contamos a história, bom isso fica para os estudiosos, o que agente faz é tentar explicar, mas agente fica na tentativa, pois aqui não reina nem o começo da verdade absoluta.
Hoje não somos uma literatura menor, nem nos deixemos taxar assim, somos uma literatura maior, feita por maiorias, numa linguagem maior, pois temos as raízes e as mantemos.
Não vou apresentar os convidados um a um porque eles falarão por sim mesmos, é ler e verificar, só sei que com muitos deles eu tenho lindas histórias, várias caminhadas tentando fazer uma única coisa, o povo ler.
Cansei de ouvir.
- mas o que cês tão fazendo é separar a literatura, a do gueto e a do centro.
E nunca cansarei de responder.
- o barato já tá separado a muito tempo, só que do lado de cá ninguém deu um gritão, ninguém chegou com a nossa parte, foi feito todo um mundo de teses e de estudos do lado de lá, e do cá mal terminamos o ensino dito básico.
Sabe o que é mais louco, nesse pais você tem que sofrer boicote de tudo que é lado, mas nunca pode fazer o seu, o seu é errado, por mais que você tenha sofrido você tem que fazer por todos, principalmente pela classe que quase conseguiu te matar, fazendo você nascer na favela e te dando a miséria como herança.
Afinal um dia o povo ia ter que se valorizar, então é nóis nas linhas da cultura, chegando de vagar, sem querer agredir ninguém, mas também não aceitando desaforo nem compactuando com hipocrisia alheia, bom vamos deixar de ladainha e na bola de meia tocar o barco.
Boa leitura, e muita paz se você merece-la, se não bem vindo a guerra.

Agradecimentos a:
Sérgio de Souza
Marina Amaral
Wagner Nabuco
Guilheme Azevedo,
Garrett,
R.O.D.
Bolha.
E a todos os parceiros que tem acompanhado o L.M. e o Movimento 1DASUL, tamos de pé graças a vocês.

Ferréz


E como já é de praxe, aqui vai um recado pro sistema.

“ Evitem certos tipos, certos ambientes. Evitem a fala do povo, que vocês nem sabem onde mora e como. Não reportem povo, que ele fede. Não contem ruas, vidas, paixões violentas. Não se metam com o restolho que vocês não vêem humanidade ali. Que vocês não percebem vida ali. E vocês não sabem escrever essas coisas. Não podem sentir certas emoções, como o ouvido humano não percebe ultra-sons.”

João Antônio, trecho do livro Abraçado ao meu rancor.


Extraído de: http://editoraliteraturamarginal.blogspot.com/2006/10/literatura-marginal.html




Rafaela Valverde

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Do fogo que em mim arde - Conceição Evaristo

Resultado de imagem para conceicão evaristo


Sim, eu trago o fogo,
o outro,
não aquele que te apraz.
Ele queima sim,
é chama voraz
que derrete o bivo de teu pincel
incendiando até ás cinzas
O desejo-desenho que fazes de mim.

Sim, eu trago o fogo,
o outro,
aquele que me faz,
e que molda a dura pena
de minha escrita.
é este o fogo,
o meu, o que me arde
e cunha a minha face
na letra desenho
do auto-retrato meu.



Rafaela Valverde

Escolhi não sofrer

Resultado de imagem para olhando o horizonte


Eu escolhi não sofrer. Decidi que não ficaria choramingando por pessoa bosta. Acordei um belo dia e disse para mim mesma: "não vou mais pensar nessa pessoa escrota". E assim tenho seguido minha vida. E sabe que não tenho pensado mesmo? Pra mim é como se a pessoa nem existisse e como se ela nunca tivesse passado pela minha vida. Eu dou graças a Deus todos os dias por isso. Quando a gente passa a enxergar mais Deus e mais a gente mesma, para de pensar, de se importar e de gostar de homem escroto que não merece a gente. Isso é maravilhoso! Deus fala para amarmos a Ele acima de qualquer coisa e isso faz sentido quando passamos por certas coisas. Quando amamos outra coisa mais que a Ele temos grande chance de nos dar mal. Porque ninguém tem tamanho amor e tamanha capacidade de nos corresponder como Deus. Deus não nos decepciona. Nunca. Então, essa lição fica bem clara pra mim na medida em que as coisas vão acontecendo, principalmente no que se refere a relacionamento com outras pessoas, sendo namoro ou amizade. Se isso está acontecendo é porque eu amei mais pessoas do que a Deus e essas pessoas sempre vão me decepcionar e sempre serão imperfeitas, assim como eu. Simplesmente porque elas são pessoas. É claro que não podemos redimir pessoas escrotas da sua escrotidão e mau caratismo. Não tenho dúvidas que as pessoas escolhem agir mal com outras. Assim como temos o amor, temos livre arbítrio dados por Deus. Então, a pessoa sabe que está sendo escrota e continua sendo. Por livre escolha dela. E eita que já me perdi do que eu estava falando exatamente. Estava falando da minha decisão de não sofrer. Pensei e vi que tinha duas opções: sofrer e choramingar por alguém ridículo que fez promessas falsas ou simplesmente mudar e sair da zona do sofrimento. Escolhi, é claro, a segunda opção e até já escrevi poema sobre isso. Depois que esse embuste-encosto saiu da minha vida eu me reconciliei com Deus, eu sinto um amor imenso no meu coração; minha auto estima está mais lá em cima do que nunca - ao contrário de quando estava com ele que me sentia como um lixo que não podia nem falar e me expressar, já que tudo o que eu falava estava errado. Depois que esse traste se retirou da minha vida tenho mais tempo para mim mesma, mudei o cabelo, durmo melhor (na minha cama de casal nova!), estou fazendo exercícios físicos e me amando tanto, mas tanto. Cada vez mais linda, mais rainha. Até minha pele melhorou! Não tenho mais nenhuma necessidade de medir minhas atitudes e palavras por causa de pessoas medíocres. E isso me dá um grande alívio. O que consequentemente me fortalece e faz com que não sofra mesmo. Um peso foi retirado da minha vida e eu sofri e chorei por mais ou menos um mês, mas agora já passou, já foi. Estou bem plena. Melhor que nunca. E a tendência é melhorar. Porque Deus está comigo. É só o que importa.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Minúsculos cotidianos


Resultado de imagem para estação do metrô

Mariela passava o dia na frente de um computador, analisando e criando sistemas e programações. Mariela trabalhava demais. O trabalho funcionava como fuga e ela gostava. Além disso, trabalhar pagava as contas e permitia-lhe comprar seus amados livros. Principais parceiros na agonia que é viver. Sua biblioteca aumentava a cada dia. Graças aos sistemas de computação, tinha companhias.

Saía às dezoito horas. Horário de movimento intenso nas cidades grandes. “Muitas pessoas se deslocam nesse período todos os dias” – Mariela pensava enquanto esperava o metrô na estação, depois de um movimentado dia de trabalho. O metrô chegou, apinhado.  Entrou e ficou de pé até a próxima estação quando vagou um lugar. Sentou. Bom, pois a inquietude já tomava conta. A ansiedade não a deixava em paz. Fone no ouvido. Passava as músicas freneticamente.  “Não consigo achar uma música legal...” Naqueles momentos não conseguia achar graça em nada. “Ah, um livro na bolsa” – lembrou-se. Sempre havia um livro na bolsa. Lia uns poemas aquela semana. A leitura fluía mais que o trânsito lá em baixo. Parado. O metrô seguia seu caminho, assim como a tristeza que fluía e ela se deixava levar. Mesmo com os recursos de distração, era sempre atingida pela flecha da tristeza.

Fechou o livro. Suspirou. Já pensava em seus códigos de programação e fazia cálculos mentais ao mesmo tempo em que observava as pessoas no vagão e o trânsito nas avenidas da cidade. Era tudo tão estressante para os outros, mas para ela nem tanto. Em meio aquele caos conseguia encontrar certa calmaria. Pelo menos em algum lugar, o caos é maior que em seus pensamentos. Os motoristas buzinavam nervosos, queriam seguir. Mas, afinal, pra que tanta pressa?

Voltando ao player do celular, encontrou uma música dançante. Levantou calmamente e desceu na estação seguinte. Não era sua estação, mas quem liga? Caminharia dançando até seu bairro. Mariela se sentia tão infeliz que se esforçava para encontrar alegria em pequenos momentos. Ansiava por um bom momento em sua vida tediosa. E geralmente eram os minúsculos cotidianos do dia que lhe arrancavam raros sorrisos. Andando pelo menos impediria as lágrimas de cair. Dançando pelo menos o corpo não estaria sufocado de tensão, frustração e tristeza.




Rafaela Valverde





segunda-feira, 25 de junho de 2018

Mundo de poeta

Resultado de imagem para poeta

Sou poeta 
Poeta gosta de grandes pequenices
Queria alguém pra conversar
Massagem no pé
Alguém pra perguntar como fui nas provas
Alguém que se interesse
Sou poeta
Poeta gosta de ser acarinhado
Poeta vê cores em tudo
Até no cinza
Sou poeta
Poeta até diz que não
Mas às vezes se ilude
Por acreditar demais
Sou poeta
E ser poeta é encontrar um pedaço de mundo dentro do mundo
E viver naquele lugar
Como se ele fosse seu
E lugar melhor não há
Poeta é assim
Ô bicho besta!
É poeta
Sabe que precisa de tudo
Mas não precisa de nada
Sou poeta
Poeta é indeciso
Poeta quer o mundo só pra si
E ao mesmo tempo quer construir um novo!
Sou poeta




Rafaela Valverde

sexta-feira, 22 de junho de 2018

O que falta pra gente ficar junto?

Imagem relacionada

O que falta pra gente ficar junto, hein?
Se tem amor
Tem paixão
Tem tesão
Tem cuidado
Tem afeto e atenção
Tem amizade e admiração
Se tem conversa
Tem assunto
O que falta pra gente ficar junto?
O que é que mais falta?
O que é que você ainda quer?
Além de toda essa emoção que temos quando estamos juntos?
Você quer mais que isso?
Então você quer incendiar o universo
Só pode ser
Por que eu não sei de nada mais quente do que nosso amor
E não só quente no sentido erótico
Não se trata somente disso
É quente de intensidade
De vontade
De tamanho
O que é que falta, me diz?
Eu não vejo mais nada que esteja escasso por aqui
Mas se você me disser
Vou ao final do arco-íris pegar pra você
Pra você se tocar
Que não falta mais nada pra gente ficar junto
Só você que teima em não perceber
Ou não querer
Mas como  pode não ver
Se tem amor
Tem paixão
Tem tesão
Tem cuidado
Tem afeto e atenção
Tem amizade e admiração
Se tem conversa
Tem assunto
O que falta pra gente ficar junto?



Rafaela Valverde


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Livro A Vida de Nosso Senhor

Resultado de imagem para livro a vida de nosso senhor

Ontem terminei de ler um surpreendente livro de Charles Dickens : A Vida de Nosso Senhor. Surpreendente porque não fazia ideia que existia. Comprei o livro por 10,00 em uma feirinha de livros em um shopping da cidade. Pois bem, Charles escreveu  ou reescreveu uma história resumida da vida de Jesus Cristo, totalmente baseada na bíblia. Com essa história ele queria ensinar essa história a seus filhos quando ainda eram crianças. Nunca quis publicar e só depois de muitos anos de sua morte, seus descendentes resolveram publicar. A edição que comprei é da editora Martins Fontes.

O livro foi escrito entre 1846 e 1849 e é baseado no evangelho de São Lucas, conforme informação da orelha do livro. O manuscrito ficou na família guardado como tesouro na família Dickens por  oitenta e cinco anos, sendo passado de mão em mão. Porém não poderia ser publicado enquanto algum filho do autor estivesse vivo. No ano de 1933 o último filho de Dickens morreu deixando o manuscrito com sua esposa e filhos que decidiram publicar. A primeira edição foi ´publicada em 1934 em Londres e nos EUA e foi um dos livros mais vendidos daquele ano.

O livro é uma narrativa simples, com alguns milagres, parábolas e detalhes sobre a vida de Jesus. Destaquei alguns trechos no final e vou dividir um aqui com vocês:

"Cristandade é AGIR BEM, sempre, mesmo em relação a quem nos faz o mal. Cristandade é amar ao nosso próximo como a nós mesmos e fazer a todos os homens o que desejamos que eles façam conosco. Cristandade é ser amável, bondoso, desculpar e conservar essas qualidades serenamente em nossos corações e, sem vaidade, jamais vangloriar - nos delas, ou de nossas orações, ou de nosso amor a Deus, mas demonstrar sempre que O amamos na busca humilde de agirmos justamente, em todos os sentidos."

É isso!


Rafaela Valverde

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Erva daninha


Resultado de imagem para erva daninha desenho


Corro pela rua
O fone no ouvido
Desci da lua
Não quero mais me distrair
Mantenho a mente sempre aberta
Pra não ruir
Piso em tudo o que é menos no chão
A folha seca, formigas, na perna arranhão
Cai o sangue, ferida aberta
Sangra!
E justo quando está para cicatrizar
Vem outra erva daninha e arranha
Justo quando estou caminhando
Olhando para frente
Na estrada tacanha
Que a vida é...
Mas não posso mais deixar
Que sofra a minha mente
Corpo e coração
Eu já disse coração?
Não importa!
Quebro a rima
Para clarear
O quanto quero estar pra cima
A partir de agora
Imaginar
Mas também viver
A vida aqui fora
Fora de mim
Suspirei
Fui na farmácia, comprei antisséptico
Pra matar tudo isso, enfim
Estou atenta
Distrair para me destruir, não mais
A erva, a daninha, até tenta
Mas eu já superei!




Rafaela Valverde

terça-feira, 12 de junho de 2018

Crescente fértil - Carina Castro

Resultado de imagem para carina castro poetisa


enquanto estendo as roupas
no varal
torço
pra que não chova
enquanto eu estiver fora
seria toda uma tarde enxuta
encharcada
tem também aquela goteira
insistente
pra amparar
pode vir de vento
sem aviso
dependendo da força
entra pelas frestas
da janela
inundando dentro
enquanto se acaba
a civilização
lembro que tenho que me virar em comida
pra suprir fomes alheias
confirmo no calendário o dia que o gás acabou/
localizo a lua crescente
– tempo certo –
pra cortar
os cabelos
pra que cresçam
subo a ladeira quase-sem-fôlego
me sinto sedentária
lembro que tenho
um corpo
mas não lembro
quando assentei poeira no chão
finquei raízes
ergui e pari o mundo
[e o que fez de mim a civilização?]
concebia-me sem pecado
e me embalava com muita graça
quando não temia
a época das cheias
que batiam no peito
não dava pé e não sabia nadar
que vinham
lavando e levando tudo
trazendo feras
peixes à beira da loucura
num transbordar infinito
prateando tudo até que tudo apodrecesse
tornando a lama, lume
crescente fértil
leito de nanã
dou de beber a tantas sedes
que a estiagem sempre é certa
corro pra tirar as roupas do varal
mas no fundo quero
que meu corpo encharque



Rafaela Valverde

sábado, 9 de junho de 2018

Livro Surpreendido pela Alegria - C.S. Lewis

Resultado de imagem para surpreendido pela alegria

Terminei de ler recentemente o livro Surpreendido pela Alegria de C. S Lewis. O livro foi escrito em 1955. Lewis foi um professor da universidade de Oxford e autor de alguns livros infantis, inclusive os das Crônicas de Nárnia. Pois bem, o livro é tratado como autobiografia pelo próprio autor que conta sua vida desde a infância, a relação com a família, as escolas que estudou e sua relação com Deus e com a literatura.

Lewis era ateu, virou agnóstico e depois se converteu ao cristianismo e ele conta com detalhes essas experiências. Confesso que alguns detalhes demais. Não curto muito biografias, acho uma leitura um pouco maçante e esse então, foi bem cansativo, sobretudo pela época em que foi escrito. Mas lutei e conseguir ir até o fim. É uma leitura cansativa até no sentido de muitas informações. Muitos autores e livros são citados, além de pessoas da convivência do autor. Ainda assim gostei bastante da forma que ele escreve e tenho mais alguns livros dele aqui que com certeza lerei. C.S. Lewis faz algumas críticas e revelações sobre questões variadas e algumas coisas voltadas a Deus e a descoberta da sua elação com Ele me marcaram.

É um livro bastante interessante para conhecer o autor, ainda mais para quem nunca leu nada dele, como eu. A mudança brusca no que se refere ao cristianismo e a fé fez eu me identificar muito com ele e sua história de vida.


Rafaela Valverde




segunda-feira, 4 de junho de 2018

Primeiro beijo

Resultado de imagem para primeiro beijo

Eu ainda lembro do nosso primeiro beijo
Você lembra?
Foi de repente
Não pude evitar
Nem tentei 
Me pegou de surpresa
Porque era eu quem queria beijar primeiro
Fiquei sem coragem
Daí você veio
Tranquilamente
Como se fosse a coisa mais natural a se fazer
E era!
Foi na hora certa
Porque eu já estava querendo 
Dizer que foi ótimo é tão clichê
Não foi ótimo
Foi indizível
Inefável
O primeiro de muitos
O mais especial
Foi ali que me apaixonei
O shopping que estava cheio ficou vazio
No momento que você me beijou
Só tinha nós dois ali
Naqueles segundos
Ou minutos?
Ou horas?
Sei lá!
O tempo parou
Quando você me beijou
Soube naquele momento que não quereria mais te deixar!
Ainda lembro do primeiro beijo que você me deu
O melhor de tudo é que partiu de você
Foi iniciativa sua
E isso, meu bem, não dá para apagar!



Rafaela Valverde


sábado, 2 de junho de 2018

Paredes coloridas

Resultado de imagem para arco íris na pared

Acordei. A primeira coisa que vi foi o teto branco acima da minha cabeça. Ainda bem que não há espelho nele. Não quero olhar minha cara remelenta e com olheiras. Afasto o pensamento de você. A droga da vida é essa, acordar e só ter o teto branco pra olhar. Acordar e pensar em você. Viro de lado e imagino que você está ali roncando, seu corpo quente do meu lado. Levanto o braço pra te abraçar mas abraço o oco e percebo que estava apenas imaginando.Saio do meu delírio e lembro que você não está mais ali. Viro de barriga pra cima de novo e olho o vazio. O teto. Branco.Vazio.

O espaço dos meus braços também está vazio. O que preenchia era você. Seu tamanho contundente. Sua sede de viver. Respirava com desespero. Preso à vida e preso aquele sono. E meu braço ia descendo e subindo nos movimentos da sua respiração. Até parece cafona, mas hoje só posso abraçar meu travesseiro. Suspiro e levanto da cama. Ligo o rádio. Toca aquela música. Aquela que você mandou pra mim no tempo das paredes coloridas. Danço um pouquinho, mas aí me lembro do oco, do branco, do vazio e volto a me aperrear.

Decido que não vou arrumar a cama. Decido que não vou fazer nada que não me deixe pensar em você. Ora, eu preciso pensar em você. Eu quero pensar em você. Mesmo que você mal se lembre de mim, mesmo que você não dê a mínima pra mim. Sei que você nem lembra que eu existo. Deito novamente em meio aos travesseiros e olho para o teto branco acima da minha cabeça. Fecho os olhos em seguida e imagino um arco íris. Um arco íris depois do dilúvio, tipo aquele que Deus prometeu a Noé.  E de repente todas as paredes do quarto estão arcoirescas. A minha vontade de te ter de volta é tanta que eu enxergo tudo colorido, como era quando você estava aqui, roncando entre meus braços.



Rafaela Valverde

Confiar em Deus

  1. Resultado de imagem para tribulação




Tribulação e angústia me atingiram, mas os teus mandamentos são o meu prazer. Os teus testemunhos são eternamente justos, dá-me discernimento para que eu tenha vida.
Salmos 119:143-144


Aprendi que não adianta ser "barraqueira", me irar ou ficar triste. Não adianta e não precisa. O que preciso mesmo é confiar em Deus. Ele me mostrou isso mais uma vez essa semana. Quantas vezes será necessário que Ele me prove para que eu acredite que Ele está do meu lado? Eu fico com tanto medo de as coisas não darem certo que fico sofrendo por antecedência. Eu devia me envergonhar e sim, me envergonho, de não confiar suficientemente em Deus e saber que hora certa Ele vai agir. Preciso acreditar mais em Seu amor, misericórdia e graça. Tenho um Deus tão fiel e ainda duvido. Como ouso?

Obviamente a minha fé ainda está no início, sendo desenvolvida e ainda preciso melhorar muito, eu sei. Mas às vezes acho inadmissível algumas coisas que eu faço. Venho tentando mudar e me deixando ser moldada por Deus ao longo dessas últimas semanas, mas ainda assim, claro que que eu sei que não posso mudar de vez. Vou explicar a situação desde o início, mas vou me ater mais ao fato dessa semana  Enfim, no início do mês passado descobri que só iria receber minhas bolsas de estágio e transporte desde o mês de março, no final do mês de maio/início do mês de junho. Desde então tenho estado indignada com a situação, já que não fui avisada desde o início.

Venho mandando emails e ligando para tentar entender e até reclamar. Pois bem, me estressei (quem não se estressaria?) fiquei zangada, angustiada e preocupada. Para resumir a história, na quarta feira, acordei com a cabeça em um dos emails que havia recebido com uma resposta: "ligue pra fulana no setor tal, peça os números da sua matrícula, registro e data de admissão para ver o contracheque..." O que eu havia cismado aquela manhã é que os números de matrícula e registro que já haviam me dado poderiam estar errados e encasquetei que iria ligar para saber se os números realmente estavam corretos. Estava tentando entrar no sistema e o mesmo informava: "Servidor não encontrado". Achei aquilo estranho. Liguei pela manhã e nada. Depois que cheguei em casa, à tarde, ligue novamente e realmente um dos números estava errado. Me passaram errado ou eu anotei errado, não sei. O fato é que consertei os números e consegui entrar no sistema e verificar os valores e data de recebimento. Foi Deus quem meteu aquela ideia na minha cabeça, Ele me disse, tenho certeza disso. Como eu poderia saber ou pensar que o número que me deram há quase um mês estaria errado? Até porque não tinha pensado nisso até essa semana, que foi uma semana que me angustiei muito por causa disso. Deus veio me tranquilizar na minha angústia, na minha tribulação. E ele sempre virá! Aleluia!


Rafaela Valverde

Metonímia - Lívia Natália


Resultado de imagem para lívia natália

Meu pai colocou meu nome num barquinho que comprou.
É miúdo.
Uma insignificância no meio do oceano de vaga vaga.
É reles.

De uma cruel e desleixada vileza.
De uma pequenez quase lírica.

É reles.

Mal cabem nele dois homens e o isopor para a pescaria.

Mal cabem dois homens.

Talvez somente ele – solitário – e o isopor.

Mas, como no milagre,
o barco que leva o meu nome caminha sobre as águas.



Poema do livro Água Negra



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...