sábado, 30 de março de 2013

A tripla jornada nossa de cada dia

Em meio a chocolates, vinho e peixe e com a correria que tenho vivido nos últimos dias desde que começaram as minhas aulas, eu tenho deixado o blog um pouco de lado. Realmente a vida está uma loucura. Saio de casa às seis da manhã e chego às oito da noite, ainda tendo as obrigações de dona de casa. Minha tripla jornada está me deixando muito cansada e assim tenho andado, considerando que não folgo nem final de semana e nem feriado, estou andando um caco e só passo aqui rapidinho de vez em quando. É sério, não estou tendo tempo de sentar, mas  a  vida é assim mesmo. Vivo esperando as coisas melhorarem. Quem sabe um dia não melhoram? Não sei. O que sei é que a cada ano que passa as minhas atribuições e obrigações aumentam muito e eu não estou mais aguentando essa jornada pesada de dona de casa, estudante e trabalhadora que precisa dar conta de tudo. Várias pessoas passam por isso todos os dias e essa angústia, deve ser bem comum em milhares de mulheres que possuem essa mesma rotina e a cada dia que passa essa quantidade de atividades vai aumentar e aonde é que vamos parar?



Rafaela Valverde

sábado, 23 de março de 2013

Meu big chop e a convivência com meus cachos

Rafaela ValverdeComo já é sabido eu resolvi assumir meus cachinhos e fiz um big chop, que há pouco aprendi que significa grande corte. Enfim, depois que fiz isso, me transformei em nova pessoa. Sinto- me muito mais feliz e mais livre. Antes eu relaxa meu cabelo com amônia no salão a cada três meses, e todo final de semana escovava e pranchava em casa mesmo. Com isso eu me sentia presa, sufocada, dependente. 

O tempo em que eu podia fazer outra coisa, eu estava cuidando de um cabelo que não era meu. Com isso, ele ia afinando, perdendo a vida. Estava opaco, vazio e sem brilho. Então comecei a pesquisar sobre mulheres que queriam manter o cabelo sem química, ou seja resgatar as madeixas das garras dos alisamentos, escovas e relaxamentos. Continuo pesquisando essas histórias de mulheres corajosas que assim como eu resolveram tomar essa difícil decisão, e percebi que elas existem aos montes. 

A conclusão que chego é que não se trata apenas de moda, de tendência para cabelos cacheados e sim uma questão de atitude, de opção, de querer voltar a ser o que realmente somos. E sempre fico brincando aqui em casa que as cabeleireiras que fazem as escovas e relaxamentos, vão à falência. Mas isso é só brincadeira mesmo, por que sei que tem gente que se sente mais feliz com cabelo, alisado ou relaxado e escovado e isso vai ajudar a manter as cabeleireiras com trabalho.

O fato é que na verdade eu venho me surpreendendo um pouco com a quantidade de mulheres que estão fazendo o big  chop. Vejo muito na rua mulheres com cabelos cacheados curtinhos e lindos, geralmente com acessórios bonitos, tiaras e presilhas mostrando estilo e originalidade.  Enfim a cada dia sinto que fiz a coisa certa e aprendo a conviver diariamente com meus cachinhos, sacando o ques eles curtem ou não e torcendo que cresçam logo, bonitos e saudáveis.

E quem tiver de tomar coragem, tome logo!


Rafaela Valverde

sexta-feira, 22 de março de 2013

Livros

Na verdade eu já havia iniciado esse livro no semestre passado quando larguei a faculdade. Agora que estou retornando, tive que voltar a ler. Aliás é o que mais tenho feito nessa última semana. Falando do livro, digo que ele traz um breve panorama da ciência ao longo de vários séculos, desde os primórdios, até uma previsão para o dia de hoje, o século XXI. Pelo menos até a parte que eu li eu gostei, ele é mais didático, mais para a áreas específicas. 

Em relação ao outro livro que eu estava lendo, o livro Arnaquistas, graças à Deus de Zélia Gattai, um livro de memórias,  foi uma leitura super agradável, onde aprendi algumas coisas sobre o cotidiano dos imigrantes italianos, o cotidiano da cidade de São Paulo e sobre a infância de uma personalidade que foi um pouco baiana, já que viveu aqui durante tanto tempo. Enfim, gostaria de dizer que eu recomendo. Não só esse livros, mas todos os livros possíveis. Ler é bom. Ler é muito bom. E eu estou em uma correria danada, por falar nisso. Estava até desacostumada com essa rotina, mas agora o meu ritmo de leitura deve voltar e vai com certeza voltar. Aliás já voltou. Por falar nisso, vou ali ler mais um pouquinho.


Rafaela Valverde

Vinte de março, dia do blogueiro

Soube agora que dia 20 de março foi o dia dos blogueiros. Bem, para começar eu nem sabia que tínhamos esse dia, mas já que temos, vamos falar um pouco de como é ter um blog. Ter blog é ver qualquer coisinha na rua e já pensar em escrever um texto. Ter blog é ficar pensando em Templates e  Gagdets o tempo todo, sem ao menos ninguém saber o que significam essas palavras. Enfim, ter blog é sempre caprichar no que se escreve, é sempre ter o cuidado de procurar temas, fotos, e coisas diversas para incrementar a imagem dele. Ser blogueiro é dar o melhor no que se escreve, é deixar clara e concisa uma linha de pensamento, ser blogueiro é dar a cara para bater e receber críticas, e ainda ser injustiçada como eu já fui aqui. Mas sentimos um prazer absoluto nesse hábito de ser escritor, de ter blog, de divulgar  seu trabalho. Alguém ler e elogiar é um prazer inigualável  Parabenizo hoje com um pouco de atraso todos os blogueiros e blogueiras, que são bons escritores, lutadores e que com inteligência e intelectualidade conseguida com muitos esforço, conseguem (conseguimos!) construir um blogosfera cada ves maior, melhor e mais unida.


Rafaela Valverde

terça-feira, 19 de março de 2013

Los hermanos

A minha paixão por Los Hermanos é muito, mas muito recente. Começou no final do ano passado. É claro que já conhecia a banda, assim como todo o Brasil. Mas só ficava nas músicas mais conhecidas, como Cara Estranho, O vento, e Ana Júlia. Mas depois que passei a escutar pra valer, as músicas que são verdadeiras obras poéticas (é o meu gosto, tá?) Quem não curte também eu respeito, mas o fato é que eu amo e quis compartilhar aqui. Eles agora me acompanham em meu celular, pois sempre estou com o fone de ouvido, e as suas letras se tornaram fonte de reflexão para mim. Só queria sugerir essa pauta musical para os meus leitores e quem não curte, quebre seus preconceitos e experimente sempre uma coisa nova , sempre que puder pelo menos. Isso é bom e tem me feito muito bem.  Uma de minhas frases preferidas e que já estou pensando em tatuar nas costas é:

"Deixa eu brincar de ser feliz..."

Los Hermanos


Rafaela Valverde

segunda-feira, 18 de março de 2013

Mais uma vez: Desmotivação no trabalho!

Estou tendo novamente aquele sentimento de desmotivação no trabalho. Muitas pessoas podem perguntar: "Já?". E eu respondo, já. Só quem tem um trabalho chato, estafante e repetitivo, onde a pressão sem ao menos um elogio ou recompensa impera, sabe do que eu estou falando.  Quando a gente cansa de vez de tanta desorganização, tanta bagunça e incoerência, o jeito mesmo é procurar alguma outra coisa que seja mais significativo. Mas no meu caso venho me perguntando que trabalho pode ser significativo para mim há alguns anos. E não tenho encontrado.Talvez trabalhar na minha área atual, que é a Pedagogia, seja de certa forma significativo. Não sei, nunca tive a oportunidade de atuar como estagiária na área da educação e não sei como será se isso acontecer um dia. O fato é que tenho que estar trabalhando. Sempre. Não posso me dar ao luxo e cometer os mesmos erros de novo. Isso me taxaria e confirmaria a minha burrice. O fato é que  quase cinco meses depois eu não aguento mais e tem dias que só quero sair correndo de lá. Fico me sentindo muito culpada e preocupada, pois afinal, o meu emprego me mantém, me sustenta e mesmo insatisfeita e desmotivada vou ficando até quando der. Fico me perguntando, por que sempre fico desmotivada em meus empregos. O problema é com eles, ou comigo? Pergunta que necessita de reflexão.


Rafaela Valverde

domingo, 17 de março de 2013

Sumi

Andei um tanto quanto sumida. As pessoas têm me procurado na rede. O fato é que tenho andado cansada, pois desde que eu me mudei no dia vinte e três eu não tenho dormido bem. Na verdade eu não dormi ainda uma noite toda. Sempre acordamos no meio da noite por causa dos gatos que ainda não se adaptaram e ficam gritando a noite inteira, enfim. Tenho andado bem sonolenta por conta disso e não sei o que vai ser agora que vou voltar para a faculdade. Preciso descansar um pouco, a minha cabeça anda doendo muito. Na verdade não estou tendo muito ânimo para escrever, nem para sentar na frente do computador. Só folgo um dia na semana e com tanta coisa para fazer fica mais complicado para sentar aqui e escrever. 

Com tantas coisas acontecendo ultimamente, a morte de Hugo Chaves e de Chorão, a escolha do pastor Marcos Feliciano para a comissão de direitos humanos da Câmara Federal, a condenação do goleiro Bruno e a escolha do novo papa, sinto que perdi várias oportunidades de escrever textos sobre todos esses temas, mas não vou voltar a eles não. A vida segue para frente e essas coisas já aconteceram, agora é contar com o que vem ainda nesse início de ano e ainda tenho a volta para a faculdade que eu estou pretendendo terminar, não sei. Estou com sono agora e não vou escrever mais!


Rafaela Valverde

sexta-feira, 8 de março de 2013

Minha cadelinha Mili morreu. Estou em luto!

Hoje estou muito triste, mas muito triste mesmo. A minha cadela Mili que morava com a minha mãe morreu hoje, depois de uma linda vida de quase quinze anos. Foi calma, foi tranquila, amorosa e útil. Passou por muitos perrengues junto com a gente, teve uma cria com quatro filhotes uma vez e agora se foi. Uma vida inteira praticamente, já que ela chegou em nossa casa  recém nascida no início do ano de 1999 e nasceu no final do ano de 1998. Passamos momentos incríveis juntos. Crescemos em companhia da tão adorada Mili. O xodó da família e dos amigos. Conhecida das minhas amigas e dos amigos dos meus pais. É pena eu não ter uma foto dela on - line aqui para mostrar para vocês o quão encantadora foi a minha Mili. Nesse momento estou sentindo um aperto no peito, uma dor inenarrável e as lágrimas vem aos meus olhos sempre que me lembro dela. Passa um filme em minha cabeça  e sei que ela será inesquecível em nossas mentes e corações. E o pior é que eu nem pude dar o último adeus. Já tem algum tempo que a vi e ela estava meia ceguinha e surda, mas mesmo assim me reconheceu e me festejou com o olhar cheio de alegria como sempre. As mortes em 2013 começaram duras, pelo menos para mim. Pode parecer besteira para quem está de fora, mas para mim não é. O amor que temos aos nossos animais, ainda mais com tantos anos de convivência, não pode ser tratado como besteira. Fica aqui a minha homenagem a essa linda cadelinha que se foi e que amávamos tanto. Em um dia da mulher sem muito o que comemorar, infelizmente.

TRISTE DEMAIS!


Rafaela Valverde

quarta-feira, 6 de março de 2013

Morre Hugo Chaves e Chorão

Chorão/ Banda Charlie Brown Jr
Ontem tivemos a notícia da morte de Hugo Chaves, o presidente venezuelano recentemente reeleito, já no final do dia e hoje logo cedo ouvi a notícia da morte de Chorão no rádio. Fiquei muito abalada, de verdade. Senti um vazio, como se todas as minhas recordações de adolescência tivessem se evaporado. Nem sabia que era possível sentir algo assim por alguém tão distante de você e que você nem conhece, mas eu me senti triste. 

Pelo jeito o ano de 2013 será bem marcante, assim como 2012 no que se refere à morte de pessoas conhecidas e/ou famosas. Pois mal chegamos ao mês de março e já tivemos duas perdas. Espero que não, desejo vida longa a quem faz boas coisas e boa arte. Bom exceto por Chaves que não gostava de imprensa livre e era, apesar de ter investido bastante em educação e ter erradicado o analfabetismo (segundo matéria no Jornal Hoje de hoje), estava no poder há muito tempo e não era muito adepto à liberdade.

Enfim, mas morte é sempre morte e nunca saberemos lidar com ela direito, pelo menos é o que eu acho. E não sei mesmo como lidar com a morte e com o pós morte. Até mesmo quando se trata de pessoas que não conheço, imagina então com pessoas conhecidas?



Hugo Chaves









Rafaela Valverde

segunda-feira, 4 de março de 2013

Notinha de esclarecimento

Ontem eu não fui fazer a prova do concurso, fiquei com tanta raiva. Meu amado marido não me explicou direito onde saltar e como chegar ao meu destino, então eu perdi o ponto e acabei voltando para casa no mesmo ônibus em que fui. Chorei muito, me descabelei, gritei com ele e briguei, dizendo que ele era o culpado, mas depois me conformei que não tinha jeito mesmo. Como disseram minha sogra, minha mãe e minha vó, não era para ser. Pois bem, fui para a cozinha e fiz um monte de comida. Minha mãe veio aqui, almoçamos e passamos a tarde juntos e foi um domingo agradável apesar do gosto amargo da frustração que passou pela minha boca o dia inteiro. Com esse gosto aí, eu vou ter que conviver a vida toda, pois afinal de contas nem sempre nossos planos  saem como queremos. É isso, é só uma notinha de esclarecimento.

sábado, 2 de março de 2013

As águas de março

Estou de casa nova e andava sumida por que ainda não tinha colocado a internet, mas eu estou aqui agora firme e forte como sempre. Ainda estou com cinco gatos incluindo os três filhotes que a minha gata teve. A casa é pequena, só tem um quarto e o espaço é pouco e estou muito desesperada em arranjar alguém para adotá-los. Pois é e enquanto isso eles aprontam demais. Afinal são crianças descobrindo o mundo.

O mês de março começou bem produtivo. Amanhã tenho prova de um concurso do REDA do Ipac que é o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural. Estou super ansiosa. E também ontem fiz uma prova de um processo seletivo dentro da empresa. É, as coisas estão surgindo e eu estou me jogando nas oportunidades que estão aparecendo. Tanto que para isso vou pegar as minhas matérias à noite. Por que se surgir alguma oportunidade melhor durante o dia, eu vou me jogar. Sei que vai ser um grande sacrifício, mas é assim que tem que ser!

Faço questão de terminar meu curso, mas ainda não desisti do jornalismo e da área de comunicação. Então, depois de me formar como pedagoga, farei o meu tão sonhado curso de jornalismo. Bem, no momento, é só. Depois passo para contar mais novidades e deixo dessa ladainha de cursos e disciplinas e formação, educação, etc.

Nunca sabemos quais as surpresas que a vida nos reserva, portanto só nos resta esperar. Sentar e esperar para ver o que dá.  Essa é a dica que eu dou: esperar, mas nem tanto e nem ficar tão parada. A vida pode mudar a qualquer momento e o mundo dá voltas.


Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...