quinta-feira, 21 de julho de 2016

Meu texto sobre feminismo para o Blog Trend Modas

Imagem da internet
Pessoas, antes de viajar quero deixar um texto meu sobre o feminismo que escrevi para o blog Trends Moda do meu amigo Raphael Minho, Na moral, é um texto muito bom e eu estou orgulhosa dele demais. Curtam o final de semana com o meu texto sobre o movimento feminista. Bjos!
 Blog: Trends Moda


Rafaela Valverde

Enel 2016 em Brasília

Imagem da internet
Gente eu estou numa correria terrível e estarei viajando no sábado de manhã para Brasília para participar do ENEL 2016 na UNB. Só estarei em Salvador no domingo dia 31/07. Portanto ficarei ausente do blog por esses dias. Mas em breve volto com textos voltados para a área de Letras, Literatura, cabelo e as novidades da viagem. Bem é isso. Um até logo!




Rafaela Valverde

terça-feira, 19 de julho de 2016

Quadrilha - Carlos Drummond de Andrade

Imagem da internet
João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o
convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto
Fernandes
que não tinha entrado na história.


Rafaela Valverde

Reflexões de passarela

Imagem da internet
As pessoas vivem com pressa e pior que paradoxalmente reclamam que o tempo está voando. Os anos voam, envelhece se rápido. Ruas movimentadas são atravessadas destemidamente, tudo pela vontade de chegar mais rápido ou pela impaciência. E eu penso imediatamente no quanto a vida é valiosa. Ela não merece que nós arrisquemos tanto por tão pouco. Só para chegar uns minutinhos antes?

De cima da passarela eu observo, eu penso. É um turbilhão de ideias que vêm tão rapidamente e a pessoa continua lá esperando os carros pararem de passar para ela atravessar a rua. "Mas como assim, você já poderia ter vindo pela passarela, seu jumento!" Daí eu não entendo muito bem o raciocínio dessas pessoas e sigo meu caminho com a minha mente demente apostando corrida mentalmente com aquela pessoa otária que tem síndromes suicidas em plenas avenidas movimentadas de Salvador.

O que vale aqueles momentinhos economizados atravessando uma avenida ao invés de simples e seguramente atravessar pela passarela? O trabalho? Almoço? O crush esperando? Uma entrevista de emprego? Uma aula? Prova? O que é mais importante do que apenas não virar mingau de baixo de um ônibus ou de um caminhão? Bem, eu não entendo e nunca vou entender. Vou continuar passando pela passarela, sem me importar se estarei sendo chamada de abestalhada como se diz por aqui.

Mesmo tendo medo de passarela. Bem, eu ainda não decidi se é medo de passarela mesmo ou se é medo de altura. Só sei que não gosto. Não ando nas extremidades, de jeito nenhum. Somente no meio. E correndo. Quando dá. Passarelas são equipamentos muito caros para a cidade e são muito úteis e inteligentes, então por que eu vou seguir uma lógica primitiva de atravessar uma rua ou avenida movimentada? Para refletir!



Rafaela Valverde

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Como fazer um resumo

Imagem da internet
Muitas pessoas não sabem como fazer um resumo. Acho que até hoje eu não sei direito (hehehe), mas já melhorei muito ao longo dos anos. Primeiramente antes de começar a resumir é preciso ler e reler várias vezes o texto. Em seguida é importante sublinhar os pontos considerados mais importantes do texto. Pode fazer um fichamento rápido.

É necessário ter uma noa noção de interpretação de texto para entender o que está sendo dito e quais são as ideias principais e secundárias. Em seguida, é bom organizar essas ideias principais em uma certa ordem com as suas próprias palavras. É interessante ter em mente o que está sendo dito no texto e como você explicaria esse assunto para alguém. Isso ajuda na hora de escrever.

Resumir basicamente é ler, analisar e escrever em poucas linhas o que é importante para o leitor saber. Não se deve copiar trechos do texto original, toda a escrita - apesar de se basear no texto original - deve ser de sua autoria, com as suas palavras e o seu estilo. O resumo deve apresentar de forma breve, concisa e coletiva um determinado conteúdo.

Apesar de não poder repetir as palavras do autor pode estar no resumo os exemplos e dados secundários dados pelo autor. O resumo deve ser coeso, um texto lógico, não um monte de frases soltas. Alguns autores indicam que há três tipos de resumo:

Resumo indicativo: Indica apenas os pontos principais do texto, não apresentando dados qualitativos, quantitativos, etc.
Resumo informativo: Informa ao leitor sobre o texto, sobre a conveniência da leitura do texto inteiro. Conta ainda com finalidades, metodologia, resultados e conclusões.
Resumo crítico ou resenha: resumo escrito por especialista com análise interpretativa de um documento ou texto.

Um resumo, como o nome já diz deve ser resumido. Se trata de um texto conciso. Partes desnecessárias como adjetivos, advérbios ou equivalentes. Diminuição de expressões por uma palavra, construções novas com substituições de termos que tornem o texto mais enxuto são essenciais para a elaboração de um bom resumo.

Informações como os dados do texto, autor, título ano de publicação e gênero da obra devem constar no resumo. Deve se usar conectivos para relacionar as ideias principais com as secundárias e assim escrever um novo texto. O autor do texto original deve ser mencionado diversas vezes ao longo do texto com expressões como: "segundo o autor", etc.


Rafaela Valverde



quinta-feira, 14 de julho de 2016

Livro Português ou Brasileiro? um convite à pesquisa - Marcos Bagno

Imagem da internet
Terminei de ler o livro Português ou Brasileiro: Um convite à pesuqisa de Marcos Bagno. O autor discute um pouco da história da Gramática Tradicional e da Língua Portuguesa, além de tecer críticas diversas ao ensino tradicional da língua no Brasil. Ele aponta algumas possíveis soluções para o ensino, além de diferenciar o português falado em Portugal e o português brasileiro.

Bagno fala sobre as suas pesquisas na área. E traz outras formas de pesquisa. O que e como pesquisar na área. O livro traz diversos exemplos do que se fala e do que é ensinado nas escolas. Um é diferente do outro. A Gramática Tradicional exclui o falante e traz formas totalmente em desuso no Brasil, mas algumas que ainda são faladas em Portugal.

Logo há duas línguas diferentes. O português de Portugal e o Português brasileiro. Esse último é o que deve ser ensinado no Brasil. Formas como si, consigo, entre outras, não são mais utilizadas pelo falante brasileiro, mas ainda assim são ensinadas e repetidas como verdade absoluta ano após anos nas escolas brasileiras. Fazendo com que o aluno da língua ache a difícil, complicada. Esse aluno acaba sendo excluído, por que não "sabe falar certo" ou não.

Assim, o professor de Língua Portuguesa ou Brasileira é convidado a refletir nos usos da língua em nosso país. Além de refletir, o professor também é convidado à pesquisa. Algo que é extremamente citada no autor como importante para aperfeiçoar as práticas de ensino e talvez com mais conhecimento do professor consiga se diminuir um pouco desse abismo entre língua e alunos. Que a GT e ensinos descontextualizados não sejam mais a base do ensino da Língua Brasileira.



Rafaela Valverde


Filme As Duas Faces de um Crime

Imagem da internet 
No final de semana assisti o filme As Duas Faces de um Crime, O filme é de 1996 e é do diretor Gregory Hoblit. Vinte anos depois eu vejo o filme que lançou Edward Norton nas telonas. O filme conta ainda com Richard Gere, Laura Linney, entre outros. É um suspense americano e tem uma tensão incrível.

Um sacerdote é assassinado com muitas facadas. Um jovem (Edward Norton) de 19 anos sai correndo do local do crime  com as roupas sujas de sangue e é pego pela polícia. Tudo indica que ele é o assassino frio do padre que parece que não era lá tão ortodoxo assim. Um advogado de defesa, ex-promotor do estado (Richard Gere) assume a sua defesa. A partir daí ele tem que tentar decifrar um crime cheio de mistério e com gosto de vingança, pelo menos ao que parece.

O advogado não cobra nada para defender o jovem, pois adora estar envolvido em crimes de grande repercussão por vaidade e não sabe o significado da palavra perder. Ele sempre vence seus casos e dessa vez não espera que seja diferente. O que se segue a partir daí é uma trama que prende o telespectador até o seu final surpreendente. Com certeza um grande suspense. Recomendo para uma tarde de preguiça em companhia do Netflix.



Rafaela Valverde

Curso de preparação de tortas - Senac

Terminei no dia 01/07 um curso de preparação de tortas no Senac. O curso teve a duração de vinte horas e em cinco dias eu pude aprender muitas técnicas sobre tortas. Aprendi novas técnicas e aprendi as que não sabia. Pretendo em breve começar a trabalhar fazendo tortas, por conta própria. Porém ainda preciso ter dinheiro para comprar uns equipamentos simples. Além disso, pretendo fazer outros cursos na área lá mesmo no Senac que é uma boa instituição. Abaixo, algumas das tortas que aprendi a preparar lá:

Torta Baba de Moça

Torta cremosa de camarão

Torta com cobertura de vidro




Rafaela Valverde

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Motivo - Cecília Meireles

Imagem da internet


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.



Rafaela Valverde

terça-feira, 12 de julho de 2016

Seu mestrado e doutorado não te fazem melhor que eu

Imagem da internet
Alguns dos que se intitulam os melhores e maiores professores, mestres e doutores, que acham que têm todo o conhecimento e a gente até se sente intimidado em falar alguma coisa que os desagrade estão destruindo nossa sanidade dentro das universidades. Principalmente nas universidades públicas, onde o tempo de casa, titulação e estabilidade não lhe impõem medo. Afinal, dentro das instituições públicas não há a preocupação de perder o emprego. Pelo menos na maioria das vezes.

Isso porque em alguns casos o professor tem uma contratação toda remendada e mal explicada e ainda assim se acha o rei da cocada preta. A empáfia sai pelos poros desses professores e eles quase entregam que foram os Cu De Ferro da época da escola. Bem, pelo jeito algo mais contém ferro no corpo desses indivíduos, devido ao tamanho da dureza e inflexibilidade que são traços típicos de suas atitudes em sala de aula.

É claro que não são todos, eu não estou aqui generalizando. E nem estou querendo dizer que esses professores que agem assim são pessoas ruins nas suas vidas pessoais. A questão aqui é o comportamento dentro do ambiente de endeusamento que pode ser o ambiente universitário algumas vezes. Afinal de contas, a maioria daqueles alunos sentados ali não sabem nada mesmo, em muitos casos acabaram de sair do ensino médio e encontram professores com doutorado fora do país e pós doc em arrogância.

Aliás sabe o que significa a palavra aluno? Significa sem luz, sem conhecimento, sem saberes, uma tábula rasa como diria Locke. Mas enfim, voltando aos tchuc tchuc fofos dos professores que encontramos por aí a fora que arrotam saber tudo mas vão para debaixo da terra como todos nós. Que não cumprimentam funcionários mas querem respeito incondicional do seu aluno.

O estudante coitado já tão pressionado, pobre, com milhões de coisas para ler e trezentas xerox para tirar, filas, trabalhos, prazos, pesquisas, aulas e tantas outras demandas, têm que se virar nos trinta muitas vezes simplesmente porque o professor não pode e não quer se dar ao trabalho de mudar algumas práticas didáticas abusivas e carniceiras. Mesmo só tendo aquele trabalho, aquela pesquisa, aquele tudo. Tudo é o mesmo tema e é para uma cabeça já madura. Enquanto nós alunos estamos perdidos e confusos sem ao menos apreender direito por que tem que dar conta de tudo e é muito, muito mesmo.

Essas práticas didáticas são anacrônicas, têm cabresto. O professor é antiquado, não escuta sugestões e parece que tem um prazer sádico em fazer o aluno sofrer. Eu até sinto um risinho no canto da boca de alguns, um prazer quase orgástico em ver o aluno se acabando. Afinal com ele também foi assim, ele também se acabou não é mesmo? Por que esse aluno tem que ficar de boa com apenas um texto por vez? Não! Agora é a hora da vingança.

Aliás alguns professores, além de não terem nenhuma didática e parecer estarem falando suas teorias consigo mesmo, esquecem que já foram alunos. E talvez há não tanto tempo assim, viu? Muitos professores são jovens, acabados de sair do mestrado, ou nem saídos e já se contaminaram com esse bichinho. O bichinho da crueldade que vem fazendo alunos pirarem e odiarem o ambiente acadêmico.

Como se já não bastasse toda a situação de pressão, todas as demandas e atividades, o estudante tem que chegar no horário, atrasos são inadmissíveis, por que eles já andaram de ônibus, mas agora têm carro então que se dane o idiota- sabe-nada que está vindo para essa universidade todos os dias. Eles acham que a universidade é o reino deles, afinal mestrado e doutorado dá coroa né? NÃO! Nem educação doméstica e humanidade!



Rafaela Valverde

Poema da purificação - Carlos Drummond de Andrade

Imagem da internet
Depois de tantos combates
o anjo bom matou o anjo mau
e jogou seu corpo no rio.
As água ficaram tintas
de um sangue que não descorava
e os peixes todos morreram.
Mas uma luz que ninguém soube
dizer de onde tinha vindo
apareceu para clarear o mundo,
e outro anjo pensou a ferida
do anjo batalhador.



Rafaela Valverde

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Algumas regras do Novo acordo ortográfico da Língua Portugesa

Imagem da internet
Agora quero falar um pouco das novas regras ortográficas da Língua Portuguesa que já estão em vigor e devem ser usadas. Bem, há certas controvérsias em relação a esse acordo que é plenamente político e viveríamos muito bem sem ele. Mas confesso que gostei do fim do trema, aqueles pontinhos eram meio irritantes.

Enfim, hoje eu vou trazer algumas das novas regras. Para quem está aprendendo agora, sendo alfabetizado com elas é mais fácil. Mas para nós que fomos alfabetizados já há algum tempo é um pouco mais difícil. Só muita leitura e treino podem ajudar a fixar cada vez mais as mudanças que somos obrigados a acatar, concordando ou não.

Vamos lá: Os ditongos abertos tônicos èi e ói perdem o acento agudo quando caem na penúltima sílaba (paroxítona). Ex: ideia, joia, geleia, debiloide entre outras. O acento não cai se incide em ditongos em sílabas tônicas de palavras oxítonas (acento tônico na última sílaba) ou proparoxítonas (acento na antepenúltima sílaba) Ex: anéis, fiéis, anzóis, etc. Cai o acento circunflexo de palavras paroxítonas terminadas em ôo e em  êem.  Ex: voo, deem, enjoo, veem, creem. Porém têm e vêm indicando plural mantêm o acento, assim como seus derivados: mantém, mantêm, provêm, etc

Outras mudanças mais frequentes são no uso do hífen em palavras compostas. Palavras compostas com prefixos ou falsos prefixos que ganharam significado das palavras das quais faziam parte como aero, radio, tele, etc; usa- se o hífen se o segundo elemento começar com h: anti - histórico, super- homem, multi- horário, mini-habilitação, etc. 

Obs: Quando o uso dos prefixos des- e in- caem o h e o hífen: desumano, inabitável, desonra, inábil. Ainda com os prefixos co- e re- caem o h e o hífen: coerdar, coabitar, reabilitar, reabitar.

Passa se a usar hífen entre o prefixo e o segundo elemento quando o prefixo termina na mesma vogal pela qual começa o segundo elemento: anti - inflacionário, tele-educação, neo- ortodoxia. Usa se também o hífen quando o prefixo termina na mesma consoante pela qual começa o segundo elemento, ou quando este começa por r ou h: hiper- requintada,  inter-resistente, super-radical, inter-hospitalar.

Não se usa o hífen quando o prefixo termina em consoante e o segundo elemento começa por vogal ou consoante diferente de h ou r: subsequência, sublinear, interativo, hiperativo,superabundante, hiperacidez, interlocução, etc. Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s não se usa mais o hífen e a consoante r ou s é duplicada:
Ultra - som -> ultrassom
anti- semita -> antissemita
contra -regra -> contrarregra

Não se usa hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente ou consoante (r ou s se duplica)
auto- escola -> autoescola
extra-escolar ->extraescolar
co-piloto -> copiloto
auto-imune -> autoimune

Então essas são algumas das mudanças do novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa que já está em vigor. Claro que algumas regras não vamos conseguir decorar logo, ou aprender. Mas como eu já havia dito, leitura ajuda e muito. Boa sorte para todos nós!




Rafaela Valverde

O Grande Circo Místico - Jorge de Lima



Imagem da internet
O médico de câmara da imperatriz Teresa - Frederico Knieps -
resolveu que seu filho também fosse médico,
mas o rapaz fazendo relações com a equilibrista Agnes,
com ela se casou, fundando a dinastia de circo Knieps
de que tanto se tem ocupado a imprensa.
Charlote, filha de Frederico, se casou com o clown,
de que nasceram Marie e Oto.
E Oto se casou com Lily Braun a grande deslocadora
que tinha no ventre um santo tatuado.
A filha de Lily Braun - a tatuada no ventre
quis entrar para um convento,
mas Oto Frederico Knieps não atendeu,
e Margarete continuou a dinastia do circo
de que tanto se tem ocupado a imprensa.
Então, Margarete tatuou o corpo
sofrendo muito por amor de Deus,
pois gravou em sua pele rósea
a Via-Sacra do Senhor dos Passos.
E nenhum tigre a ofendeu jamais;
e o leão Nero que já havia comido dois ventríloquos,
quando ela entrava nua pela jaula adentro,
chorava como um recém-nascido.
Seu esposo - o trapezista Ludwig - nunca mais a pôde amar,
pois as gravuras sagradas afastavam
a pele dela o desejo dele.
Então, o boxeur Rudolf que era ateu
e era homem fera derrubou Margarete e a violou.
Quando acabou, o ateu se converteu, morreu.
Margarete pariu duas meninas que são o prodígio do Grande Circo Knieps.
Mas o maior milagre são as suas virgindades
em que os banqueiros e os homens de monóculo têm esbarrado;
são as suas levitações que a platéia pensa ser truque;
é a sua pureza em que ninguém acredita;
são as suas mágicas que os simples dizem que há o diabo;
mas as crianças crêem nelas, são seus fiéis, seus amigos, seus devotos.
Marie e Helene se apresentam nuas,
dançam no arame e deslocam de tal forma os membros
que parece que os membros não são delas.
A platéia bisa coxas, bisa seios, bisa sovacos.
Marie e Helene se repartem todas,
se distribuem pelos homens cínicos,
mas ninguém vê as almas que elas conservam puras.
E quando atiram os membros para a visão dos homens,
atiram a alma para a visão de Deus.
Com a verdadeira história do grande circo Knieps
muito pouco se tem ocupado a imprensa.


Do livro A túnica Inconsútil 1938



Rafaela Valverde

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Poesia do acerto

Imagem da internet
Divagando tresloucada
Varando a madrugada
Saudando a desvairada
Paixão
Que chega sem pedir licença
Criando enormes desavenças
Desavenças internas?
Divindades maternas?
Doçuras eternas?
Atração
Coisa de quem não se desvencilha
E mesmo sendo filha
Filha da solidão,
Do medo e da tensão
Delas não sou mais refém
E até fui além
Falei e continuarei falando
Que estou te amando
Via mensagem, via ouvido
Via poesia
De todas as maneiras possíveis
Que esse mundo alucinado
Proporcione
Intencione
A mim amar
Como a ti venho amando
Até o dia raiar
Noites insones
Desvairadas
Tresloucadas
Desequilibradas
Imagens na madrugada
E como quem não quer nada
Você me laçou
Meu coração voou
E agora está contigo
Se aninha
E finalmente encontrou abrigo




Rafaela Valverde

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Via Láctea XIII - Olavo Bilac

Imagem da internet
"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas".





Rafaela Valverde

Filme Melancolia

Imagem da internet
Vi no final de semana o filme Melancolia de Lars von Trier, um diretor tão odiado e tão amado e que causa em seus filmes. A obra fílmica foi lançada em 2011 e conta com Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg, Alexander Skarsgård  entre outros no elenco. Charlotte inclusive trabalhou Ninfomaníaca, um outro filme do diretor.

O filme é classificado como Drama, ou Ficcção Científica e traz de perto a vivência da depressão. Um planeta de nome Melancolia está se aproximando da terra e isso causa certa preocupação em alguns personagens do filme. Outros já têm seus próprios conflitos internos como é o caso de Justine (Kirsten Dunst). Ela que desiste de casar logo no início do filme, passa a questionar sua vida e a viver num estado avançado de depressão.

Ela conta com a ajuda da irmã Claire (Charlotte Gainsbourg) que junto com a sua família acolhe a irmã  e passa a investigar ou esperar o planeta que pode ou não se chocar com o nosso planeta. O filme é tenso, paradão, às vezes triste, às vezes chato... Mas quem já conhece von Trier e suas câmeras quase caseiras vaio entender que é o seu estilo e é esse estilo que mais me atrai nele. É um dos meus diretores preferidos. Para quem gosta eu recomendo.



Rafaela Valverde


Críticas desconstrutivas

Imagem da internet
Estamos na era da crítica. Principalmente a crítica infundada, aquela que não é construtiva, só é sádica. Só dá prazer para quem critica. Não ajuda  ninguém. Parece que virou crime elogiar. é feio dar alguém os louros do seu trabalho, ou elogiar uma característica ou talento inato. Parece que se a pessoa fizer algum elogio ela vai passar a ideia de molenga. Vai passar por alguém frouxo. Calma, gente!

As coisas não precisam ser assim. Ser duro e frio não é legal. Não dá a aparência de ser mais forte. Quem critica despropositadamente pode até se sentir bem, mas a outra pessoa pode se ofender ou ser ferida de uma forma tão profunda que  pode ficar difícil recuperar. A crítica desconstrutiva pode ajudar uma pessoa a melhorar, porque ela vai usar as palavras negativas como impulso para melhorar. Portanto essa crítica pode fazer a pessoa desistir de tudo que ela sonhou.

Fechando os olhos para as pequenas conquistas e coisas boas que a pessoa faz e só enxergar o que se vê como ruim, mas não necessariamente é, pode ser bem prejudicial. Não necessariamente as coisas ruins se sobressaem. Basta saber olhar, olhar com sabedoria e tentar entender o que a pessoa quis fazer. Claro que não se nasce com essa capacidade. Aprende se aos poucos a ter mais tolerância com o outro.

Mas não. Hoje se a pessoa faz uma apresentação de dança, a dança está boa mas ela está gorda. Se alguém escreve um texto, só se enxerga os erros de português; se muda o visual, a cor do cabelo está feia; se faz uma comida, está sem sal. Pessoas que só criticam são aquelas que tem dificuldades em ver o lado positivo das coisas. Tenho medo dessas pessoas às vezes. É muita negatividade. É muito dedo apontado para os outros.

E o pior que na maioria das vezes, ao apontar os erros dos outros e criticar da pior forma, esquece se dos seus próprios defeitos. Isso é triste, é desagradável. Logo se identifica a pessoa que só faz criticar. Para ela nada está certo ou só o que ela produz é o certo. Essa pessoa tem grande dificuldade em elogiar até porque pode ser que ela mesma não consiga fazer nada direito.


Rafaela Valverde

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Harry Potter e a Pedra Filosofal - J. K. Rowling

Imagem da internet
Terminei de ler o livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, o primeiro livros da saga do bruxo e sua turma. Há tempos que eu sentia interesse em ler, mas achava meio infantil eu nessa altura da vida ler Harry Potter né. Mas como fui idiota, é uma estória atemporal e pode ser lida por qualquer faixa etária.

É uma leitura gostosa, engraçada e que prende quem está lendo. Me peguei várias vezes dando risada durante a leitura. Risada alta.  Me diverti muito e me encantei com a estória. Nada mal ter um pouco de fantasia na vida afinal de contas. Não vou falar nada sobre o enredo do filme que foi lançado em 2001. A maioria já conhece.

Pois quem não leu o livro pelo menos viu o filme e já é bem fã. Na verdade não conheço ninguém que tenha lido ou visto o filme e que não seja fã. São fãs até bem histéricos, eu achava. Ou acho. Ah não vou mudar de opinião só por que li e também virei fã. É isso, são meio fanáticos literalmente, mas certamente têm um motivo. Ou vários motivos. Eu achei a estória encantadora. Aventura, mistério, humor e são páginas muito bem escritas. É isso, mais uma PotterHead no mundo. Eu! Que venham os próximos livros de HP, que venham minhas próximas leituras. Porque ler é a coisa mais incrível do mundo!


Rafaela Valverde




Filme Letters to Father Jacob

Imagem da internet
Ontem vi o filme filandês Letters to Father Jacob sem tradução em português,mas significa Cartas para o Pare Jacó. O filme foi lançado em 2009 e é considerado uma das pérolas do Netflix, por ser um filme fora do contexto hollywoodiano entre outros motivos, especialmente pela simplicidade, interpretações espetaculares e belíssima fotografia. 

Leila é uma ex presidiária que após indulto da sua pena, sai da cadeia para ir trabalhar lendo e respondendo as inúmeras cartas enviadas ao padre Jacó que é cego. A narrativa é densa, dura. São diálogos precisos. Há uma beleza implícita que termina de uma forma emocionante, surpreendente e ao mesmo tempo previsível. 

Só algo muito genial  pode ser surpreendente e previsível ao mesmo tempo. Para quem gosta de filmes calmos, lentos, que narram a vida como ela é, assim como eu gosto vai gostar de ver esse filme. Quem gosta de cinema de verdade vai gostar. É uma obra de arte, recomendo totalmente. Fora que é bem curtinho, apenas 75 minutos. Cinéfilos de plantão, atentai vos!


Rafaela Valverde

sábado, 2 de julho de 2016

Coerência e Coesão

Imagem da internet
Para um texto ser considerado texto é necessário que ele tenha, entre outras coisas, coesão e coerência. Um texto não pode ser e não é um amontoado de palavras soltas. Ele deve seguir uma unidade lógica e semântica que fornecem objetividade e clareza para o texto. Qualquer texto deve dizer para que veio em suas primeiras linhas e essas duas coisas ajudam muito nisso.

A coerência pode ser considerada a configuração do texto. A configuração de seus conceitos e das relações da  sua superfície, ou seja como um texto se constrói e se estrutura visualmente, pode se dizer. A coerência é fundamental para garantir a textualidade porque é responsável pelo sentido do texto. 

A coerência, além da lógica e da semântica contribui para o aspecto cognitivo já que auxilia na troca de conhecimentos entre os interlocutores. Nessa troca há a construção de sentido, como já visto acima, e a necessidade de ter conhecimentos prévios para o entendimento do texto. Para que o leitor compreenda um texto qualquer ele precisa pressupor e inferir as mensagens passadas no texto. Um texto coerente conta com mecanismos cognitivos que farão o leitor inferir e ativar os conhecimentos que já tem, podendo assim compreender melhor o texto.

Para que um texto seja coerente ele deve ser coeso. Um texto com coesão é aquele texto "amarradinho". A coesão faz parte da coerência e não existe uma sem a outra. Ela pode ser considerada a manifestação linguística da coerência. Pode ser as palavras de união das frases, o que dá a liga ao texto. Os aspectos linguísticos de ligação de elementos do texto. A coesão além de tudo facilita a intertextualidade.

A coesão é a forma com que os conceitos e relações do texto se mostram na superfície. Ela é responsável pela unidade do texto e conta com mecanismos gramaticais e lexicais como: pronomes anafóricos, artigos, elipse, concordância, conjunções, etc. Eis alguns exemplos dos aspectos coesivos e conectivos: "inicialmente", "primeiramente", "além disso", "do mesmo modo", "bem como", "enfim", "dessa forma", "ou seja", etc.

Bem para finalizar, o que deve ser dito é que a coerência e a coesão promovem uma inter-relação semântica entre os elementos do discurso, trazendo assim conectividade textual. A coerência é sobre o nexo entre os conceitos e a coesão é a expressão desse nexo no plano linguístico. Como já foi dito elas duas são fundamentais para que um texto seja realmente considerado um texto.


Fonte: Redação e textualidade - Maria da Graça Costa Val - Cap. I




Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...