domingo, 29 de setembro de 2013

Mais uma etapa vencida

Deu tudo certo. O meu medo de atender cliente de cartão de crédito foi dizimado e agora estou conseguindo pegar os procedimentos. Nunca realizei esse tipo de atendimento e estava com medo e apreensiva esses últimos dias. Mas tive que enfrentar mais essa etapa da minha vida, com pessoas maravilhosas, novos aprendizados e uma lição aprendida. Esses dias a demanda de ligações foi tranquila e estamos convivendo bastante uns com os outros, estabelecendo assim um contato e relações interpessoais nunca antes vivido por mim, pelo menos. A minha maior dificuldade como eu já disse aqui, é vender. Primeiro por que para vender o quer que seja você tem que acreditar no que está vendendo e eu não sei muito bem se acredito e confio em seguros, que são meus produtos de venda. Sei que tenho que me dedicar e quero muito desenvolver essa técnica para atingir meus objetivos. Meu foco está claro e em breve pretendo alcança-lo. Mas sei que a caminhada é árdua e não pode ser curta para ser valorizada. Mas pretendo alcançar um objetivo de crescimento pessoal, intelectual e profissional. Afinal de contas já passou da hora não é mesmo? Eu já tenho vinte e quatro anos e agora que sei o que quero, sinto a necessidade de tomar um rumo na minha vida profissional. Esse é o momento e eu estou aberta a oportunidades e sempre disposta a aprender. Com a minha fé e determinação espero logo, logo alcançar meu objetivo maio.


Rafaela Valverde

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Vendendo meu peixe

Ainda não sei o que sei fazer. Não descobri ainda se sei realmente atender por telefone, se sei vender, se sei bater metas. Não descobri que tipo de produto posso promover além de mim mesma. Me expresso bem, trato o cliente bem, como eu gostaria de ser tratada e cumpro horários e regras, mas não sei exatamente como abordar o cliente para partir para uma venda. Não tenho essa cara de pau, não sei mudar a entonação da voz, enfim. Eu vou precisar fazer isso. Definitivamente eu vou precisar. Ainda não descobri o meu talento,e não me encontrei ainda em nenhum trabalho que tive. Afinal, ninguém vive somente de escrever. Só um escritor bem famoso e olhe lá. Eu preciso encontrar algo que eu saiba e goste de fazer. Preciso e vou aprender a ter essa cara de pau de vender, vender e vender. Inclusive vender minha imagem e meu trabalho. Já passou da hora!


Rafaela Valverde

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Existe amizade entre homem e mulher?



Existe mesmo amizade entre homem e mulher? Essa é uma pergunta bem recorrente em relacionamentos e em ciclos de amizade. Eu acredito que sim, acredito não, na verdade eu tenho certeza. Eu tive um melhor amigo na minha pré adolescência e as pessoas sempre diziam que nos namorávamos. Isso é bizarro! Não éramos nada além que amigos. Éramos muito próximos mesmo e até trocávamos segredos.

 Nos afastamos, mas hoje encontrei outros amigos homens e que nunca houve nenhuma menção de haver nada que não amizade. Até por que estou casada e não dou espaço para atitudes assim e consequentemente um rapaz que as tivesse não serviria para ser meu amigo. Enfim, essa é a minha experiência, mas pode ser que haja e devem haver relacionamentos que começaram com amizade, amigos que transam regularmente, e muitos outros casos. Vai saber né.

As opiniões se diferenciam quando se tratam de homens e mulheres. A mulher acha que é possível haver amizade genuína entre duas pessoas de sexo diferente. Já os homens em sua maioria não acreditam na sinceridade de uma amizade entre um homem e uma mulher. Eles sempre acham que há interesse em uma das partes. Interesse amoroso ou sexual, é claro. Os homens são mais céticos nesse sentido.

Alguns pesquisadores afirmam no entanto pode existir algum nível de atração de um dos pares em relacionamentos de amizade. E ainda segundo eles, o sexo pode fortalecer as relações intersexuais. Como eu já havia dito, o sexo costuma sim estar presente entre esses amigos, mas não é uma regra e não necessariamente há paixão. O que importa mesmo é a amizade, a afinidade, o assunto para conversar, as músicas, livros e filmes que ambos gostam, enfim, a companhia de um amigo do peito é muito mais importante do que convenções sociais e até mesmo, em minha opinião, que um relacionamento amoroso.




Rafaela Valverde

O blog e a tecnologia


Hoje um colega me perguntou sobre o que era o meu blog e eu como sempre respondi que eu falava de tudo. Falei o nome e ele me perguntou se eu escrevia sobre tecnologia. Foi aí que parei para pensar duas coisas: A primeira é que realmente não escrevi muito aqui durante todo esse tempo sobre as diversas tecnologias a que estamos expostos hoje em dia. Na verdade hoje vivemos reféns das tecnologias, sejam elas quais forem. 

A segunda coisa é que um blog que tem esse nome, e que fala de tudo, pode se tornar tão amplo e abrangente que ao mesmo tempo pode perder o foco e se tornar apenas um diário on-line. Mas essa é a essência do meu blog e eu não saberia e nem poderia mais mudá-lo. Principalmente depois de cinco anos de existência. Escrevo o que estou pensando, sentindo, ou algo que passei e/ou tenha presenciado. 

Ultimamente também tenho me interessado por questões ligadas a relacionamentos, relações afetivas, amizades, etc. Por que isso é tratar de gente, é escrever e refletir sobre gente. Pessoas é o comportamento delas me fascinam e registrar isso para mim é muito importante e enriquecedor.

Em relação à tecnologia, não me sinto à vontade em escrever sobre isso. Tecnologia é um assunto importante, sério e que de acordo com o perfil do meu blog, teria que ter uma escrita mais formal, mais acadêmica e eu não tenho bagagem e conhecimento para escrever sobre tal assunto. Mas juro que vou pesquisar mais e vai passar a ser um dos meus assuntos aqui, ok? 


Rafaela Valverde

domingo, 22 de setembro de 2013

Estamos realmente livres?

Viver de forma livre. É o que todo mundo quer. Não quer dizer também que seja excessivamente libertária ou de libertinagem. Não. Tudo tem um limite, não é mesmo? Mas livre é poder fazer o que quiser, sem dar satisfação a ninguém. Mas é ninguém mesmo. Poder acordar sem querer ver nenhuma outra cara, nem a sua no espelho. Não comer, ou comer o que quiser sem ter a obrigação de cozinhar, lavar, limpar ou arrumar. Afinal você mora e está sozinho. Ninguém vai lá.

Meras convenções e obrigações não existirão. Têm horas que acontecem coisas que chateiam tanto que você não quer ter contato com ninguém, não quer cumprimentar e nem ligar para ninguém. Não quer ter essa obrigação, e fim de papo. Essa semana aconteceram dois episódios que me fizeram querer ir morar no Alasca. Longe de pai, de mãe de todo mundo. Por que não ligam para você perguntando se você está feliz, se está satisfeita com a vida que escolheu levar, se está depressiva, passando fome, ou seja lá o que for. Nenhuma palavra de apoio. Tipo: "Olha eu estou e estarei aqui para o que der e vier." Não chamam de volta, não aconchegam, não abraçam com palavras, não apoiam! 

A minha luta é sozinha, se eu quiser estudar, fazer curso de inglês, comprar um computador ou algo que possa me ajudar na minha batalha de estudante, eu não conto com nada além do meu esforço, do meu trabalho. Ninguém pode me apoiar financeiramente, pagando meu curso de inglês ou um curso livre, mas na hora de cobrar atenção, amor, grana que eu devo, nêgo aparece e aparece bem exigente. Sabe, eu cansei! Cansei de ouvir cobranças, de ouvir "você não me liga", ou "esqueceu que tem mãe/pai". Amor, atenção, carinho, dedicação não podem e não devem ser impostos. Isso nasce do outro naturalmente, se você dá. 

O que tenho sentindo falta é de apoio. Não tive apoio total e incondicional de meus pais em quase nenhuma decisão que tomei na vida até agora. E isso me desculpe, não faz parte do  que eu penso que é amor. Mas é o que eu penso, ninguém tem obrigação de pensar como eu. Acho que duas coisas fundamentais em qualquer relacionamento é apoio, e saber ouvir. Tipo: "Sei que você pode estar se arriscando em tomar decisões erradas, e pode se dar mal, mas te apoio." Não ouço isso e é revoltante, estar presa a amarras sociais e culturais que ainda prendem as pessoas, principalmente as mulheres em casamentos infelizes, preconceitos com elas mesmas e sentimentos de culpa. 


Para pensar.



Rafaela Valverde







quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Moldados pela sociedade


Temos que estar bem e bonitos magros e bem vestidos, devemos estar sempre felizes. Devemos ser engajados socialmente e não podemos falar palavrões. Nossa sexualidade deve estar definida, e só temos duas opções. Somos abrigados a ter coisas, como MP3 e celular. Somos obrigados a seguir padrões de comportamentos: mulheres não podem sentar de perna aberta e homens não podem ter prazer anal que já é chamado, da forma mais torpe de homossexual. 

Somos o tempo todos moldados ao bel prazer de qualquer um. Sempre devemos conversar. Conversar é divertido e o silêncio nos dias de hoje não é bem visto. Pessoas mais introspectivas e silenciosas são vistas como zero à esquerda. Devemos ser burros, ou pelo menos estar com a inteligência na média, não podemos ser inteligentes.A inteligência alheia agride as pessoas! Ao mesmo tempo devemos sempre nos calar e não falar nada polêmico, (as conversas devem ser fúteis e rasas)  por que isso vai ofender as outras pessoas. 

Politicamente corretos é o que temos que ser para agradar aos outros. Temos que gostar de festas e estar sempre dispostos a nos divertir. A nossa diversão não pode ser diferente, não. Tem que estar atrelada ao consumo de bebida alcoólica e música ruim. Aliás, chamar alguma música de ruim, é inadmissível. Somos condenados a gostar de tudo que é imposto pela mídia! Nossa revolta deve ser calada, nossa intimidade deve ser revelada. 

Não temos livre arbítrio e somos obrigados a prestar contas de atos como traição, sexo, relacionamentos diferenciados, enfim. Não somos livres para fazermos o que bem entendermos, pois sempre haverá algum tipo de palavrinha, piadinha, olhar que nos menospreze que dê a entender que somos inferiores por sermos o que somos, por escolhermos viver de forma diferente e agirmos de forma diferente da grande maioria. 

Sempre nós, representantes da raça humana, teremos alguma restrição discriminatória em relação ao outro, sempre estaremos a ponto de criticar alguém e tentar moldar esse alguém de acordo com nossos preceitos e normas. Esses muitas vezes, já impostos por outrem e que vão se impondo gerações a fio a ponto de fechar mentes e pôr cabresto em que se deixar levar por eles. 


Rafaela Valverde





Um ano de big chop

Como meu cabelo está hoje. Depois de um ano.
Hoje faz um ano que eu fiz o big chop, que é o grande corte de toda a parte com química do cabelo. Esse é um fato muito importante na minha vida e estou muito feliz com meus cachos que ainda não estão muito compridos, mas que são me dão alegria. Há um ano depois de uma saga de cortes e várias idas a salões, eu sentei em um deles no bairro onde morava e disse que só ia sair de lá sem química. E saí. Sem química e com quase cabelo nenhum. A minha obstinação é muito grande e quando eu tomo uma decisão, é muito difícil voltar atrás. Agora é só continuar a curtir os cachos e cuidar deles, aprendendo novas técnicas, enfim. Só queria deixar registrado aqui, essa passagem de tempo. Ah, como o tempo passa rápido, mas isso é assunto para outro texto.

Rafaela Valverde

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Nós gozamos sim!

Ter orgasmo não é mais privilégio para poucas. Aliás não deveria ser, mas infelizmente ainda leio historias de mulheres falando que nunca tiveram um orgasmo. É claro que essa realidade é distante de mim, pois as mulheres de minha convivência falam o contrário. Gozam até demais. Então, quem são essas mulheres que não têm orgasmo? Elas só existem em textos, blogs e revistas femininas? São anônimas? Ou será que as mulheres reais mentem sobre esse fato e gozam menos do que falam? As pesquisas  que eu tive acesso, mostram que ainda há  um número grande de mulheres que têm dificuldades em ter orgasmos e no entanto só o que ouço falar é sobre o fato de mulheres danadinhas gozando e gozando sempre. Então, quem está faltando com a verdade? O que está errado nessa conversa? Por que o assunto é bem dividido: o que se fala na mídia, em sites e revistas femininas é diferente do que as mulheres dizem que sentem. Ou será que elas não sabem o que sentem? Eu acredito que a maioria das mulheres goza sim! Pelo menos nenhuma nunca me disse que tinha problemas nessa área. O que querem que nós mulheres pensemos? Como estão querendo moldar nossos pensamentos e nossos orgasmos?


Rafaela Valverde

sábado, 14 de setembro de 2013

Os nossos sonhos

Um sonho. O que pode significar um sonho? Todos nós sonhamos todos os dias, só que geralmente não nos lembramos disso. Será que é bom lembrar de sonhos que estão fora da realidade, são estranhos ou até nos fazem sofrer? 

Durante três noites nessa semana, eu tive sonhos esquisitos, fora de contexto, com pessoas que não vejo mais, com uma floresta obscura e ações esquisitas. Não sei o que isso pode significar, mas acordar no meio da noite com a lembrança de um sonho estranho, não é muito bom não.

Sempre fazemos analogia dos sonhos que temos enquanto dormimos, com os sonhos que temos para as nossas vidas, sonhos de conquistar ou efetivar algo. Não sei por que há a aproximação desses dois sonhos, mas começo a imaginar que talvez seja por que ambos estão distantes da nossa realidade agora, mas com algum esforço podemos nos lembrar e alcançá-los.

Não sei se deu para entender minhas palavras sobre os sonhos, mas estou deixando a possibilidade de reflexões acerca do assunto.

Rafaela Valverde

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Selagem de vinagre, tiara improvisada e fronha de cetim. Resultados em cabelos cacheados.

Bem, estou ficando viciada nesses detalhes capilares, sobretudo depois da minha transformação de lisa para cacheada, então como eu já disse, aprendi uma selagem com vinagre de maçã que eu usei hoje. Primeiro eu lavei o cabelo normalmente, depois apliquei uma hidratação. Fiquei com ela na cabeça de três a quatro minutos, massageando o couro cabeludo e em seguida depois de desembaraçar o cabelo, virei a cabeça para baixo para não me molhar com o vinagre e nem para cair no meu olho e em seguida passei a borrifar a solução de uma colher e meia de vinagre para duzentos ml de água. 


Creme de pentear avon

Borrifei em mechas finas e fui massageando- as. Eu caprichei na aplicação e já nesse momento, já senti uma sedosidade e maciez. Experimentei também hoje, pela primeira vez, secar o cabelo com uma camisa de algodão, após a aplicação do vinagre. Ela é melhor para secar os cabelos cacheados do que  uma toalha felpuda por exemplo. Sequei as madeixas de maneria suave, sem apertar, nem esfregar no couro cabeludo. Em seguida iniciei a fitagem com o creme de pentear da AVON, con filtro solar e óleo de argan.



Ao finalizar a fitagem, peguei uma faixa que é um cinto de um short estampado que tenho aqui e fiz uma amarração como se fosse uma tiara no cabelo. Ficando do jeito da foto ao abaixo. Saí de casa me achando hoje e a cada dia que passa aprendo ótimas dicas e truques para cuidar melhor dos meus cachos e deixá-los mais bonitos.


Ah! Preciso dizer também que o cabelo não ficou com cheiro de vinagre, nã, até por que eu apliquei o creme de pentear depois, então nada de cheiro de vinagre! Amei essa parte, é claro. E mais duas coisas: a primeira é que ainda sobrou a solução e é provável que eu use amanhã novamente e não tem problema não, eu posso ir testando para ver se vai dar certo ou errado. Afinal cada cabeo é u cabelo, depois, a depender dos resultados obtidos eu venho contando aqui.


A segunda coisa é sobre a fronha de cetim que é também muito citada pelas blogueiras cacheadas. Eu ainda não comprei mas peguei uma dica super bacana e vou experimentar. Vou pegar uma camisola que não uso mais de cetim e vou forrar o meu travesseiro todo dia antes de deitar. O efeito é que o atrito é menor e portanto diminui o frizz e o emaranhado, fazendo com que o cabelo acorde mais arrumado e os cachos mais modelados.

Passo depois para contar os resultados.


Rafaela Valverde

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Mini resenha creme de pentear Elséve Hidramax


Hoje vou escrever rapidamente sobre o creme de pentear Elséve Hidramax para cabelos cacheados. Esse aí mesmo que está ao lado. Eu o comprei no  domingo e fiz a fitagem com  ele na segunda feira, e é o que está mantendo meus cachos definidos até hoje, quarta feira. Ele custou sete reais e mais uns centavos e eu encontrei em um mercadinho aqui do bairro, o que significa que é bem acessível. Ouvi falar dele por causa das blogueiras que fazem resenhas e vídeos e em pelo menos dois deles foi citado esse creme. Ouvi falar muito bem dele. As meninas dizem que ele diminui o frizz, hidrata e define bem os cachos. E eu venho aqui hoje confirmar essa informação. As pontas ficam bem hidratadas, macias e o frizz diminui um pouco, controlando o volume. Eu gostei muito e ele vai virar meu queridinho também, assim como é o queridinho das blogueiras. Esse creme ainda é melhor que o cachos comportados da Seda que eu também gostei bastante. Vou continuar usando nas minhas fitagens e recomendo ele para as novas e velhas cacheadas que queiram experimentar esse creme de pentear.



Rafaela Valverde

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Somos um povo soteropolitano!


Somos um povo faceiro que sorri, fala engraçado e toma cerveja nas ruas ao som de uma "excelente" música tocando muito alto em um carro financiado a perder de vista. Somos uma gente brejeira que também é hospitaleira e que recebe o turista com um preço maior do que o praticado com os nativos. Somos um pessoal  maroto, mas não tão malandro como os cariocas, somos espertos até demais. Somos um povo trabalhador e lutador que joga lixo no chão para gerar emprego para o gari. Somos um povo alegre que ouve música alta no celular dentro do ônibus para demonstrar o tamanho da nossa alegria. Somos um povo mulato e mestiço mas que renega essa condição em prol de um cabelo liso e um par de olhos azuis. Somos um povo com uma cultura singular, mas que valoriza a cultura externa. Somos um povo que fala alto, ouve música alta em casa antes das dez da manhã e não deixa ninguém dormir. Somos um povo que empurra e bate nos outros por causa de um lugar no ônibus. Somos burladores oficiais de tudo, não gostamos de ler e colocamos atestado no trabalho sem estar doente. Somos um povo com um passado glorioso, mas que não o valoriza e não liga para os acervos e arquivos. Somos um povo festeiro, que anda quilômetros e mais quilômetros no carnaval, mas não podemos andar para as bibliotecas, museus e manifestações cidadãs. Somos um povo que tem carro e não tem garagem. Somos um povo tão egoísta que pouco se importa com quem está do lado e portanto falamos alto no "buzu" e todo mundo tem que ouvir mesmo,"não estou nem aí". Enfim, somos um povo alegre, festeiro e ao mesmo tempo o povo do "Farinha pouca, meu pirão primeiro."


Fica a reflexão.


Rafaela Valverde

domingo, 8 de setembro de 2013

Cuidados com meus cachos





Hoje eu quero falar um pouco mais sobre o meu cabelo. Na semana passada, eu vi no youtube em um dos vídeos que eu vejo, dicas de como clarear a cor dos cachos nas pontas. Pois bem, eu comprei a água oxigenada e o pó descolorante e fiz com as mãos mesmo o clareamento das pontas do cabelo. Como já era de se esperar os cachos ficaram um pouco ressecados, com pontas duplas e frizz. Hidratei já duas vezes após a aplicação e já aprendi receitas de algumas máscaras de nutrição e hidratação caseiras, através do próprio youtube. Esse penteado eu fiz com uma técnica que aprendi também através dos vídeos e é feita com uma meia.Sabe aquelas meias de pé, cor da pele que usamos com sapatos fechados. Eu tenho dois pares e um deles estava furado, abri ela no meio e utilizei para prender o cabelo desse jeito. Como ficou ressecado depois da aplicação, eu ainda vou hidratar um pouco mais. Comprei o creme Elséve Hidramax para cabelos cacheados que é o queridinho das blogueiras. Vou usá-lo amanhã e passo aqui para contar, ok?


Outra coisa que acabei de aprender no youtube com uma blogueira, foi a selagem com vinagre de maça. Vou fazer por esses dias e volto também aqui para dar o retorno sobre essa selagem super econômica e que segundo ela, a blogueira Dani Azevedo deu um excelente resultado. Farei uma pequena resenha sobre os produtos que for usando e contando se eu gostei ou não.


Bem, por hoje é só.



Rafaela Valverde







sábado, 7 de setembro de 2013

Será que dá para gostar de duas pessoas ao mesmo tempo?

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo? Talvez amar não, mas gostar de outra pessoa enquanto se está num relacionamento com outra, é mais comum do que o que a gente pensa. Tem a atração, o desejo, a admiração, enfim, várias coisas que chamam atenção no outro e que talvez não exista mais no relacionamento atual.

Essa questão de ir procurar em outra pessoa o que não está encontrando no namoro ou casamento, me deixa com dúvida pois não sei se isso necessariamente acontece. Ou seja, acredito que pode ser que esteja tudo bem na relação da pessoa, mas que mesmo assim ela se encante por outro alguém. Não sei se sou liberal demais, se minha mente é aberta demais, mas o fato é que ultimamente venho considerando isso até bem normal.

Você nem sempre pode controlar seus sentimentos, mas você pode controlar (pelo menos até um determinado momento) suas atitudes em relação a esses sentimentos. Então, não é feio gostar de outra pessoa. Talvez o feio seja ser desleal com o (a) seu (sua) parceiro (a), ainda mais quando ele não merece.

É claro que em relações muito longas, não rola mais o friozinho na barriga ao avistar o outro, não rola mais o coração acelerado como antes e suas emoções estão controladas. A paixão está amenizada ou até já acabou, portanto se de repente surgir alguém atraente, que compartilhe as mesmas opiniões, os mesmos gostos por filmes e/ou livros por exemplo, a atração pode acontecer sim e é quase certo que vai. E com todos esses sintomas!

Se isso vai virar um triângulo amoroso não dá para saber, mas é conversando que a gente se entende e temos que perder o medo de discutir com nosso parceiro esse tipo de assunto que ainda é um tabu. Vai que um dia acontece com um dos dois? Acredito que é possível sim esse sentimento. Nós, seres humanos somos polígamos, por mais que a nossa cultura não permita, mas é assim que somos essencialmente e eu não vejo problema nenhum nisso, pois sou muito mais a lealdade do que a fidelidade monogâmica que em alguns casos não significa respeito e amor ao outro.

Mas essa é a MINHA opinião. Qual é a sua?



Rafaela Valverde


Vamos falar sobre sexo?


Quem é que não tem pensamentos eróticos? Quem é que não gosta de uma boa sacanagem? Ah, minha gente não vamos ser hipócritas, não é? Não conheço uma pessoa que não goste de sexo, a não ser as que nunca experimentaram, o que inclusive é um número bem pequeno. Pelo menos no meu círculo de amizades. E as mulheres gostam também de falar sobre sexo, em pé de igualdade com os homens, pois se os marmanjos se gabam das suas relações sexuais, e entre eles até rola umas disputas, entre nós mulheres o papo é bem mais solidário e construtivo. Isso por que nós não temos vergonha de tirar dúvidas com as outras mulheres, nós compartilhamos informações e conversamos de forma natural e amigável e não em tom de disputa como os homens. Pelo menos é assim que funciona comigo. Não sei como é com as outras mulheres quando resolvem sentar para falar de sexo, mas  as rodas de amigas que participo são retadas! Sempre conversei sobre sexo com outras mulheres e tome- lhe falar putaria. Ops,desculpem a expressão, mas ela é necessária ao falar desse assunto e já estou farta de não escrever sobre esse assunto. Pronto, quebrei todos os tabus que ainda tinha ao falar de sexo aqui no blog e esse assunto vai ser muito mais constante a partir desse exato momento e justamente creio que um pouco desse linguajar não faz mal a ninguém. Afinal de contas, não rola menos que um festival de bocas porcas entre quatro paredes, não é? Então? O espaço é meu e eu não sou pudica na vida real por que tenho que ser pudica no blog, deixando de falar de uma coisa tão normal, tão simples, tão deliciosa e que eu gosto tanto? É claro que não sou Expert no assunto, mas quem pratica sempre sabe falar, ler e aprender também sobre isso não faz mal a ninguém, pelo contrário ajuda. Sexo é bom, sexo é saudável, sexo bem feito é uma delícia e é a coisa mais natural e antiga do mundo. Então, vamos falar sobre sexo?

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Vestibular da UNEB

Gostaria de falar para quem não sabe que as inscrições para o vestibular da UNEB já estão abertas. Inclusive com a opção de isenção da taxa, que é agora é feita na próprio ato da inscrição e não mais como antes,que havia um processo de isenção anterior ao início das inscrições. Eu já fiz a minha inscrição. É claro que eu só vou fazer se for aprovada na isenção. Me desculpe, mas no ano passado eu já paguei 98,00 e esse ano não estou disposta a fazer o mesmo.

As inscrições terminam no dia 19/09 e as provas serão em novembro. Na UNEB, o candidato pode também optar pela seleção do SISU, mas é claro que pode também fazer a prova e um não elimina o outro, até por que o número de vagas destinadas a seleção do SISU não é o mesmo número das provas tradicionais. 

Esse ano eu optei por letras com inglês na primeira opção, pois conforme já havia falado aqui, me apaixonei pelo curso e em segunda opção coloquei o curso de Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas. Mas como vocês já sabem a minha real opção é Jornalismo na UFBA. Essas opções ficam em segundo plano. Preciso voltar a estudar, está um vazio enorme!


Rafaela Valverde

Lidar com múltiplas pessoas

Conviver com pessoas é muito difícil. Trabalhar com pessoas é mais difícil ainda. As pessoas são diferentes e devem sem nenhuma dúvida ser respeitadas, por conta disso, alguém que se predispõe trabalhar com e para pessoas deve ser uma pessoa com uma personalidade apaziguadora, compreensiva e que realmente goste de lidar com gente. 

Além disso, essa pessoa deve ser uma pessoa coerente e sensata para que suas decisões não impactem de forma negativa para as pessoas com quem ela trabalha. Enfim, alguém em algum momento vai ter que lidar com outro alguém muito difícil, ou com alguém sem comprometimento com nada, tendo que se desdobrar em várias tarefas e funções.

Mas as relações inter-pessoais como um todo, constam de dois lados, portanto os dois lados devem colaborar no sentido de fazer com que os contatos sejam mais fluidos e que não gerem nenhuma tensão e aborrecimento para ninguém. Considero uma relação muito difícil, como eu já havia falado e cabe as pessoas agirem de forma madura, já que são obrigadas a trabalhar juntas. 

Além da maturidade, deve - se ter amor no coração, paciência, bom senso, e ser uma pessoa feliz. E para finalizar, já que temos que conviver juntos, que seja de uma forma amigável e tranquila, respeitando o outro e o ser humano que ele é.



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...