segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

A menina das letras

Imagem da internet
Sempre fui a menina das letras. Sempre fui a menina dos rótulos, das bulas de remédios e dos manuais de todos os móveis e eletroeletrônicos e domésticos que eram comprados lá em casa. As letras juntas em palavras, constituindo frases e formando textos sempre exerceram um fascínio sobre mim,

Sempre fui a menina que lia tudo e que sempre tinha a resposta na ponta da língua, e que quando não tinha essa resposta ia buscar nos livros, já que a internet era mais remota nesses tempos longínquos. Sempre estive acompanha por um livro, revista ou qualquer coisa para ler. Durante os almoços de família não era permitido, mas aí eu arrumava outros locais mais solitários como o banheiro (rsrsrs). Na minha bolsa sempre tem um livro e essa é uma regra básica!

A leitura sempre foi presente na minha vida. Como eu já disse, sempre fui a menina das letras, aquela que muitas vezes foi considerada esquisita, mas que nunca ligou. Afinal de contas havia mundos muito mais interessantes nos livros, gibis e outras revistas. O mundo das letras e das palavras sempre me pertenceu e eu a ele. E com eles eu sou possessiva, não os deixando por nada! E nem eles me deixam. Os livros me conquistam a cada dia que passa e eu sempre faço questão de tê-los perto de mim.

Ao contrário da maioria das pessoas adeptas à internet e das pessoas sobreviventes nesse século, os livros sempre têm o que me dizer! Mesmo que seja o mesmo livro, ele sempre vai me dizer algo, sempre vai me servir para algo e sempre vai me preencher. Eu amo as letras, as palavras, os textos, os livros. E eles me amam! Eu amo cheiro de livros, cor de livros, fontes das letras impressas, tudo. Tudo mesmo. Mas o que me encanta é o que há dentro deles, as histórias, a magia, o encantamento... 

Quem não tem essa paixão pelos livros nunca vai conseguir entender, mas a gente, os aficionados, nós entendemos e continuamos amando, esses que são a melhor invenção! Enfim, mesmo quando estiver velha, continuarei sendo eu, continuarei amando os livros e continuarei sendo a menina das letras.



Rafaela Valverde

Filme Boyhood - Da infância à juventude

Imagem da Internet
                                


Ontem vi o filme Boyhood - Da infância à juventude de 2014. O filme tem quase três horas e ficou bastante famoso após ser sabido que ele levou doze anos para ser concluído. O filme acompanhou o crescimento do protagonista e de sua irmã na trama, que começaram o filme ainda crianças, até alcançarem a idade de ir para a faculdade. 

O filme conta com Patrícia Arquette e Ethan Hawke no elenco e eu gostei bastante do filme. Por ser do estilo que eu gosto, paradão, narrador de fatos cotidianos, etc. É um filme bem feito, com uma genial narrativa acerca da vida e do quão é difícil crescer. Em algum momento eu acabei me vendo ali, tentando me lembrar da minha infância e da minha adolescência, com os conflitos dos pais e os próprios conflitos internos.

Eu acho esse tipo de filme realmente incrível. O filme tem uma excelente fotografia, atuações que se mantém e enfim, é um filme que por se só já é genial. Eu nem tenho mais o que falar sobre ele e sobre as sensações que despertou em mim. Recomendo.




Rafaela Valverde

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Xoxotas ambulantes!

Imagem da internet
Ontem estava fazendo meu xixi num banheiro da UFBA quando vi uma pequena discussão escrita na porta do banheiro (Sim, mulheres adultas riscam as portas dos banheiros de uma universidade! Pasmem!). A discussão era sobre o feminismo. Uma primeira escreveu com letras enormes que era para a gente "procurar o que fazer", que isso de feminismo era balela, etc.

Daí foram seguindo várias frases e argumentos contra ou a favor ao movimento. E eu ainda perdendo meu tempo para ler. Mas enfim... uma que me chamou mais atenção foi a seguinte: " ... homens não se importam com vocês e só veem vocês como 'xotas' ambulantes." E acabei refletindo um pouco sobre isso ao longo do dia de ontem.

E em minhas reflexões tive que concordar com essa frase, infelizmente. Não é de hoje que venho criticando o comportamento dos homens no sexo e assim continuarei enquanto minhas experiências me mostrarem que assim devo agir. Pois bem, hoje com toda a certeza consigo afirmar que os homens só enxergam nossa xoxota. Eles querem meter e meter. Como se o sexo fosse apenas isso.

Preciso pedir para vocês deixarem de serem idiotas e enxergar o sexo de forma mais ampla. Na prática não existe preliminares, o homem acha que só por que a mulher gosta de transar e já é bem animadinha, que ela já vai estar pronta e que ele nada precisa fazer. Que ilusão. E que preguiça, hein! Não, meus queridos. ENTENDAM ISSO DE UMA VEZ POR TODAS: MULHERES E XOXOTAS PRECISAM SER ESTIMULADAS!

Não basta meia dúzia de lambidas com má vontade e uns dedinhos só para molhar o suficiente para meter. Aquilo não vai molhar tão bem e nem para você vai ser tão prazeroso, como seria  se estivesse bem molhadinha. Vai dar atrito, não vai ser legal. Agora imagine para quem está recebendo o seu idolatrado pau no seco, sem lubrificação natural e de repente, sem nem um carinho? É só questão de ser um pouco inteligente e refletir.

Além de não olharem e não estimularem nosso corpo como precisamos e merecemos (nossos seios e partes internas das coxas, grandes pontos erógenos do corpo feminino ficam esquecidos), não há beijo, nem contato, nem olho no olho e nem respeito. "Eu só me interesso pela sua vagina, estando ela bem lubrificada ou não, você sentindo prazer ou não. Eu quero meter, gozar e pronto!" É essa a mensagem que vocês passam para a gente. Só peço que apenas parem, porque daqui a pouco nenhuma mulher vai querer transar com vocês. E isso é um fato, não sou eu apenas quem está dizendo não.

Somos seres humanos, pensantes com mais de um metro de altura, pele, carne, lábios, orelhas, mãos, pernas, coxas, bunda... Tanta sensibilidade, tanta pele, tantos pontos de prazer criados pelo bom e maravilhoso Deus e vocês apenas se importam com a cavidade quente e escura que temos entre as pernas? Assim fica um pouco difícil ajudar vocês, né? Sempre que tiver uma experiência, onde apenas a minha xoxota importará, onde ela e somente ela será a protagonista de um momento tão incrível, eu vou reivindicar, ou simplesmente vou parar. 

Ser penetrada é o último detalhe para as mulheres e nem ligamos se esse momento não acontecer! Se for assim é melhor ficar mesmo com o nosso bom e velho amigo vibrador! E pelo amor de Deus parem de usar lubrificante! Odiamos isso, temos nossa lubrificação natural, não precisamos de recursos artificiais. Vocês é que são tão antas que não sabem despertá-la. É tão fácil. É tão mais fácil do que comprar lubrificante em uma farmácia, apenas prestem atenção no corpo que está ao seu lado, no ser humano que está em cima ou embaixo de você.



Rafaela Valverde

Carranca - Vivendo do Ócio



Meu barquinho vai subir o São Francisco
Como quem sobe os degraus de uma igreja
Não vou entregar minha cabeça em uma bandeja
Quero morrer na peleja

Descubra o que você ama e deixe que isso te mate
Tudo vai te matar, essa que é a verdade
Descubra o que você ama e se entregue sem temor
Tudo vai te matar, melhor morrer de amor

A gente tem que viver
Sorrindo quando é pra chorar
Pra fazer a morte tremer
De medo de vir nos buscar



Gosto imensamente dessa música, ela é do novo CD da banda Vivendo do ócio, Selva Mundo e ela me passa uma mensagem de luta e perseverança e é assim que eu permanecerei.



Rafaela Valverde

Bem no fundo- Paulo Leminski

Imagem da internet


No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais

mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Série Orange Is the New Black

Imagem da internet

Terminei de assistir a série Orange Is the New Black. A série estreou em 2013 e eu como sempre assisti atrasada e acabei de terminar a terceira temporada, já na boca de começar a quarta, o que acontecerá esse ano ainda.

Algumas pessoas já me falaram que a série é chata, mas eu gostei bastante. É uma série que tem comédia e ao mesmo tempo uma grande carga dramática. A série traz a protagonista Piper Chapman que depois de alguns anos vai para a prisão, após participar de uma quadrilha de tráfico de drogas com a sua ex namorada Alex. Daí ela vai prisão e a história vai se desenrolando com as histórias das outras detentas, que são muito fortes e emocionantes. Os crimes que elas cometeram, enfim.

Várias confusões vão acontecendo no decorrer da série, o que vai tornando a coisa cada vez mais divertida. As personagens são envolventes, há relações lésbicas  na prisão,, corrupção, envolvimentos com as pessoas do lado de fora e muito mais. Para quem gosta do estilo eu recomendo. Na verdade eu sempre recomendo experimentar as coisas, por que só assim é possível gostar ou não.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Filme Chatô, o Rei do Brasil

Imagem da internet
Quando o filme começou eu já o achei um pouco estranho, pois achei que seria um filme biográfico sério e dramático como os grandes filmes biográficos americanos, ingleses, etc. Claro que pode ter pitadas de humor, mas achei escrachado demais.

No decorrer do filme me perguntei: "vinte anos pra isso?" Em minhas memórias busco o pouco que sei sobre Assis Chateaubriand e me lembro de uma série da globo que falava sobre o Modernismo brasileiro e ele era um dos personagens, mas sei também que ele foi um jornalista visionário, dono de veículos de comunicação e ligado à política. Ele ampliou a forma de se comunicar no Brasil e a minha dúvida é se ele não fosse nordestino se o filme seria retratado dessa mesma forma, ou se seria mais sério. Fica a pergunta. Ele era paraibano.

Achei que o filme pode ter avacalhado a memória de Chatô, como ele era chamado. Apesar de saber que ele teve seus defeitos e métodos escusos e antiéticos de trabalhar, etc. O filme mostra a vida dele, sua amizade com Getúlio Vargas, seus dois casamentos etc, mas mostra ele no leito de morte também e um sonho com um julgamento -programa de TV irônico e que era para se engraçado. Mas não é. O filme conta com Marco Ricca, como Chatô, Paulo Betti como Vargas, Andrea Beltrão, Leandra Leal, Gabriel Braga Nunes e outros grandes nomes com vinte anos a menos. E o mais estranho de tudo é ver esses atores vinte anos mais novos e lembrar do escândalo que envolveu o filme, cujo o diretor é o também ator (e fraco) Guilherme Fontes. Ele participa ridiculamente do filme. Bem, se não conhecem o escândalo desse filme, pesquisem, assistam e tirem suas próprias conclusões.



Rafaela Valverde

Platão, a poesia e a mimese

Imagem da internet
Platão em suas ideias acreditava que textos literários como fábulas deveriam ser pré selecionados antes de serem ouvidos pelas crianças. Ele afirma ainda que características de deuses e heróis narradas nas histórias devem ser censuradas se mostrarem mentiras. Platão escreveu em seu livro A República que nao se deve contar ou retratar lutas e inimizades desses deuses e heróis com seus familiares.

As crianças não são capazes de distinguirem o alegórico do real e portanto as primeiras histórias ouvidas por elas devem ser as mais nobres possíveis. Daí entra um dos motivos da aversão de Platão à Homero  por exemplo, já que suas histórias contém elementos como esses rejeitados pelo filósofo.

As fábulas mais poéticas devem ser evitadas pelas crianças, pelas pessoas que buscam a liberdade e pelos guardiões da cidade, esses últimos por receio de que fiquem "moles" demais. Com isso é possível perceber instruções diversas contra as poesias e como devem ser as "verdadeiras" obras poéticas e sobre as que não podem ser contadas livremente. Devem ser selecionadas as melhores.

Mas o que seriam as melhores? Aquelas histórias que não tornem alguns muito sentimentais e nem tampouco outros muito frios e/ou violentos. Segundo Platão, a imitação (mimese) deve imitar para as crianças bons sentimentos para quem ouvir ou ler. Sentimentos baixos ou vícios não devem ser praticados.

Para Platão tudo era a representação  do real e em seu mundo das ideias não havia espaço para a poesia. Pelo menos não para esse tipo de poesia. O tipo de obra mimética que é totalmente recusada em alguns momentos pelo filósofo, por ser a "destruição da inteligência" e por mascarar possíveis entendimentos.

Através dessa obra, o leitor é enganado e se afasta da verdade três vezes, já que a poesia seria a representação da representação do real. Na poesia não há nenhum conhecimento, guerra ou boa administração que possam ser apreendidos. "Os poetas não atingem a verdade. Os poetas mentem." Mas ainda assim há o reconhecimento do encantamento que a poesia pode causar. Apesar de em nada contribuir para a administração da cidade.

O que pode ser compreendido portanto das ideias de Platão é que a poesia encanta e só. De resto não há mais nenhuma utilidade nela. Ele acreditava ainda que a poesia e seus autores deveriam estar mais concentrados na filosofia e em alguma utilidade prática na Politeia e não apenas na mimese, O papel social da poesia deveria ser educar e auxiliar na formação do pensamento crítico e não apenas imitar sentimentos e ideias por todo o tempo. Essa mimese realizada o tempo todo não traz reflexões, saberes filosóficas e discernimento por parte dos poetas.

Para Platão a boa mimese seria guiada pela filosofia e essa sim teria utilidade dentro da Politeia. Ela teria a reflexão em sua essência e assim as pessoas conseguiriam discernir o que é real. Por isso é possível concluir que Platão não rejeita totalmente a poesia mimética, ele a ama mas a critica ou critica mas a ama. Critica os exageros dos poetas e se preocupa com a ética e a política envolvidas na poesia, ou a falta delas, assim, ele se preocupa como já foi dito, com a educação de sua cidade.



Rafaela Valverde

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Suas festas e saídas, minha estupidez!

Imagem da internet
Você tem passeado e curtido bastante enquanto eu estou aqui me lamentando por ainda te amar. Eu sou mesmo uma estúpida, por que te amo e por que sinto sua falta em momentos ruins da minha vida, como ontem que fui roubada e só tinha vontade de ouvir a sua voz me acalmando, me consolando. Sinto necessidade de você me abraçando em momentos péssimos como esses, em que  fico muito nervosa.

Mas aí lembro que você não está aqui. Oh como sou tapada, idiota. E você se divertindo. Indo para shows, ensaios, praias e curtindo a vida que nunca quis curtir comigo. Comigo era só o trivial, filmes no final de semana com pipoca. E só. E olhe lá. Você nunca saiu assim comigo, a praia sempre tinha gente feia, carnaval e shows tinham ladrões; sempre havia uma desculpa para ficarmos em casa. Até o camarote que recusou quando estava comigo você foi esse ano. Será que eu sou assim tão feia e esquisita que você tinha vergonha de sair comigo?

Eu fico tentando entender o que vou fazer com tanto desgosto e frustração. E olhe que ao contrário do que você pensa (mas também foda- se o que você pensa), eu não estava te stalkeando, como é o seu sonho. Eu fui apenas ver se conseguia falar com você, já que estou sem celular. Te dizer que estou só, te contar o que aconteceu e que eu precisei de você. Aí vi que já estava tendo acesso ao seu Facebook, você havia me desbloqueado e  aí vi as suas fotos, você se divertindo em lugares que nunca, NUNCA QUIS ESTAR COMIGO. Você acha que isso não dói?

Você acha que eu não sofro até hoje? E olhe que esse texto não tem a intenção de te "agredir" como você fala, é apenas uma forma de que você saiba o que ando pensando e o que tudo isso ainda reflete em mim, na minha vida, já que a gente não conversa mais.  Eu não converso mais com ninguém, O que eu fiz para você agir assim? O que eu fiz de errado? Me conta, o que eu fiz para você? Será mesmo que você encontrou e encontrará alguém melhor que eu? Fico me perguntando se alguém gostará mais de você do que eu e se alguém será e te tratará como eu. Não. Você sabe que não. Eu fui tão miserável assim com você? Por que você acha que só sem mim é que pode se divertir, ir à praia à shows se eu passei anos te implorando para você me levar para sair. Eu passei anos pedindo para você me levar apenas ao Cristo da Barra. E você nunca levou!

Você sabe o quanto eu tenho sofrido e não, não diga que é apenas responsabilidade minha o meu sofrimento. Você sabe que tem grande parcela de culpa nisso. Você sabe que eu mudei e não fico mais falando "essas coisas" para você, simplesmente por que o meu maior desejo é tirar você de vez da minha cabeça e da minha vida. Mas eu não consigo. Você sabe que eu não consigo e que nunca vou conseguir. Me desculpe, não tive a intenção de espionar você, sua vida é sua e você deixou isso bem claro, mas ver a sua mudança de atitude em relação à festas, curtição e saídas me doem profundamente. Saber que passei muitos finais de semana te implorando para a gente sair e você nunca, ou quase nunca estava disposto assim e quando ia criticava, agora continuo aqui sozinha e sem sair, enquanto você repentinamente mudou de ideia. 

Não entendo e não entenderei por que eu estava atrapalhando sua vida. Não entendo em que te atrapalhava de sair e curtir, o que agora você faz, com um sorriso no rosto, sem remorso e eu aqui sofrendo. Poderia sair com você, pois fui em quem sempre ficou em casa por causa de você e não o contrário!  Se alguém me atrapalhava de viver, era você.

Desculpe é inevitável, eu não vou deixar de sofrer. Isso não vai passar, mas não é culpa sua e eu não estou te agredindo, por favor! Me entenda. Entenda essa essa mulher que te ama tanto e sofre de saudade de você, sofrendo ainda mais por saber que você nunca queria sair com ela e agora que gosta de sair dispensou ela. Ela não presta para curtir a sua vida com você, ela não presta para desfrutar de momentos em que você está de boa, com tempo livre, ela não presta para te amar. Ela só prestou para dividir as contas e passar perrengue quando você estava duro, para ficar em casa vendo filme quando você não gostava de sair e para lavar as suas cuecas. Desculpe meu amor, não está sendo fácil e desculpe eu não consigo te esquecer. E mil perdões por ainda te amar e querer que essas saídas fossem comigo. Não sei se você merece. Provavelmente não...



Rafaela Valverde

Amado - Vanessa da Mata

Tenho me feito constantemente a pergunta do início da música e tenho ainda feito as reflexões sobre as frases amorosas e de lamento que existem nessa música e sobre a atual conjuntura da minha vida e dos meus sentimentos.





Como pode ser gostar de alguém
E esse tal alguém não ser seu
Fico desejando nós gastando o mar
Pôr do Sol, postal, mais ninguém

Peço tanto a Deus
Para esquecer
Mas só de pedir me lembro
Minha linda flor
Meu jasmim será
Meus melhores beijos serão seus

Sinto que você é ligado a mim
Sempre que estou indo, volto atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só
Esperando um sim ou nunca mais

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer

Sinto absoluto o dom de existir,
Não há solidão, nem pena
Nessa doação, milagres do amor
Sinto uma extensão divina

É tanta graça lá fora passa
O tempo sem você
Mas pode sim
Ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você
Quero dançar com você
Dançar com você

Link: http://www.vagalume.com.br/vanessa-da-mata/amado.html#ixzz411LX4Vlq


Rafaela Valverde

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Saudade

Imagem da internet
Saudade. Senti saudade essa semana quando coisas estúpidas me aconteceram e eu não podia pegar o telefone e ligar para você. Eu não podia ligar para ninguém, mas para você eu deveria poder. Eu nunca vou entender a injustiça disso. Eu senti saudade essa semana, no mês passado e senti também no mês anterior que ainda era 2015, um ano velho e horroroso. O ano cujo essa saudade começou, um ano impar para ficar na minha história. Viu? Por isso eu odeio os anos ímpares, apesar de ter nascido em um. Principalmente por ter nascido em um .

Eu sinto saudade. Apesar de nem sempre admitir. Apesar de ultimamente ela não estar mais tão intensa, mas ainda está lá no meu coração. E quando ela vem, ela é avassaladora, destruidora. Aí eu volto a pensar, volto a chorar. Mas não choro de sofrimento, dor ou inconformismo. Não, eu já aprendi a me conformar com essa ausência. Eu choro de saudade mesmo, de falta. Como se fosse uma falta física daquelas que doem forte. Tipo o estômago que ronca quando sente falta de comida.

Às vezes acordo e penso que você está ao meu lado na cama e que estamos dormindo de conchinha, a nossa conchinha mal feita, eu jogada por cima de você. Você sem roupa e em tempos de calor como esses, eu também e o ventilador ligado. Aí eu acordo e não é verdade. Às vezes eu escuto a sua voz e sinto falta do seu abraço, sinto falta de você falando e cantando letras românticas em meu ouvido. Sinto saudade da sua pele, do seu cheiro, do seu toque, do fato de você estar sempre com pouca ou nenhuma roupa. Isso tudo me atrai. Sempre me atraiu. E me atraiu em você desde o primeiro instante em que reparei em você. Eu nunca vou me esquecer esse dia. O dia em que eu resolvi tirar a cara do meu livro e olhar para você. Nunca uma interrupção de leitura foi tão boa.

Sinto saudade de tudo até mesmo dos seus roncos, do seu jeito bagunceiro e hoje estava em uma lojinha e vi artigos e enfeites do Vitória. Até cheguei a olhar o preço e a pensar o quanto você ficaria feliz com uma caneca daquela. Mas aí depois eu me lembrei que não. Você não está mais aqui. E eu não tenho mais alegria em relacionar a minha pessoa a esse time de futebol. A minha ligação com ele era você. 

Eu fiz um poema falando sobre a dor da ausência e sobre essa saudade intensa que me corrói, mas eu nunca vou publicá-lo e nem mostrar a ninguém. Ele é intimo demais. Ele é meu sentimento. Meu sentimento de saudade, meu sentimento de ausência da sua presença em minha vida. Meu desabafo. Assim como esse texto. E olhe que eu parei de ficar falando nesse assunto em minhas redes e tenho levado minha vida como se você tivesse morrido. Mas quando deito para dormir na cama em que dormíamos juntos e nos travesseiros onde apoiávamos nossas cabeças eu penso em você. E quando acordo, é desejando você. É claro que isso não acontece todos os dias, afinal eu tenho mais o que fazer e acordo às vezes tão sobressaltada, atrasada e cansada que não vem a sua imagem. Mas essa semana foi bem difícil.

Foi uma semana que super pensei em você e no final de semana anterior quando estava na ilha pensava em quanto a minha vida está ligada a você. Olhei para o varal e havia uma camisa e uma sacola de pano que você havia me dado e pensei: "até quando essas lembranças vão permanecer?" Nossa, e os livros que você me deu e que têm suas dedicatórias que tantas vezes eu o obriguei a escrever? Esses me matam. A sua letra é linda, eu sempre disse isso. Você é uma pessoa linda. O último livro que me deu e que eu previ e profetizei que seria o último presente, e realmente foi, você fala assim: "sempre seu"e assina seu nome. Seu nome que é senha do meu e-mail. Seu nome. Mas não é sempre meu não, nem vai ser sempre meu, infelizmente. O último presente, eu adivinhei!

E para finalizar minha ladainha chata e repetitiva eu quero dizer que  há exatamente quinze dias eu fui ver minha minha vó e que aquela "pedra feia" que você tanto criticava e que fazia eu me divertir tanto ainda continua lá, revestindo  uma casa inteira em uma das ruas do bairro. Eu não posso passar por ali que a saudade vem à tona. É mágico, é lindo e eu lembro de você com amor. Eu amo você. E quando passei na casa da "pedra feia" eu ri, ri muito. Eu gargalhei na rua. É muita saudade, espero que passe de vez, espero que eu aprenda a conviver com ela, escondendo a bem fundo mesmo para que tudo isso que foi bom continue bom, mas que fique distante. Vou te amar para sempre.



Rafaela Valverde



Base mousse da Maybelline e Batom Really Red da Mary Kay

Agora vou escrever um pouco sobre maquiagem. Eu nem sei se já escrevi sobre isso aqui, mas tenho a intenção de começar. Então, vou falar sobre uma base da Maybelline e sobre um batom Mary Kay. A base  é essa aí:
Imagem da minha autoria

É  base Dream Matte Mousse, a cor pe natural bege e como o nome diz, ela vem em forma de mousse e é bem cremosinha e gostosa de passar. A vendedora da maybelline me informou que era possível passá-la com os dedos e que é uma base para quem quer facilidade, ou quem não tem muita experiência com maquiagem, como é o meu caso. Lembro que comprei essa base para o show de Los Hermanos aqui em Salvador, junto com o meu corretivo para olheiras que caiu no chão do meu quarto e sumiu. SNIF, mas esse é outro assunto. Vamos ao que interessa:

Realmente dá para passar com os dedos, ela não ai saindo não. Ao contrário, fixa bem e fica uniforme, com o final aveludado e ao mesmo tempo natural e com boa fixação. Só tem que passar pouco para não ficar estranho e espalhar bem. Como uso muito pouco, ainda tem muito produto que vem num potinho super charmoso de vidro de 18g. Custou 66,90, um pouco salgado o preço, mas acabou que valeu a pena, pelo tanto que ela vai durar. O vidrinho ainda está cheio.

O batom que quero falar hoje é o Really Red da Mary Kay e é um batom vermelhão super lindo que eu amo. Esse aí ó:
Imagem da internet
Bom, eu amo esse batom, mas ele me irrita bastante. Ele fica saindo, mancha tudo. É um inferno e tenho usado pouco. Tenho outros batons vermelhos de outros tons que não mancham tanto. Já pesquisei inúmeros truques na internet para que isso não aconteça, mas sempre acaba me dando trabalho. Já passo lápis ao redor dos lápis, hidratante antes de aplicar o batom, já fiz o truque do pó compacto, do papel higiênico. Já experimentei de tudo mas essa é uma característica muito negativa desse batom que é lindo e tem uma super duração. Ele custou 49,90 com uma consultora Mary Kay e o único problema que tem, para mim é esse. Gosto muito desses dois produtos e sempre que quero uma maquiagem mais elaborada eu os uso.

Recomendo!


Rafaela Valverde


Sempre demorei para aderir às redes sociais

Imagem da internet
Fui uma das últimas a ter e-mail, MSN, Orkut e o Flogão, aquele das fotos sabe? Nunca tive. Fui uma das últimas a deixar de usar o falecido Orkut e a aderir ao Facebook. É sou resistente. Sou taurina. Não vejo graça em ser como os outros e fazer tudo o que os outros fazem.

Só fui ter WhatsApp em 2014, por que apenas nesse ano comprei um smartphone furreca. Antes tinha um celular mais furreca ainda com toques polifônicos e teclado QWERTY. Última moda na época do seu lançamento. Tinha por ele um super carinho, foi presente. A comunicação era feita quase que exclusivamente via ligações e SMS. Sim, alguém ainda sabe o que é isso?

Só tive Instagram no ano passado e é uma rede que eu gosto muito. Enfim, sou lenta para aderir coisas como essas. Não gosto de estar na "crista da onda" (gíria velha). Mas não que seja algo totalmente intencional da moça turrona que sou às vezes, mas é uma característica minha mesmo.

Conheci o Tumbler em 2011 e fiz uma conta mas o meu interesse por ele não vingou. O snapchat, a rede da moda, é uma das coisas mais imbecis que eu já vi. E olhe que tenho visto muitas coisas imbecis ultimamente. 

Já o blog tenho desde 2008, pelo desejo que tinha de escrever para desabafar, falar sobre mim. Nessa época eu tinha 19 anos e nem sabia o que eu queria da vida. Eu nem sabia que escrevia bem, que era essa a minha maior paixão. Eu não sabia nada de mim mesma. Enfim, mas esse me conquistou bastante, desde sempre. 

Na verdade eu sempre acho que não dá para ter todas as redes sociais, ver todas as séries, ler todos os livros da moda, etc. Eu tenho meu ritmo próprio e sinceramente acho que essas pessoas que fazem tudo isso de forma muito exagerada não tem muita coisa de útil para fazer não. Pronto, falei!



Rafaela Valverde

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Trechos sobre os poetas do livro A República de Platão

Imagem da internet
Trechos do livro A República de Platão:

"Todos os poetas são imitadores da imagem e da virtude e dos restantes dos assuntos sobre os quais compõem, mas não atingem a verdade.
Poeta sabe, por meio de palavras e frases, colorir cada uma das artes, sem entender delas mais do que saber imitá-las.
Parecem falar muito bem com o metro, ritmo e harmonia e por isso exercem sedução natural."
(...)

"Poeta é propenso à representação do caráter arrebatado e variado, devido à facilidade de imitar.
 Poeta faz trabalho de pouco relevo em relação à verdade; deita a perder a razão; instaura na alma do indivíduo um mau governo, lisonjeando a parte irracional; está sempre a forjar fantasias, a uma enorme distância da verdade.
Poetas insistem em ações e sentimentos, rega- os para os fortalecer, quando devia secá-los e os erige em soberanos quando deviam obedecer, a fim de nos tornarmos melhores e mais felizes, em vez de piores e mais desgraçados.
Nada justifica a presença da poesia numa cidade bem governada, mas temos consciência do encantamento que exerce sobre nós.



Para Platão, os poetas para nada serviam, não podendo portanto, estar na Politeia, que era sua República, sua cidade existente apenas no mundo das ideias.



Rafaela Valverde

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Eu não acredito, mas há quem ame!

Imagem da internet
Eu estava sentada na área externa de um pequeno café, nas mesas que ficavam na calçada. Estava fazendo um dia agradável e eu lia um livro. Um romance besta daqueles que fazem meninas de quinze anos sonharem. Eu não. Não mais. Lia tudo aquilo e ria. A história de amor do livro. Não acredito mais no amor.

Como eu ia dizendo, estava ali sentada quando avistei um casal. Um casal que aparentemente se amava, ou achava que se amava. Eles trocavam carícias e aparentavam uma felicidade que eu realmente não sabia mais como era. E para falar a verdade não queria mesmo saber. E hoje não falo mais isso da boca para fora, falo tendo certeza.

Essa coisa toda de romance é ilusão. Leio livros como esse agora, apenas para me divertir. Me divertir às custas de alguém por que sei que há muitas pessoas por aí que agem dessa forma patética. Então eu leio algo do tipo de vez em quando. Literatura barata, nada demais. Eu lia e tomava meu café, às vezes um Whisky que não era da melhor qualidade mas dava para apreciar a brisa e o momento.

O casal vinte pediu um vinho. Não sei como essa gente pede vinho num lugar como esse. Deve ser caro e ruim, muito ruim. Mas também, eles não devem estar ligando muito para o vinho. Esses bobalhões. No exato momento em que o garçom chegou com o vinho eles gargalhavam. Após um tempo ficaram ainda mais soltos e felizes. O vinho começara a fazer efeito. No fundo eu achava ou sabia que esse apaixonamento todo era só uma invenção da nossa cabeça e do nosso corpo para nos fazer transar afim de perpetuar a espécie, E todo aquele blá, blá, blá já tão conhecido.

Aqueles dois aquela noite iam terminar na cama. Provavelmente não seria a primeira e nem a última vez, mas dessa vez a coisa seria diferente. Passaram pelo meu crivo. Fechei o livro, paguei a conta e arrodeei o restaurante, só para passar pela mesa deles. Dei uma boa sacudida no cabelo e uma desamassada no vestido, depositei o livro  "meloso" na mesa do casal, bem próximo a garrafa de vinho e atravessei a rua, saindo da visão deles. Não olhei para trás para estudar-lhes a reação, mas imagino que deve ter sido de total surpresa. "Vá, seus bobinhos, sejam felizes para sempre como eu não fui. Afinal alguém tem que ser. Se amem e vivam o conto de fadas de vocês." Alguém afinal há de acreditar no amor!



Rafaela Valverde

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Traduzir- se - Ferreira Gullar

Imagem da internet
Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?


De Na Vertigem do Dia (1975-1980)



Rafaela Valverde

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Devaneio - Jorge Vercillo


 Ontem estava ouvindo essa música e me dei conta de que venho me sentindo assim ultimamente.


Mergulhei no mar
e não dava pé
Me apaixonei
mas não sei por quem
Sonho com alguém
Que você não é

Eu me entreguei demais
Eu imaginei demais
e o silêncio fala mais que a traição
Foi um devaneio meu
um veraneio seu
e um outono inteiro
em minhas mãos

Vi um sol nascer
pelos olhos seus
me deixei levar
eu nao refleti
que era a luz dos meus
refletida em ti

Eu me entreguei demais
Eu imaginei demais
e o silêncio fala mais que a traição

Foi um devaneio meu
um veraneio seu
e um outono inteiro
em minhas mãos



Fonte: http://www.vagalume.com.br/jorge-vercilo/devaneio.html



Rafaela Valverde

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Umectação capilar com azeite oliva extra virgem

Imagem da internet
Ontem fiz uma umectação capilar pela primeira vez. Fiz com azeite de oliva.extra virgem. Eu nunca tinha feito, especialmente com o azeite que para mim tem um cheiro não muito agradável. Mas como estava achando meu cabelo muito feio e ressecado, procurei alguma coisa diferente para dar um up, além das hidratações que eu já uso semanalmente.

Olhei algumas meninas fazendo no youtube e resolvi fazer também. Umectação nada mais é do que uma nutrição e uma hidratação mais profunda. É simples, muito simples mesmo. Eu dividi o cabelo em algumas mechas  não muito certinhas. Seco como estava. E fui passando  boas quantidades de azeite nas mechas e enluvei até penetrar bem nos fios.

Fiz em todo o cabelo e coloquei um saco plástico deixando por uns quarenta minutos. Depois enxaguei, retirando todo o azeite. Lavei com shampoo, depois passei hidratação Novex deixei agir por uns minutinhos no banho mesmo e depois apliquei um pouquinho de condicionador e enxaguei tudo. Enxaguei bem. E sempre com água fria, tá?

Em seguida dei mais uma cortadinha nas pontas, hehehehe. E finalizei com o creme cachos definidos e com balanço natural, que já fiz resenha lá em baixo no texto anterior. O resultado hoje é um cabelo incrível. Bem definido, macio e com brilho. Ontem ele ficou meio lambido, mas já estava com brilho e sem aquele aspecto de ressecado. E o melhor, o cheiro não fica na cabelo. Enfim, gostei muito e agora sempre farei, inclusive com outros óleos.

Super recomendo. Bom e barato. ótimo resultado.


Rafaela Valverde

Creme Seda Cachos Definidos com Balanço Natural

Gente, eu descobri um super creme da Seda que é parecido com o cachos comportados, mas é denominado cachos definidos. Porém, ele promete cachos definidos com balanço natural. É um creme com tecnologia nutri seladora de cachos. Ele promete atuação por 24 horas.

Foto de minha autoria

Ele foi produzido por um expert de cachos de Nova York e com fórmula exclusiva, hidrata os fios para cachos vivos e sob controle durante o dia. E tem como indicação de forma de uso, usar sobre o cabelo úmido e modelar conforme o gosto.

Foto de minha autoria também
Bem, agora a minha impressão sobre creme: ele é um lançamento da seda, mas que para mim é super parecido com o cachos definidos. Até o cheiro é igual, mas ele é mais leve do que o seu antecessor. Na verdade é bem mais leve, da textura ao aspecto que fica o cabelo.

Com o cachos comportados o cabelo fica pesado e demora de secar, além de ficar com aquele aspecto durinho por mais tempo. Já esse não fica com muito aspecto durinho e o cabelo fica mais leve, realmente com mais balanço. A definição é incrível, dá maciez e o cheiro no day after fica incrível. Simplesmente amei, virou meu novo queridinho.



Rafaela Valverde

Filme Para Sempre Alice

Imagem da internet
Para Sempre Alice é um excelente filme. Eu o assisti por causa de uma indicação que vi na internet e também por causa de Julianne Moore que é uma excelente atriz. Alice é uma professora famosa de Linguística em uma Universidade quando começa a esquecer de penas coisas e até se perde durante o percurso de uma corrida.

Com o diagnóstico precoce de Alzheimer aos 50 anos, o tratamento é iniciado e Alice passa a se aproximar de sua filha mais nova vivida por Kristen Stewart. O que se se desenrola a seguir são ótimas cenas dessa atriz  maravilhosa dá um show de interpretação.

O marido é vivido por Alec Baldwin e este apoia ele desde o início. Ela grava um vídeo e escreve tudo o que tem que fazer no seu celular. É um filme emocionante e que vale a pena assistir. Não vou mais falar nenhum spoiler. Assistam, pois a interpretação de Julianne já vale super a pena.


Rafaela Valverde

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Filme Os Oito Odiados

Samuel L. Jackson
Quero falar agora sobre o filme Os Oito Odiados. O mais novo filme do meu diretor queridinho Quentin Tarantino. Fui ver no cinema ontem, na única sala que ainda está em exibição por aqui. Eu precisava ver esse filme no cinema. Fui e fiquei muito feliz.

Enfim, o filme tem Samuel L. Jacson, Kurt Russel, Jennifer Jason Leigh e ... Channing Tatum. Foi uma surpresa quando o vi no filme. Lindão! Adoro (rsrs) pesquisei que ele praticamente implorou para participar do filme, mandando vários e-mails para Tarantino.

A atuação de Samuel para mim se destaca, como sempre. Mas o filme conta com verdadeiros shows em interpretação. O filme é meio paradão. Na verdade ele é mais paradão do que os filmes de Tarantino que eu já assisti. Confesso que em alguns momentos senti sono. Mas dei umas goladas em minha coca e continuei achando genial aquele lentidão. Afinal, eu gosto de filme brasileiro e quem gosta de filme brasileiro sabe o que é lentidão... 

Mas o que é bom nessa lentidão é que eu nunca sabia quando que iria começar o banho de sangue. Uma das marcas do excêntrico diretor. Não vou contar nada  sobre o enredo do filme, leiam sinopses. Não estou afim de revelar nada, apenas as minhas sensações sobre ele. E apenas que ele é genial e eu gostei muito. Mas eu sou suspeita para falar, então...

Enfim, o final eu achei surpreendente, sei lá teve algumas reviravoltas importantes e um revival de cenas interessante. A trilha sonora é excelente e há solos de violão e piano. Super recomendo. Corram! Aqui em Salvador só está em cartaz no  Sala de Arte Paseo Itaigara. Bom filme.


Rafaela Valverde


Livro Amestrando Orgasmos - Ruy Castro

Imagem da internet
Terminei de ler o livro Amestrando Orgasmos de Ruy Castro. É um livro de crônicas, super divertido, onde ele escreve sobre vários assuntos. São crônicas já publicadas por ele em jornal. Ruy Castro já é um autor muito bom e esse é o primeiro livro dele que eu leio.

Ele fala sobre sexo sim. Mas há ainda escritos sobre a ciência, sobre os variados testes que cientistas promovem no mundo. Ruy sai ainda em defesa dos gatos, bichos tão inteligentes e heroicos e tão injustiçados. O que eu também concordo diga se de passagem.

Enfim, é um livro super divertido. Daqueles que faz a gente dar risada mesmo. Eu o li em poucos dias. É uma leitura tranquila, rápida, irônica e que a gente não sabe onde está a realidade e onde está a fantasia. Muito bom.


Rafaela Valverde

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Onze dicas sexuais para os homens

Imagem da internet
Hoje vou escrever algumas dicas para os homens no sexo. Queridos, entendam que os paus de vocês não são os centros do sexo e piorou do universo. Então eu vou começar uma série de "diquinhas" para vocês "omis". Para que o sexo seja bom para todos os envolvidos, ok? Ok. Pessoas, encarem isso de forma divertida, numa boa. E aproveitem as dicas, afinal eu sou mulher. Então o que eu disser aqui há de ter alguma serventia, não? Sim.

Então vamos lá: 

  1- Cuidem das cabeças de vocês, a de baixo é regulada pela de cima e essa deve estar desencucada, sem neuras e traumas. E quanto mais vocês afirmarem que vão brochar com camisinha, é exatamente isso que vai acontecer. É psicológico, como dizem por aí. Os paus de vocês não têm vontade própria, não são eles quem não gostam de camisinha. São vocês. 

 2 - Usem a maldita camisinha! Será que é muito difícil entender isso? Porra, vocês transam desde quando? Doze anos? E ainda não sabem usar essa merda? Vocês conhecem uma coisa chamada parceiros sexuais indiretos? Se não conhecem procurem no Google.

 3 - Chupem! Mas chupem com vontade. Não aquelas lambidinhas fajutas. Se têm nojo de boceta, então não gostam verdadeiramente de uma. Antes de meter, deixe a boceta bem molhadinha e o sexo será melhor para ambos. Especialmente para as suas parceiras.

 4 - Falem alguma coisa. Não precisa ser no ouvido e também não precisa ser eu te amo. Mas não fiquem calados, metendo. É estranho. Só falem alguma putaria de vez em quando, ou como aquele momento está sendo bom, se estiver sendo bom.

5 -  Não façam ou levem coisas absurdas sem avisar. Porra se coloquem no lugar das mulheres que estão com vocês. Imagina se elas aparecessem com um consolo bem grande. Vocês iriam achar no mínimo estranho e se perguntariam onde exatamente elas querem enfiar. 

6 -  Façam da transa um momento agradável e menos constrangedor. Ou sejam, sejam gentis e agradáveis. Massageiem, beijem e por mais que estejam ali apenas para isso, não deixem isso tão claro e evidente.  É questão de educação e de saber tratar uma mulher. Ah, não tenham tanta pressa! Carinho não faz mal a ninguém. Elas não vão se apaixonar e grudar se vocês forem carinhosos. Isso é mito.

7 - Curtam o corpo da mulher que está com você naquele momento. Lambam, mordam, apalpem, deem tapinhas na bunda, explorem. Sexo não é só pau e boceta, isso se chama reprodução! Nós mulheres temos muitos pontos erógenos no corpo que podem nos matar de prazer, mas vocês só enxergam a porra da boceta. Acordem!

8 - Aproveitem os momentos sensuais das preliminares. Olhem nos olhos. Beijem bastante. Sintam o tesão no ar, acariciem, toquem com delicadeza. Aprendam os momentos certos e a intensidade certa. Já começar metendo forte não é bom para as mulheres. Tem que ser aos poucos. Dedos limpos e certos nas horas certas também preparam melhor o clímax para ambos.

9 -  Se a mulher disse pare é pare. Se ela falar de dor, incômodo ou algo do tipo, não é mimimi e nem frescura. Se ela está falando que não está curtindo, por que continuar? É só um que curte, é? Sexo é unilateral, é? Até por que continuar metendo sem consentimento é estupro, ok?

10 - Tenham um bom papo. Inteligência, boa conversa e ouvi- la atentamente são afrodisíacos, sabiam? É uma pessoa e não uma boneca inflável, muda e sem expressão. Conversem, sejam educados e escutem!

11 -  Não, pelo amor de Deus, em nome de Jesus, não gozem fora.  A camisinha está ali para isso, lembram?Aprendam a se controlar. Se vocês estão gozando a mulher também podem estar. Parar bruscamente, tirar a camisinha e ejacular (em cima dela) não é nada legal. Mulheres (eu pelo menos) gostam de ouvir e sentir vocês gozando dentro da gente. No final é uma das maiores satisfações, depois de gozar, ouvir e saber que alguém gozou com a gente e dentro da gente.


E aí? Deu para entender?



Rafaela Valverde  

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Sim, quero romance!

Imagem da internet
Eu quero romance. Eu não tenho vergonha na cara por que eu continuo querendo romance, eu continuo querendo conto de fadas. Eu continuo querendo alguém para me perguntar como foi o meu dia no final dele. Essa pergunta é a mais crucial de todas. Perguntar isso demonstra que se importa, demonstra que realmente se quer saber e escutar atentamente faz parte do ritual da pergunta.

Eu continuo querendo ser amada, apesar de tudo. Apesar de ter vivido uma enganação, onde eu achava que o era, eu ainda tenho fé e esperança na humanidade e na minha chance de viver outro belo romance. Eu ainda quero ficar quietinha no final de semana e apenas relaxar assistindo filme com pipoca e brigadeiro. Principalmente em dias frios. Nesses dias quero ter outros pés para enroscar meus pés.

Quero andar de mãos dadas por aí e nossa, como eu demorei para admitir isso! Chega de me enganar. Eu quero alguém que escute os meus desabafos, minhas angústias, revoltas e minhas pirações. E ainda minhas piadas sem graça. Elas são sem graça mesmo, alguém topa? Eu falo muito sobre cabelo, alguém? Eu esqueço que sou taurina e não tenho encanação com o fato de a outra pessoa ter seus momentos sozinha. E aí?

Eu quero companhia para não ter mais que ir ao cinema sozinha. Na verdade eu gosto de ir ao cinema sozinha, mas isso é bom quando é opção e não quando é regra.  Quero alguém para conversar sobre livros. Quero alguém para me amparar quando eu encher a cara, e alguém para me levar a um rodízio e passar vergonha quando eu ainda continuar comendo. 

Eu quero alguém que entenda meus chiliques, mas que também me dê dois gritos quando necessário. Eu quero alguém que me pergunte como foi a minha aula e com quem eu possa compartilhar meus aprendizados de Latim, Eu quero alguém que acaricie minha perna, despretensiosamente e que cuide de mim quando eu estiver doente. 

Quero alguém que entenda que nem todos os dias a minha libido estará em alta e que uma vez no mês estarei off para o sexo, chata e com cólica. Quero alguém que me ache linda com uma camisa velha furada, de óculos de grau e com a unha sem esmalte. Eu quero romance. Mas não quero perfeição. Eu quero algo e quero alguém que exista. Perfeição não existe. Demorei muito para perceber e aceitar isso, mas agora eu consigo ser bem clara quanto ao que quero. Ao que eu sempre quis, desde menina. Só que agora sem a inocência infanto-juvenil e com experiência e eu afirmo: quero alguém, quero romance, quero amar e ser amada.




Rafaela Valverde

Filme Pulp Fiction - Tempos de Violência

Imagem da internet
No sábado assisti o filme Pulp Fiction- Tempo de Violência que é um policial/suspense de Quentin Tarantino lançado em 1995, com  John Travolta, Samuel L. Jackson, Uma Thurman, etc. É um filme que eu já queria assistir há um tempo e nesse final de semana finalmente eu o assisti.

Enfim, Tarantino é meu diretor preferido. E primeiro quero falar sobre a trilha sonora que é incrível e ajudou a narrar muito bem as histórias do filme. Eu entendi como uma narrativa de algumas histórias paralelas que se ligavam ou não, de forma direta ou não. Ele vai e volta no passado e em cenas anteriores que ajudam a explicar algumas coisas, ou não.

Ás vezes podem confundir também. Mas em minha opinião não tira a genialidade do filme e em nada me faz deixar de gostar dele. É violento claro, como os filmes de Tarantino. Essa é a marca dele, porém Pulp Fiction para mim é menos violento no que diz respeito às cenas de sangue do que Kill Bill por exemplo que é cheio de sangue durante várias cenas. 

Eu gostei muito desse filme, mas ele divide opiniões. Uns amam outros odeiam. Porém são duas horas e meia alucinantes de filme que ainda conta com Bruce Willis e a atriz portuguesa Maria de Medeiros. Como vi no netflix que é dublado, para mim perde um pouco a visualização das interpretações, porém ainda assim Samuel L. Jackson se destaca, para variar, e dá um show de interpretação. Que homem! Que ator!

Pretendo assistir cada vez mais filmes de Tarantino. Senão todos. Para ser uma fã de verdade (hehehe). E nunca mais tinha visto um filme e contado para vocês aqui. Mas agora tentarei fazer mais isso. Como antigamente que eu sempre fazia isso. Eu adoro filmes, como vocês sabem. Recomendo, para quem gosta do gênero é claro.



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...