Mostrando postagens com marcador Auto-estima. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Auto-estima. Mostrar todas as postagens

sábado, 14 de outubro de 2017

A Hora da Estrela - Clarice Lispector

Resultado de imagem para A Hora da Estrela - Clarice Lispector


Já li A Hora da Estrela pela segunda vez esse ano. Eu já havia lido em algum momento da minha pré adolescência, mas não tinha nenhuma memória dele. Macabéa é uma personagem bastante conhecida na literatura brasileira. Clarice Lispector em seu último livro marcou a literatura brasileira com a estória da nordestina datilógrafa que mal sabia escrever. Em 1977, ano de sua morte, a escritora nos trouxe a rica estória da pobre mulher nordestina que "só sabia chover."

Além da história de Macabéa, narrada pela figura masculina de Rodrigo S.M já que mulheres narrando estórias é de uma pieguice sem tamanho, então tomem um homem! E assim o livro que tem treze títulos inicia a partir da voz deste homem, que além de contar a história de Macabéa, algo que pouco conhecia, ainda reflete sobre a função do escritor, sobre a ação de escrever e funciona (se coloca ou é colocado) como alter ego de Clarice.

Eu não estou aqui para escrever uma simples resenha do livro. Contar como se dá a história, descrever e analisar personagens, essas coisas... Não! Há muito disso por aí. Estou aqui para contar para vocês o que esse livro, essa história, esse personagem e esse narrador significam para mim. E talvez eu ainda não consiga deixar isso muito claro, mas pelo menos posso tentar.

Pois bem, no início, a presença de Rodrigo me causou certa estranheza. Mas o que esse homem pensa que está fazendo? Ele nem sabe o que quer contar e como contar. Mas confesso que fui me acostumando e reconheço que ele conseguiu cumprir bem a missão de nos trazer Macabéa, a alagoana insignificante que fora para São Paulo para 'melhorar" de vida. E "é claro que a história é verdadeira embora inventada..."

Macabéa aprendera com a tia a bater à máquina. Muito mal, poque era quase analfabeta. Macabéa era tola. "Ela como uma cadela vadia era teleguiada exclusivamente por si mesma. Pois reduzira-se a si." Ela nunca se viu, nunca se olhou no espelho por ter vergonha. Macabéa era sem atrativos. Macabéa era virgem. Sim, virgem! Ela mal vive, somente inspira, expira, inspira e expira... Macabéa é incompetente, ouve rádio-relógio com anúncios e cultura. E adora. Marias dividem o quarto com ela. Assim que vive essa nordestina: amontoada em um quartinho amorfo que pode muito bem ser igual a sua vida. Mas ela nunca perdera a fé, apesar de não saber em que deus acreditar. Era desencantadora aos olhos do mundo. Esta era Macabéa. Ou é. Porque ela ainda vive, apesar de morta. Mas ela não é só isso. Dentro de sua pequenez há algo muito maior. Quer saber? Leia as retorcidas palavras narradas por Rodrigo S.M porque eu agora hei de me calar.

Rodrigo afirma que escrever não é fácil. E não é mesmo. Ele, assim como todos os escritores, vê a escrita como uma fuga, como única alternativa para o cansaço da mente e da alma. O narrador fala de se preparar para falar sobre a nordestina. É preciso se igualar ao nível dela para que se consiga  escrever sobre a vida medíocre que ela levava. E isso não é fácil. Se abster de sua própria vida para compor ou descrever uma personagem como essa... Pobre, pobre de espírito, sem atrativos, moça infeliz...

O livro traz poucos personagens. O livro em si é pouco, mas um pouco que preenche a grandiosidade literária que se propõe. Glória, a colega de trabalho de Macabéa; o chefe, cujo nome agora eu esqueci; Olímpico, o namorado; as Marias, já citadas acima e a cartomante. Ainda há a tia de Macabéa que aparece in memorian e não deixa de ser marcante devido a seu relacionamento abusivo com a sobrinha. Havia o relacionamento abusivo também com Olímpico, o namorado. Que bom que hoje temos esse termo para nomear esse tipo de relacionamento. Até Glória maltratava a nordestina. Todo mundo a maltratava. Parece que ela atraía...

A morte, a aflição, a culpa, a crítica, a angústia e a briga com si mesmo - o auto-embate - como eu carinhosamente chamei, são temas que permeiam todo o livro. Por mais que não estejam explícitos, estão ali. O tempo todo. É só prestar atenção. A crítica literária e o preconceito sofrido por Clarice, por ser mulher também estão presentes. Há ainda de se ressaltar referências ao Nordeste e a Recife, terra onde viveu nossa autora. Eu vejo esse livro de muitas formas diferentes. A Hora da estrela é somente uma: a derradeira. Só se é estrela uma vez. Só se tem hora uma vez. Nada mais que isso... Eu vejo, entre outras coisas, a grande despedida de Clarice através deste livro, através de Macabéa, sua insignificante e grandiosa personagem. A personagem com nome esquisito que foi apresentada e narrada por um homem, fato que simbolizou, talvez, a voz feminina que tentaram calar.



Rafaela Valverde

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Ela é força

Resultado de imagem para força

Ela é tão forte que nada é capaz de destruir
Pensa em desmoronar, em ruir
Mas ela parece inquebrantável
Aço reforçado, energia inesgotável

Não que ela não tenha se sentido fraca
Sim, isso já aconteceu
Manhãs de ressaca
Em raros momentos a enfraqueceu

Nada que um banho e uma xícara de café não curasse
Momentos de catarse!
Daqueles que renovam; fortalecem mais
Estar consigo mesma, sem olhar para trás.



Rafaela Valverde

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Foi assim a gente na cama

Resultado de imagem para casal transando na cama
Foi doce e ao mesmo tempo ardente. Isso é possível quando nós dois estamos no mesmo recinto, no mesmo colchão. Chocolate e Pimenta. Vinho seco e vinho tinto daqueles bem vagabundos e doces. Os opostos. Que se conectam não apenas com o corpo numa linda dança, uma coreografia bem ensaiada. 

E foi assim que foi. Sem nenhum ensaio prévio. E quando me dei conta estava em cima de você. Foi tudo muito louco. Ainda de roupa, já estava molhada. Os flashs que vêm à minha cabeça por si só já são deliciosos. Você me chupava com uma voracidade, uma sede. De uma forma que eu nunca havia sido chupada. Tanto desespero, tanto destempero e agonia se tornaram um boom estonteante de prazer do início ao fim.

Mordia sua orelha e passava minha língua nela só pra ver você se derretendo. Nossa dança continuava, sincrônica e suave, selvagem e desajustada. Brincávamos de explorar nossos corpos em plena luz do dia. Luz que entrava pela janela transformando a penumbra do quarto em mais lascívia. Cada vez mais. Gemia de prazer com cada gesto seu, que me movia como se soubesse todos meus pontos erógenos  e sabia. Todos meus pontos de prazer. 

Ás vezes gritava porque não conseguia mais ficar calada porque você é demais. Faz tudo bem. Bem até demais. Como eu não imaginava muito, confesso. Há tempos que não tinha um sexo tão incrível. Uma outra pessoa não me dava tanto prazer há um tempo relativamente bom. E nem só por isso, mas pelo fato de me sentir desejada. Me senti uma deusa exclusiva e maravilhosa.

Entre um rolar na cama e outro, beijos quentes e carinhos fofos que me deram gosto de ter usado meu hidratante caro. Deixei minha pele mais macia e parece que você adivinhara, porque me acariciava de uma forma tão doce e ao mesmo tempo libertina que eu lembro desses toques até hoje. E assim é que foi: carinhoso e sensual. Indomável e dócil. É assim que foi. Deitamos de conchinha e o que você falou em meu ouvido com essa voz gostosa está ecoando até agora... Gozamos juntos e ficamos ali abraçados, de conchinha, sentindo o calor do corpo do outro e esperando a próxima vez.



Rafaela Valverde

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Uma lista de tarefas para o amor próprio - Key Ballah

Resultado de imagem para amor próprio

- Lave sua pele com água morna.
- Use o dedo indicador de sua mão direita para comer mel direto do pote.
- Escreva uma carta de amor para si mesma.
- Peça para sua mãe dizer o quanto ela te ama. Ouça com cuidado a verdade em sua voz.
- Diga ao seu pai que você o perdoa.
(Tente perdoá-lo, por mais clichê que isso soe, o perdão é na verdade para você).
- Leia o primeiro capítulo do seu livro favorito, se você não conseguir parar, leia o quanto conseguir.
- Saia de casa. Não importa o clima, mesmo que você só fique em uma varanda, mesmo que seja apenas por alguns segundos. O ar fresco queima a tristeza.
- Se alongue…
- Toque todas as suas cicatrizes e relembre seus aniversários, lembre-se de quão longe você veio.


Eu amei esse texto!


Rafaela Valverde

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Entorpecimento mortífero

Resultado de imagem para triste

A frustração, o medo e desesperança dão bons temas para escrever. Aliás, eles já são o próprio assunto. Eu, quando recebo noticias ou baques na minha vida - o que acontece quase o tempo todo, diga se de passagem - tendo a escrever melhor. Com mais tristeza, consequentemente com mais literatura.

Refletir sobre minha escrita faz parte de uma tomada de consciência sobre mim mesma e meus sentimentos. Quais os momentos em que escrevo? E como escrevo nesses momentos? Qual a época em que mais escrevo contos eróticos, por exemplo? Cabe a reflexão.

Sei que isso pode não interessar as pessoas, mas analisar isso, para mim, me faz entender a mim mesma ou pelo menos ajuda. Meu psiquismo, meus processos cognitivos e de assimilação de coisas ruins que acontecem em minha vida. Só na semana passada tive duas notícias ruins, duas preocupações sobre o futuro. Dois pequenos problemas que não me definem, mas me incomodam. Com essas coisas eu só sinto vontade de escrever. Escrever, chorar e morrer. O fardo de viver, às vezes, me deixa muito deprimida e muito desgostosa com a vida.

Às vezes, nem a literatura consegue me tirar desse entorpecimento mortífero. Deve existir uma força sobrenatural dentro do meu ser, porque mesmo com tudo desmoronando eu ainda consigo cumprir minhas obrigações diárias, os trabalhos da faculdade, etc. A demanda de estudos pelo menos mantém minha mente ocupada e eu deixo de sentir ímpetos de me jogar debaixo de algum carro em uma avenida movimentada.

Tudo é pesadelo, tudo é tempestade. E eu não acordo nunca desse sono que não oferece descanso, nem alento. Só dor, angústia e pesadelos. Eu não sei até quando eu vou conseguir me manter ocupada o suficiente para não desistir e não mergulhar de vez nesse entorpecimento.


Rafaela Valverde

Você vai se arrepender

Resultado de imagem para raiva

Você vai pagar muito caro pelas coisas que me fez e ainda faz. Não porque eu tô te desejando mal, mas porque quem planta colhe e as suas maldades, sua falta de remorso por me machucar vão voltar para você. Não porque eu estou morrendo de raiva neste exato momento e porque gostaria que você sofresse pelo menos 0000,1% do que eu venho passando nesses últimos tempos.

Não é só por isso. Eu não te desejo mal, pelo contrário, espero que você seja até mais feliz do que foi comigo. Pelo menos vai valer a pena todo meu sofrimento. Mas, mesmo não desejando mal, sei que uma hora a conta vem e você vai ter que lidar com isso. Já não estou mais em sua vida, porque eu fiz questão de me afastar. Se fosse por você até hoje estaríamos naquela amizade colorida e superficial idiota. Aliás, é só disso que você gosta agora: relações idiotas e superficiais. E de pensar que já te achei a melhor pessoa do mundo...

Eu sei que sempre voltava atrás, sempre ia falar com você. De novo, de novo e de novo. Mas dessa vez eu não suporto mais manter você por perto. Eu tenho nojo de você. Das coisas que você tem me dito ultimamente. Me tratando como se eu fosse um produto descartável. Eu sou uma pessoa, tenho sentimentos. E parte deles são para você. Mas você só sabe desprezar e jogar fora tudo de bom que alguém possa te oferecer.

Você não serve pra mim. Eu acho até que nunca serviu. O que tivemos foi um mero acaso. Pra você, falta de coisa melhor e pra mim, a maior ilusão da minha vida. Eu não quero mais correr atrás, eu não quero mais desistir de ficar zangada com você "em nome dos nossos bons momentos juntos." Eu quero que você se exploda, quero distância de você. Assim como você quer que eu me exploda. Vou passar a ser com você como você é comigo: nada, indiferente, vácuo... Vou inexistir na sua vida. Eu juro que é definitivo.

Estou me afastando e quando essa decisão parte de mim, você sabe que é realmente definitivo. Você me conhece muito bem. Sou das que demoram para dar adeus, mas quando dou eu dou. Pra mim é melhor. Minha saúde mental agradece por eu me afastar de você. Mas você vai se arrepender e essa sua voz escrota, sem culpa, sem um pingo de empatia vai mudar. Ah, vai! E eu vou saber.




Rafaela Valverde


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Dias tristes

Resultado de imagem para triste

Eu só sinto vontade de três coisas: chorar, escrever e morrer. Eu ontem disse que nasci pra sofrer. Eu tomei um baque na quinta, na sexta e outro no sábado. Ontem passei o dia quase todo deitada vendo série e estudando, enquanto quase todas as pessoas do planeta estavam se divertindo. Eu não sei qual rumo minha vida vai tomar. Eu não sei se existe algum rumo. Especialmente quando se trata de mim.

Fui feliz em poucos momentos da minha vida. E agora, sou menos ainda. Minha vida ão entra nos eixos e eu não sei mais o que fazer para que as coisas se encaixem. A minha parte eu faço. Estudo muito, procuro emprego e ou estágio, mas não flui. Talvez a parte que esteja me faltando fazer seja ter fé. Sim, eu acho que eu preciso de mais fé. Eu tenho inveja das pessoas que têm fé. Através da fé é possível aceitar certas coisas.

Minha fé até existe, mas é um pouco volúvel. Eu não consigo me manter com fé. Não sei como realizar manutenção. Eu não sei como continuar levando minha vida. Tomo surras da ia o tempo todo e não me sinto mais forte para lutar.

Mas, talvez, não seja só a falta de fé. Talvez eu tenha nascido pra me estrepar mesmo, como já tinha imaginado antes. Já penso nisso há anos.  Eu sinto uma tristeza tão profunda às vezes que chega a doer. Não sei como afastá-la. Na verdade eu até já soube, hoje não sei mais. Meus artifícios não funcionam mais. Ler um livro, ouvir música, focar nos estudos não têm adiantado mais. 

A tristeza até vai, mas volta. E volta intensa. Não sei de onde tiro forças para levantar da cama. Tem dias que nem tiro e nem levanto. Mas, não posso me dar a esse luxo, já que preciso me formar e ganhar dinheiro. Minhas oscilações entre triste e não triste estão cada vez mais presentes na minha vida. E não sei mais como pará-las. 



Rafaela Valverde

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Eu e os óculos


Resultado de imagem para óculos de grau

Voltei a usar óculos depois de quase três anos de lentes de contato. Eu escolhi um modelo de óculos bem estiloso e diferente de tudo que já usei antes, mas pelo meu grau ser muito alto e a grana ser pouca acabei ficando com uma lente grossa. Eu odeio óculos. Sempre odiei e desde ontem estou me sentindo um pouco angustiada em ter que usar esse troço no meio da minha cara.

Sinto que muda muito minha fisionomia e me deixa menos bonita. Nunca me senti bonita de óculos. Até compartilhei um texto no Facebook sobre minhas angústias, mas aqui que é o espaço adequado para isso. Eu estava pensando ontem, o dia todo, que ninguém vai me olhar mais. Ninguém vai se sentir atraído por mim mais. Por causa dos óculos... Bom se já não olhavam antes... Pode parecer besteira, mas não é. Não para mim.

Tenho uma necessidade de me sentir bem. De me sentir bonita pois passei minha infância e minha adolescência sofrendo de baixa auto-estima. Baixíssima auto estima. E os óculos, além do meu peso, cabelo e aparência como um todo, eram responsáveis por isso. Me sinto meio triste, mas vai passar. Eu sei. Mas é assim que estou me sentindo no momento. Querendo fazer cirurgia de redução de miopia, querendo nascer de novo, sem isso. Pedindo para não ser tão cega... Tudo meio idiota, mas eu sou assim.


Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...