terça-feira, 5 de setembro de 2017

O mundo do silêncio

Resultado de imagem para bla bla bla

Me dei conta que sou solitária. Não sou daquelas pessoas que fazem amizade em qualquer lugar que chega. Demoro um pouco. Demoro para me abrir, para me enturmar, demoro para sorrir. Quase nunca sorrio. Não gosto de me revelar logo de cara. Não confio nas pessoas e quase nunca gosto delas. Ouvir gente falando é uma tortura pra mim. Quando preciso estar em um ambiente com muitas pessoas gostaria muito que elas não falassem e nem arrastassem os chinelos. Me irrita muito certos contatos. Irrita e incomoda. Já pensei que podia ser algum tipo de distúrbio, autismo, sei lá... Mas semana passada quando conversava com um ex professor, ele falou que nós, pessoas solitárias, sofríamos muito quando em contato com as outras pessoas... Nesse momento foi que caiu a minha ficha e percebi que realmente sou uma pessoa solitária. Talvez não porque eu queira ser, ou talvez sim, nem sei mais. Mas também há esse meu jeito de ser né. Se eu encontro uma pessoa no ônibus, continuo lendo meu livro ou com o fone de ouvido, simplesmente porque não quero conversar com ela. Eu não quero conversar com quase ninguém. São muito raras as pessoas que me despertam a curiosidade de conversar. São raras as pessoas com quem eu me sinto à vontade para falar, falar e falar. Eu geralmente até prefiro escutar do que falar. Mas nem tanto pois valorizo meu silêncio demais. Quando estou almoçando no Restaurante Universitário quero comer em silêncio. Deglutir calmamente minha comida enquanto simplesmente curto uma música ou meu programa preferido na rádio. Eu não quero ninguém tagarelando em meu ouvido. Eu não quero blá, blá, blá no meu juízo o dia inteiro. Não sei o porquê de as pessoas falarem tanto. Não sei porque não calam a porra da boca, na moral. Não gosto de tagarelices, nem de jogar conversa fora. Não gosto de desperdiçar palavras, nem de gastar saliva. Sou, na maioria das vezes, calada. Sou personalidade única, como todas as pessoas no mundo. Obviamente cada pessoa é única. Existem muitas pessoas solitárias por aí. Eu não sou a única e nem sou a privilegiada que só abre a boca quando tem certeza e em caso de extrema necessidade. Mesmo que essa necessidade seja um final de tarde, com uma amiga, fumando, vendo o pôr-do-sol, conversando, conversando e rindo das caras dos homens. 



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...