quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Em busca de respostas. Respostas que emagrecem e libertam!

Desde quando você se interessa em perder peso? Desde quando se importa com a saúde e as gordurinhas que se alojaram ano a ano em sua barriga? Que interesse é esse de ficar mais bonita e mais gostosa? Será que é mesmo repentino o desejo de ficar mais bonita e ter um corpo sarado, ou algo estava te reprimindo, te impedindo de querer ser menos gorda. O que será que te deixou acomodada durante todos esses anos? O que fez você achar que não gostava de atividade física e que gostava muito de comer, para reduzir e mudar o que comia? O que despertou em você a vontade de ir para uma academia se exercitar e de comer menos e coisas mais saudáveis? Chamo isso de acomodação mesmo. Pelo menos no que se refere a mim. Passei os últimos seis, sete anos (período que engordei progressivamente) em uma redoma que eu pensava que me fazia bem, mas não fez e não faz. Agora enxergo isso e vou sair dela, tão logo puder. E já começo voltando a malhar e reestruturar minha alimentação, prestando mais atenção ao que como, a quantidade e os horários. Prestando mais atenção nesses detalhes, substituindo alguns alimentos por exemplo (já comecei a fazer), e voltando a malhar, eu espero realmente começar a emagrecer. Claro que isso vem aos poucos, e ultimamente não ando tão paciente e determinada assim, mas farei o possível para não abandonar a academia novamente. Já sei que fiquei acomodada durante todos esses anos e engordei muito, sobretudo por conta do uso de anticoncepcionais, mas não quero mais ter esse corpo de 87 kg. Essa semana fui vestir uma roupa que adoro e ficou horrível em meu corpo e a partir de então tomei a decisão de voltar a caber nas minhas roupas. Estabeleci essa meta de caber em minhas roupas e de me sentir mais elegante e mais a vontade usando-as e essa razão talvez seja a resposta das perguntas que iniciei o texto. Perguntas essas que talvez esteja na cabeça das pessoas que estão ao meu redor. O fato que estou sentindo nesse momento da minha vida uma grande necessidade de me libertar. Libertas das amarras impostas pela sociedade (as poucas que ainda me pegam), me libertar do que os outros pensam e acham que eu devo fazer da minha vida e me libertar de qualquer coisa que ainda me deixe inerte, e sem vontade de agir, de tomar a iniciativa como estou nesse momento. Pelo menos algumas atitudes já foram tomadas e ao longo desse novo período talvez eu possa responder essas e muitas outras perguntas que passam na minha cabeça diariamente.



Rafaela Valverde

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cansei! Mas tenho coragem para chutar o balde?

A cada dia que passa eu me entendo menos. Não sei o que se passa na minha cabeça, para eu saber cada vez menos o que eu quero de verdade da vida. Nunca me satisfaço, sempre quero mais e melhor. Sempre quero diferente do que já tive e essa minha instabilidade emocional me faz sofrer. Fico amuada, pelos cantos, choramigando, sonho à noite, fecho a cara e faço bico, grito, reajo e sorrio, chego até a gargalhar, às vezes sem motivo. Isso tudo para disfarçar a minha instabilidade, o meu sofrer, a minha indecisão e a minha má vontade com a vida e todas as suas seções. A minha auto-estima vai lá para o chão e eu não consigo ver sinais de melhoras para isso que eu estou sentindo já  há algum tempo. Calar não ajuda em nada, sei que preciso desabafar com alguém, mas quem? Quem vai se habilitar a ouvir os meus lamentos as minhas queixas? Mas também penso que falar demais sobre o que nos atinge não faz bem e acaba por contaminar as pessoas que estão ao nosso redor. Prefiro ficar quieta, acuada igual a bicho do mato ameaçado, me calar e ir levando, empurrando com a barriga, deixando a própria vida decidir o que será de mim, a tomar algum tipo de decisão e chutar o balde. Portanto continuo assim, tendo altos e baixos, picos de tristeza, mal humor, depressão e dor, uma dor lancinante que insiste em crescer e a falta de coragem se enraíza de vez dentro de mim, me tornando a pessoa mais covarde que eu conheço. Eu não me cuido, eu não ligo para o que está ao meu redor, fico apática com as pessoas e com a vida e a minha infelicidade vai aumentando e me deixa ainda mais infeliz. Vou vivendo no automático, no standy by e que se exploda o mundo. Vida irônica, vida medíocre e vazia, que não dá vazão a nenhum tipo de esperança  de que algo dê certo e de que a minha cabeça pensante, pare e pense dois minutos em coisas mais relevantes para mim mesma do que para o futuro da humanidade. Que a humanidade se dane, que o social se dane, que a vida, a alegria, os sorrisos artificiais se danem. Cansei!



Rafaela Valverde

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Liberdade!

Ando descalça, mas mal consigo sentir o chão. Me sinto leve e nada mais nesse mundo vai ter a capacidade de me tirar dessa estado de maresia, inércia e amnésia. Sinto me como uma pluma, e fico sorrindo à toa, com cara de que está feliz demais para se importar em que está pisando. Percebo que me olham e eu continuo andando olhando para a frente, para o horizonte. Os pés no chão, sentindo algo familiar. De repente me dou conta de que estou pisando na areia de uma praia, de camisola, andando sorrindo com as ondas batendo em meus pés. Ah como é gostoso sentir a areia, como é bom sentir o cheiro do mar e a brisa fazendo o meu cabelo voar, como é bom andar sei lá pra onde e sorrir à toa sem medo de alguém lhe perguntar o porquê. A praia estava vazia e eu andava livre, como uma pássaro que ainda não foi pego por algum humano malvado, sem direção, sem saber para onde ia. Sem a obrigação de saber. Como é bom fugir das regras de vez em quando e andar de camisola na praia em plena à luz do dia! Dia esse que começara lindo, tudo nele era felicidade e nada podia acabar com  o que eu sentia naquele momento, pelo menos era a sensação que eu tinha, pelo menos era o que eu estava sentindo. O que eu estava sentindo? LIBERDADE! Cheguei a conclusão de que esse é o melhor sentimento que alguém pode ter, e repentinamente sai do transe em que estava e tomei consciência do que eu realmente queria na vida. ESSA LIBERDADE! Se ela me deixar mesmo, feliz assim, para sempre é ela mesmo que eu quero, é em sua companhia que quero viver, sem amarras, sem grilos e sem frustrações. Pouco a pouco senti o meu corpo sair da praia, mas a minha cabeça ainda estava lá. O meu espírito estava lá, mas o meu corpo abriu o olho e viu uma parede.  Olhei ao redor e estava deitada na cama. Levantei, mas permaneci sentada, me espreguiçando e tentando coadunar as ideias e os acontecimentos. Abri e fechei os olhos várias vezes e até mesmo tentei dormir de novo, para sonhar de novo, mas nada adiantou. Com desgosto tive que admitir que estava sonhando! A liberdade naquele momento, era apenas um sonho longínquo e distante. Levantei da cama, olhei pela janela e comecei a chorar de raiva, tristeza e decepção. Que começo de dia!




Rafaela Valverde

domingo, 28 de outubro de 2012

Temos um novo prefeito.

É, agora temos um novo prefeito. Eleito hoje em um acirrada disputa ACM Neto é o novo prefeito de Salvador, em detrimento do candidato do PT Nelson Pellegrino. Como eu já falei no Facebook, não votei em ninguém, pois é, pela primeira vez na minha vida, desde os dezesseis anos eu votei nulo, mas não tinha outro jeito, não confiava em nenhum dos dois e continuo sem confiar, mas acredito que nesse momento, devemos nos unir para tirar a nossa cidade da situação caótica em que ela está vivendo atualmente e não nos deixar levar por paixões políticas, fanáticas e que apenas nos cegam e nos impedem de ver a realidade. 

O fato é que tínhamos seis opções, o povo escolheu duas e dentre essas duas, tínhamos que escolher um candidato. Não podíamos nos abster de vez e escolher ninguém não é? Os Petistas não entendem isso, com a derrota, assim como os eleitores de ACM Neto não entenderiam se fosse o contrário, e seriam novamente levados pelo fanatismos e paixão exagerados. O fato é que alguém tinha que ganhar e a maioria escolheu ele. Ponto. Deve- se em primeiro lugar aprender a respeitar a opinião dos outros e depois pensar em fazer qualquer outra coisa. Ao invés de ficar choramingando pelos cantos, vamos agora arregaçar as mangas e estar junto do novo prefeito para governar, melhorar nossa cidade que está um LIXO. E principalmente para cobrar as promessas feitas ao longo da campanha. 

Algumas pessoas já estão dizendo que o Carlismo vai voltar. Não concordo com isso, o Carlismo não vai voltar por o avô de Neto que era quem tinha o temperamento do Carlismo, já morreu. São suas pessoas absolutamente diferentes, ao meu ver.

O fato e que temos um novo prefeito, literalmente, já que ele tem apenas 33 anos, com gás e que de certa forma pode ter em sua herança, um certo preparo para ocupar o cargo que vai ocupar a partir de primeiro de janeiro de 2013. Não sei como vai ser daqui pra frente, mas só acredito na melhora da nossa cidade, depois desse furacão que foi João Henrique, em quem eu votei duas vezes, inclusive. QUE DECEPÇÃO!

 As redes sociais estão aí para isso, para nos ajudar a cobrar, já que o próprio prefeito eleito tem uma página no twitter e é alimentada pelo próprio e/ou seus assessores. As redes sociais utilizadas de forma correta, madura, coerente e sensata podem ser grandes ferramentas nas mãos de quem realmente vai cobrar do prefeito eleito o que deve ser feito urgentemente pela nossa querida cidade.

Esperançosa sempre, até por que não dá pra piorar!


Rafaela Valverde

sábado, 27 de outubro de 2012

Inscrita na UNEB para 2013

Acabei de me inscrever para o vestibular da UNEB. Dá um novo ânimo voltar a essa fase de vestibulanda. Me inscrevi para o curso de Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas. É o que tem pra hoje, como costumam dizer por aí. Eu explico: não era exatamente o curso que eu queria, e ainda por cima, é no turno vespertino, mas o mais importante é estudar e com as disciplinas optativas na área de jornalismo e rádio vão me nortear em relação ao meu futuro profissional, se realmente vou ficar nessa área ou não. E além disso, ao contrário da UFBA, que está condicionada a prova do ENEM, que eu não me inscrevi, tenho a possibilidade de começar o curso já no ano que vem, no primeiro semestre se eu passar. Mas eu sei que vou passar e tão logo retornarei a minha amada e problemática universidade. Além de tudo é perto da empresa que eu trabalho. Se não mudar de ideia novamente daqui pra frente, pretendo mesmo concluir esse curso e em seguida se der certo eu engato no jornalismo. A minha mania de não ficar parada não ia mesmo deixar eu ficar parada e não me inscrever no vestibular da UNEB. A prova é em janeiro e vou tentar correr atrás dos livros para ler, apesar de estar suspensa na biblioteca central. O tempo é curto, a taxa do vestibular é cara e agora como estou trabalhando novamente, o tempo ficou curto. O que tenho certeza é que a comunicação, o jornalismo e o rádio sempre serão minhas paixões, além da educação é claro. Mas eu sinto uma grande necessidade de estudar, de tentar fazer esse curso, para ver se é isso que quero para mim. Não me importo em mudar de novo de opinião depois, se isso acontecer, não me interessa a opinião dos outros, o importante é a minha própria felicidade e satisfação. Nem para atingir essas duas coisas eu tenha que mudar de ideia, de opinião, de gosto e de vontade,cem vezes. Mas de verdade eu espero me encontrar de verdade e não me encontrar parcialmente e acabar abandonando de novo. Que venha 2013. Estou já na contagem regressiva!

Rafaela Valverde

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Entre outras metas: EMAGRECER!


Entrei numa de que quero emagrecer. Tenho três metas para o meu corpo em 2013. A primeira que foi inciada esse ano, foi a volta dos meus cachos e no ano que vem pretendo estar com uma cabelão cheio de cachos, a segunda coisa é usar lentes de contato e abandonar de vez os óculos e a terceira coisa é emagrecer. Pelo menos 20 quilos. Mas se emagrecer mais, melhor ainda, já que atualmente peso a bagatela de 87 kg. Volto para academia no próximo mês e agora já vou começar uma reeducação alimentar.

Descobri o blog Como Emagrecer hoje e trouxe algumas dicas que foram divulgadas por ele. Elas são:


  1. Divida suas refeições da seguinte maneira: desjejum, lanche, almoço, lanche, jantar e ceia, com intervalos de no máximo 3 horas.
  2. Evite pular alguma refeição, mesmo que você não sinta fome, pois quando a pessoa fica muitas horas sem comer pode ocorrer redução na concentração de glicose no sangue e você poderá sentir ansiedade, fadiga, náuseas, além de chegar na próxima refeição com muita fome.
  3. Ingira muito líquido durante o dia, no mínimo 2 litros, de preferência fora das refeições principais pois isto produzirá uma sensação de saciedade.
  4. Sempre que possível consuma verduras e legumes crus, pois apresentam um maior valor nutricional se comparados aos cozidos. Também são ricos em fibras, o que auxilia o funcionamento do intestino e apresentam um maior poder de saciedade.
  5. Procure praticar alguma atividade física, pelos seus inúmeros benefícios, tais como auxiliar no emagrecimento.
  6. Controle a quantidade de gordura e açúcar ingeridos. Na hora de preparar as refeições use o mínimo possível de óleo e dê preferência às carnes grelhadas, assadas ou cozidas. Quanto ao açúcar substitua por adoçantes.
  7. Utilize o sal com moderação para evitar a retenção de líquidos.
  8. Não desconte suas angustias, preocupações e ansiedades na comida; isso somente irá dificultar as coisas, tente resolver os problemas separadamente.
  9. Mastigue bem os alimentos, e aprenda a saboreá-los. O processo de mastigação estimula o centro da saciedade no cérebro. Isto leva em torno de 20 a 30 minutos para ocorrer, portanto evite comer muito rápido para não continuar sentindo fome e conseqüentemente comer mais.
  10. Procure iniciar o almoço e o jantar com salada, pois a tendência será controlar o consumo do prato quente.
  11. Dê preferência aos alimentos light, pois fornecem em média 30% menos gorduras e cuidado com os produtos dietéticos, eles nem sempre tem baixas calorias.
  12. Ao se exceder na alimentação aumente a atividade física.
  13. Evite ter em casa produtos que, no momento, você deve evitar, para não cair na tentação.
  14. Apaixone-se por você, cultive a auto-imagem e o pensamento positivo. Esta é a maior motivação para continuar a dieta.
  15. Use e abuse dos chás de erva-cidreira, erva-doce, camomila, etc. Evite os chás com cafeína, como o preto e o mate pois eles deixam você mais ansioso.
  16. Prefira alimentos integrais ao invés dos refinados. Eles contêm mais fibras e nutrientes.




Ordem e progresso???

Lidar com pessoas é a coisa mais difícil que foi inventada. A vida em sociedade é muito complicada e tenho provas disso todos os dias. Hoje resolvi mais uma vez e a falta de opção também me levou a ir para Estação Pirajá, a estação que considero a segunda maior estação da cidade e mais uma vez tive a comprovação da falta de educação e civilidade de nós soteropolitanos. A fila para meu bairro estava como sempre imensa e como em toda sexta feira, um terrível engarrafamento. O motorista não parou na fila corretamente e o ônibus só tem duas portas, ou seja, inexiste aquela do meio, que facilita o embarque e desembarque e então ele parou em qualquer lugar e houve invasão. Pessoas que estavam bem atrás de mim, foram sentadas e eu fui em pé e ainda ficaram rindo, satisfeitas com o que haviam feito. A esperteza, o querer se dar bem em cima dos outros, o jeitinho brasileiro, é um traço forte de nossa cultura e costuma ter bastante adeptos, isso me preocupa e até me estressa, me irrita mesmo. Fiquei irritada por que entrei na fila, agi de forma correta e acabei me dando mal e ainda presenciei os mais espertos sentados e rindo alegres e satisfeitos como se estivessem mais cansados do que todas as outras pessoas. Até quando continuaremos utilizando a máxima do "farinha pouca,meu pirão primeiro"? Até quando as pessoas vão continuar se achando as mais espertas para burlar as regras, para prejudicar alguém  e sair como melhor? Seremos considerados uma país corrupto, desonesto e anti-ético eternamente se continuarmos com essas atitudes egoístas e que beneficiam apenas o individual e não o coletivo, não o social. Os outros que se danem afinal.

Mudaremos algum dia?


Rafaela Valverde

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

As pessoas

Ao longo da vida nos deparamos com vários tipos de pessoas. Atualmente convivo com poucas pessoas, mas agora que voltei a trabalhar, passo a ter mais contatos com pessoas diferentes. E acabo tendo que confessar que entendo cada vez menos a natureza humana. Hoje em um simples jogos com os conteúdos dados em treinamento, pude observar o quanto podemos ser mesquinhos, imaturos e tornar as coisas piores para a gente, para os nossos colegas e demais pessoas que convivem com a gente. Costumo sempre me incluir no "bolo" pois faço parte da raça humana e é claro possuo os mesmos defeitos que todo mundo, porém eu já aprendi a me controlar e a maturidade já surgiu na minha vida há alguns anos. Muitas vezes as pessoas não compreendem que existe hora para tudo nessa vida, hora para brincar, para rir, para falar o que pensa e existe hora também para se calar. Agir por impulso também é um grande problema, principalmente no ambiente de trabalho, mas acabamos agindo assim, sem ao menos nos dar o trabalho de nos policiar. Essas capacidades de se policiar, de auto controle, de entender os momentos certos para todas as coisas, são muito importantes em nossa vida e não só na área profissional. Precisamos dessas competências em relacionamentos, em amizades e em tudo mais que possa surgir em nossa vida pessoal. Inclusive nas adversidades da vida. Elas exigem muito jogo de cintura, inteligência emocional e saber viver cada momento e saber como agir em cada situação da vida. O que não dá é para confundir tudo e fazer e falar coisas impróprias no ambiente de trabalho e ser muito sisudo na vida pessoal. O que deve haver em tudo na vida, é o equilíbrio. 


Rafaela Valverde

domingo, 21 de outubro de 2012

Diversidade de pessoas me atrai

Estar em meio a pessoas diversas e diferentes em seus modos de ser, de agir de pensar e de se vestir nós dá uma ótima oportunidade de conhecer vários tipos de pessoas. Realmente gosto de observar pessoas diferentes, gosto de conviver com pessoas que se vestem e agem de forma não convencional, por exemplo. Que são o oposto do que a sociedade espera que sejam. Estou tendo essa oportunidade mais uma vez de contemplar tantas pessoas juntas, com seu estilo de cabelo, de roupas, enfim, com seu próprio jeito de ser. Conhecer e apreciar a diversidade humana em todos os sentidos, físicos, mentais, cognitivos, pessoais, para mim é o primeiro passo para o respeito mútuo e minimização de preconceitos e pré julgamentos de quem quer que seja. Empresas grandes e que não exigem uma farda por exemplo, que uniformize todo mundo, acaba por ressaltar essa diversidade e essas diversidades pessoais e particulares de cada pessoa. Pode parecer uma coisa besta, mas eu observo muito cada pessoa e suas peculiaridades. Sempre fui observadora e quanto mais diferente a pessoa melhor.

Rafaela Valverde

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Charge da Metrópole (Interessante)


A esperança que insuflamos

Hoje eu estou me sentindo esperançosa. A esperança não deve vir de fora, do nosso ambiente externo e sim de nós. Nós a insuflamos dentro de nós e quando em contato com o ambiente externo e a depender dos acontecimentos externos, ela, a esperança aumenta ou não. Mas estou com os picos de esperança em níveis mais altos do que eu já achei que seria possível. Não dá para entender como isso surge, você apenas sente ao longo dos dias, dos meses, e conforme as coisas vão acontecendo vamos ficando mais corajosos e incentivados a continuar com a vida, em seu curso normal, como eu disse no post de ontem, vamos vivendo as nossas vidas, trabalhando estudando, casando, tendo filhos, e nos realizando pessoal e profissionalmente. Para tanto precisamos primeiramente cultivar a esperança. E ignorantemente afirmo que esperança vem de esperar, esperar sempre que a vida melhore, a situação da vida melhore. Até por que não dá para esperar que piore, pois em determinadas ocasiões que a coisa está ruim mesmo, se não acreditarmos na melhora e sim na possibilidade de piorar, realmente pode piorar e então como a gente fica? Se piorar uma situação que já é ruim, não vais ser um caos em nossas vidas? Então, prefiro acreditar que sempre é possível melhorar, sempre é possível progredir e a esperança é o primeiro sentimento que deve ser adquirido.

Rafaela Valverde

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Procurando sentidos através de nossas próprias vontades

Passamos o tempo todo de nossas vidas buscando um sentido para viver, uma razão, um motivo para a vida. Quando somos crianças esperamos crescer logo pois achamos que a nossa vida de adulto vai ser perfeita e maravilhosa. Quando finalmente nos tornamos adultos acabamos sendo absorvidos pela nossa sociedade e pela cultura em que vivem as demais pessoas da sociedade, a vida vira uma droga e queremos voltar a ser crianças. Com isso vamos trabalhar, estudar, casar, ter filhos, etc, etc. E acabamos em algumas vezes e em alguns segmentos da vida seguindo os exemplos de nossos pais, como bem dizia Elis Regina na música 'Como nossos pais' que eu adoro. Acabamos na verdade seguindo os passos, a cultura e os pensamentos de nossos pais, para tentar encontrar sentido de uma vida em uma época diferente. Não faz sentido. O fato é que mesmo buscando novos passos ou imitando nossos pais sempre e em qualquer circunstância vamos tentar encontrar sentidos e razões para a nossa existência. Não podemos estar sem fazer nada, principalmente nesse mundo capitalista e competitivo. Temos sempre que "correr atrás para melhorar de vida", e "procurar empregos e carreiras que paguem bem". Essa é a nossa "felicidade", esse é  sentido que acabamos dando. Trabalhe, estude, corra atrás, cresça, lute, não desista, não caia, etc. Quando a gente cresce, tem que entrar na universidade e começar a trabalhar, logo em seguida temos que casar, depois que casamos vem a cobrança sobre o filho, quando temos o filho vem a cobrança do outro, a cobrança da educação e vida sucedida dos seus filhos e a sua. Você tem que se formar, fazer pós- graduação, estudar inglês, viajar uma vez por ano pelo menos e postar as fotos da viagem nas redes sociais, de preferência pelo Istangram, pois você TEM que ter um Iphone, já que você é bem sucedido. Tem que fazer uma previdência privada, ter um carro, pagar colégio particular para os filhos e assim vai vivendo a vida. Somos o tempo todo comandados como foram nossos pais e acabamos seguindo os comandos igualzinho a eles. Só que a época é outra e justamente por isso devemos nos livrar das amarras sociais e viver as nossas vidas conforme nossas próprias vontades, para dessa forma encontrar sentidos para viver, que vem todos os dias quando nos realizamos com as NOSSAS PRÓPRIAS VONTADES.


Rafaela Valverde

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Segunda chance para a vida

Essa semana eu me senti contemplada com uma segunda chance. Sabe quando você olha para trás e percebe como agiu estupidamente e quer fazer de tudo para fazer diferente e preza muito uma nova chance, uma segunda chance? Estou me sentindo assim esses dias. É uma sensação boa poder agir de forma diferente. poder ser uma pessoa diferente. Não dá para mensurar o quão é boa essa sensação. Aí a gente passa a entender o quanto é importante para alguém a oportunidade de ter uma segunda chance. Um momento para fazer diferente. E quem sabe até esse segundo momento dure mais, seja mais gratificante e renda frutos até inesperados. Estou confiante e feliz com essa nova oportunidade que ganhei da vida. Agradeço a Deus pela dádiva de viver e de amadurecer a cada dia. Sempre Ele nos mostra o quanto podemos ser ainda melhores, o quanto podemos ter autonomia e livre arbítrio em nossa vida terrena, sem precisar de nada que noas prenda a nenhum reino dos céus. Brindo a vida, acima de tudo e agradeço, agradeço e agradeço. A cada dia me convenço que todo mundo é digno de uma nova chance, uma nova oportunidade, e um olhar para trás, para o passado, para os nossos erros é o ponto de partida para o recomeço, por que só assim, observando o que foi feito de nós e os erros que cometemos é que temos a consciência de que temos de fazer diferente para continuar as mudanças de nossas vidas.

Rafaela Valverde

sábado, 13 de outubro de 2012

De onde vem a calma - Los Hermanos

 


Amo!


Rafaela Valverde

O mundo muda no ritmo da tecnologia

Estar sentada na frente do computador hoje em dia, não é mais o que era há sete anos quando resolvi entrar nesse mundo virtual. É, o tempo passa rápido mesmo e fico me perguntando quando, e se algum dia nós imaginávamos e se nossos pais imaginavam que iam poder interagir com artistas famosos através de redes sociais como o Facebook e o Twitter, principalmente o Twitter. Ainda não sei bem a explicação de o microblog atrair tantos artistas. Mas o fato é que sentar na frente de um computador, um notebook, um tablet, e até um celular, enfim, qualquer lugar onde se possa acessar as redes sociais é diferente hoje, até por que há poucos anos atrás isso nem era possível. Não havia redes sociais e não estávamos conectados o tempo todo. O mundo mudou e muda a cada instante. Eu é claro adoro a tecnologia e aplaudo diariamente suas conquistas, porém como tudo que acontece em nosso mundo, tem lá seus defeitos. Mas a liberdade que ela nos seu e dá todos os dias, a capacidade de comunicação e interação com várias pessoas independente de onde elas estejam e a possibilidade de se informar e de obter conhecimento através das novas mídias, não tem preço, não há como mensurar esses benefícios que adquirimos ao longo desse tempo e desse progresso tecnológico. Esses benefícios para mim, superam os defeitos que vem primeiramente a partir do uso excessivo e incorreto dessas mídias. Portanto cabe o uso consciente e responsável e o entendimento de que a vida real é melhor e deve ser bem vivida fora das redes sociais. Isso só podemos conseguir através de uma boa educação dada a nossos filhos em casa, mas a escola também pode e deve interferir na educação digital.


Rafaela Valverde

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Minha infância e meus dias das crianças

Nunca mais o mundo foi o mesmo da minha infância e nunca mais vai ser. Hoje assisti alguns programas de dez, doze anos atrás, e senti sim saudades de algumas coisas. Como por exemplo, o envio de cartas e a boa ansiedade que a espera do recebimento da resposta causava. As roupas que chamamos hoje de bregas e cafonas eram bastante confortáveis e realmente adequadas ao estilo e corpo da pessoa, víamos pessoas gordinhas na TV com mais frequência. Mas não gordinha, gordinha. Pessoas com seus corpos normais, sem a necessidade de dietas, cabelos lisos, e tantos outros padrões de beleza que hoje em dia são tão cobrados pela mídia e que afeta já a nossas crianças que por conta do grande avanço tecnológico tem acesso a todos esses padrões, podendo ignorar seu próprio jeito de ser, seu corpo, sua própria beleza, estilo de se vestir, etc. Senti saudade desse período dos anos 90 ontem ao ouvir uma matéria no programa Sinta-se bem com Olga Goulart na Rádio Metrópole, com todos os programas que regiam a nossa vida nessa época. TV Colosso, Os trapalhões, e vários outros programas e desenhos animados. Lembro de entrar em casa para tomar banho no final da tarde e assistir Escolinha do Professor Raimundo, com a família, antes da novela das seis. Sempre fui ligada em novela, por influência de minha mãe é claro, que sempre adorou acompanhar as tramas. Sinto o cheiro de vitamina de banana com biscoito de coco. E ainda tinha o mirabel e a alimbinha que eu e minha irmã sempre levávamos para a escola. Enfim quando chega essa época de dia das crianças sempre me lembro da minha infância que foi boa, apesar de alguns percalços. Lembro quando acordávamos cedo no feriado para ganhar o presente que já sabíamos estar comprados escondidos em casa. Isso tudo era muito gostoso e tenho muita saudade. Espero poder proporcionar bons dias das crianças aos meus futuros filhos.


Rafaela Valverde

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Coisas ruins que acontecem...

Tem coisas que acontecem que faz a gente se perguntar o que poderia ter feito para que não acontecesse, ou para que acontecesse de maneira diferente. Quando pensamos que tudo vai começar a dar certo acontece uma coisa e nos dá um baque. Sabe aquele baque que nos faz estremecer e se sentir sem chão? Foi assim que eu me senti hoje. Saí para resolver um problema e resolvi, mas o que poderia ter me deixado tranquila e aliviada, acabou abrindo espaço para outra coisa acontecer e assim, vou ter problemas para resolver mais esse problema. Não dá para entender, o que posso fazer é me conformar com as coisas injustas que me acontecem e que eu não tenho como evitar. Em casos como esse por exemplo, eu tive parcela de culpa, pois estava tão agoniada e dispersa que não tive o cuidado necessário para evitar isso.

Mas agora já foi e eu não posso mais evitar, bola pra frente!


Rafaela Valverde

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Os assuntos da semana: Eleições e Horário de Verão na Bahia

Charge da Metrópole
E o assunto preferido na cidade continua sendo as eleições.As pessoas ainda falam sobre a eleição como um todo, sobre a campanha, o dia das eleições e o resultado dos dois candidatos que vão para o segundo turno. As pessoas na verdade estão divididas entre os dois partidos e dois candidatos e a vida vai continuando com comentários aqui e ali sobre o resultado. Ainda estamos em clima eleitoral em nossa cidade, pois as placas ainda não foram retiradas em sua totalidade e os muros ainda estão pintados, e fora os santinhos que ainda estão nas ruas desde domingo. Além disso tudo, há o assunto que não quer morrer e todo dia sai alguma notícia sobre as eleições no primeiro e no segundo turno que ainda há de vir. Quem vai apoiar quem, quem votou em quem, se a área rica da cidade votou em um e a área pobre votou em outro, etc. Os vereadores eleitos também acaba sendo o outro assunto preferido da semana. Aqui em Salvador, assim como em São Paulo as subcelebridades que se candidataram não conseguiram se eleger. O horário político recomeça no sábado e lá vamos nós novamente para um novo pleito, e só aí o assunto vai morrer, ou não. Espero que não, espero que as pessoas continuem discutindo a nossa política e a nossa vida pública, para que tenhamos no futuro processos eleitorais melhores, mais dinâmicos e mais democráticos.

O outro assunto mais falado em nossa cidade e em nosso estado é o horário de verão e assim como os dois candidatos do pleito do segundo turno, há quem odeie e quem ame e a polêmica continua. No ano passado, o primeiro ano em oito anos com o horário de verão, eu saía  antes de cinco e meia da manhã e estava tudo escuro.Morria de medo, mas em compensação chegava em casa às seis e meia, com tudo claro ainda. Esse ano não saio cedo e nem chego à noite e nem à tarde. (Que reviravolta, não?) Mas isso vai mudar! 

Todos devem adiantar o relógio em hora, a partir do dia 21/10
Não odeio, nem amo o horário de verão, pois sei que ele tem suas qualidades e defeitos e concordo com o argumento do governador (ARGH!) quando ele diz que a Bahia deve se igualar com o resto do país, já que segundo ele, somos a sexta economia do Brasil e devemos almejar ainda mais evolução e estar em pé de igualdade com as regiões sudeste e sul no que diz respeito ao avanço financeiro e todos os outros avanços. Porém, quando lembro de como ele mantém nossa segurança pública e de como nos sentimos amedrontado em sair de casa em certas ocasiões, lembro o quanto a população pobre e trabalhadora sofre, mas infelizmente temos que viver conforme as determinações do nosso governador, pois em um país democrático o que vale é a palavra do gestor, não é mesmo? Afinal, democracia não significa governo do povo, não é mesmo? O que aprendemos na escola sobre essa palavrinha, acaba virando balela nessas horas.




Rafaela Valverde

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A vida linear existe?

Eu fico fazendo preces, fico pedindo, implorando uma chance, só uma. Mas pedindo a quem? Não sei. Que chance? Para quê chance? Pelo que eu percebo diariamente a minha vida é uma incógnita cheia de perguntas sem respostas. Todo dia fico imaginando o que vai ser daqui pra frente, mas as coisas nunca saem como eu imagino. Será que eu imagino um paraíso muito fantasioso ou as coisas dão errado quando tem que dar mesmo? Eu espero o melhor para a minha vida, eu espero que meus sonhos se realizem, que meus planos se concretizem e que tudo saia como eu planejo. Nem sempre se realizam, se concretizam e quase nada sai do jeito que eu quero.
Em vários momentos do dia, me pego pedindo a alguém lá em cima para que as coisas tomem pé, se encaixem em seus devidos lugares e finalmente deem certo. Só para lembrar que dar certo é sair como eu quero, como eu desejo e como eu espero que vai ser melhor para mim. E realmente esse critério é o principal, já que o que acredito, o que corro atrás o que eu quero que dê certo para mim tem que dar mesmo. Mas essa situação de preces é chata, viu? Eu gostaria que minha vida corresse linearmente como um rio, sem desníveis e sem desvios. Dizem que se fosse assim a vida não teria graça, o povo diz, mas mesmo assim eu gostaria que fosse desse jeito, chata, mas que tudo que eu quisesse acontecesse.


Rafaela Valverde

Imagem do Facebook


O meu dia como presidente de mesa foi tranquilo, fora alguns incômodos...

Mesários
Ontem acordei às seis da manhã, tomei café, banho e saí para encarar mais uma eleição. Cheguei na minha seção às 06:55 e fui logo pegar a urna. Estava sozinha ainda, pois os demais mesários ainda não haviam chegado e iniciei o processo de montagem da urna, mas não fiquei muito tempo sozinha, pois logo a minha equipe chegou e terminamos juntas o trabalho de organizar a seção. 

Às oito inciamos o processo de votação e tivemos certa tranquilidade nesse início de votação. Na verdade tivemos um ambiente tranquilo ao longo de todo o dia, apenas com poucas filas e duas pequenas ocorrências que logo foram resolvidas, no mais foi tudo bem calmo. Até as justificativas foram menores do que as da outra vez que fui mesária há dois anos. Até por que a localização da seção foi mais longe da entrada, do que a da outra vez. Comecei a finalizar as obrigações antes das 16:30, preenchendo ata e assinando tudo juntamente com os outros mesários, para agilizar a nossa volta para casa. 

Encerrei a votação às 17:00 em ponto, liberei as meninas e fiquei lá até quase 18:00, pois como presidente, tenho que aguardar em uma fila para entregar a urna e os demais materiais para a conferência e assim pude voltar para casa, sem antes ter que passar pela balbúrdia que as pessoas estavam fazendo pelas ruas. Tanto santinho nos chãos, gente bebendo, dançando, muito som de carro e várias pessoas aglomeradas. Uma bagunça total, que povo educado. E fora a boca de urna que é crime.

Santinhos emporcalhando a cidade
Quando vim para casa almoçar, várias pessoas me abordaram tentando me dar santinhos de candidatos, mas eu recusava e sempre informava que já havia votado, o que era verdade. A seção estava tão tranquila que pudemos votar de manhã, logo.

Uma criminosa que além de tudo era chata, feia e insistente, me ofereceu um santinho e eu prontamente recusei já que já havia votado e ela chegou no meu ouvido (era a única forma de escutar alguma coisa!) e disse aos berros que educação é tudo, sorrindo maliciosamente. Agora, quem é ela para me falar de educação. No meio da rua fazendo BOCA DE URNA e vem me falar de educação! Mas veja!

Aí eu respondi educadamente: "Eu já votei, sua baranga!".Quem essas pessoas pensam que são ao tratar as outras assim, impondo alguma coisa, alguma ideia, ou até mesmo um santinho. Fico me perguntando até que ponto vamos levar as coisas do jeito que estão. Nenhum valor, nenhuma ética, nenhum respeito, nenhuma educação, nenhuma ordem pública, etc etc, etc.

E o dia que era para ser o dia da democracia, vira o dia da bagunça organizada!

Triste Brasil.

Rafaela Valverde

domingo, 7 de outubro de 2012

Uma pequena observação sobre a eleição

Mais uma missão cumprida. A minha primeira vez como presidente de mesa foi bem tranquilo e eu gostei bastante. Na minha seção, o candidato do PT que nem vou citar o nome, até por que todo mundo já sabe, ganhou. Agora, eu não consigo entender como o povo ainda vota no PT. Não entra na minha cabeça! MENSALÃO, GREVES, DESCASO, NÃO CUMPRIMENTO DE LEIS, ACORDOS E DETERMINAÇÕES JUDICIAIS. Ah! Deve ser por causa das bolsas famílias e cotas não temporárias (e que deveriam!), as bolsas do PROUNI para quem nem sabe ler direito e pesca nas provas, levar o canudinho e dizer que tem nível superior. Vamos continuar a decadência. Lamentável e bem que me dizem sempre que cada povo com o governo que merece! Estou indignada!

sábado, 6 de outubro de 2012

Ganhei outra oportunidade.

Essa semana foi bem cansativa, saí de terça até ontem, para fazer seleção e depois para providenciar tudo para a contratação. Fiz exame médico, tive problema com o Bradesco mais uma vez, mas consegui reativar minha conta, uma conta antiga que meu pai abriu para mim quando trabalhei no Mc Donalds. Eu tinha dezesseis anos.

Consegui levar toda a documentação para a empresa ontem e agora é só esperar chamarem para iniciar o treinamento. Devo dizer que mais uma vez vou voltar para a área de call center, mas dessa vez vou voltar bem diferente, com uma cabeça mais amadurecida e não vou querer peitar ninguém como costumava fazer. Vou ser uma pessoa calma e profissional. Isso eu aprendi no SAC, no período de mais de um ano que trabalhei lá dando entrada em seguros desemprego. 

Preciso trabalhar. É questão de sobrevivência e dignidade e dessa vez, como tenho em mente um foco, pretendo ficar um período mais longo nessa empresa, que é a Atento. Tenho vários planos e estou construindo minha casa, então espero que me chamem logo e que dê tudo certo. Eu já trabalhei lá, mas fiquei por pouco tempo e acabei saindo no período de experiência, por um equívoco que não vale a pena e eu nem quero falar aqui. Mas quero voltar e no momento foi o que Deus me deu e eu confio nele.

Não ia escrever nada aqui e nem sair por aí divulgando até ser chamada e começar o treinamento, mas resolvi trazer logo essa informação, por que disse que ia manter o blog atualizado sobre as minha andanças em prol de arranjar emprego. Pronto, está tudo certo. Só estou esperando me chamarem.

Gostaria de falar um pouco sobre  a nova sede da empresa no bairro do Uruguai, aqui em Salvador. O prédio é muito lindo, moderno e estruturado. Fiquei encantada. É enorme e como disse o meu marido, parece um shopping. Esse prédio só trabalha com o produto Itaú. Então dá para perceber que esse produto gera muito dinheiro e empregos.

Para quem tiver interesse, ainda tem vagas e eu fiz a seleção através do Sine Bahia e SIMM.

Me desejem sorte. Trarei mais novidades depois.

Amanhã tem eleição!


Rafaela Valverde

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Estou me sentindo estuprada também.

As coisas continuam indo de mal a pior ao que me parece. Por que? Por que continuamos perpetuando e reproduzindo atitudes machistas e crimes de violência contra as mulheres. Como? Soltando dez estupradores. Achei desde o início que eles eram culpados mesmo. As caras e  o estilo musical não negam e não venham me chamar de preconceituosa por que nesse caso há coisa pior que preconceito em jogo. São os machões, os garanhões que podem pegar todas e sair "de boa". Aquela velha e detestável frase: "Quem tem suas cabritas prendam por que meu bode está solto." Sei lá é alguma coisa mais ou menos assim. Mas para não fugir muito do tema quero falar mesmo sobre o caso New Hit e a condescendência com que a nossa sociedade vem tratando esse caso. Ontem foram soltos e hoje soube através do tele jornal local que já vão fazer até show em Salvador. Ah, e as suas músicas (?) continuam sendo tocadas nos celulares dentro do ônibus, em sons de carro e em residências. Isso para mim é uma demonstração de apoios ao ato "heroico" dos machões que só são inocentes, e só fizeram isso por que elas se ofereceram, elas deram por que quiseram. Quantas vezes eu ouvi isso. "Quem mandou ir pegar autógrafo? Agora aguenta!"

Queria ver se fosse mulheres, professoras, por exemplo que tivessem abusado sexualmente de seus alunos do sexo masculino e menores de idade. Elas iam ser execradas, julgadas, pisoteadas, humilhadas e correriam sérios riscos de perder a carreira, ou seja perder a profissão, a dignidade, enfim. Seriam rechaçadas como foi a professora do "todo enfiado" de alguns anos atrás. Para quem não lembra desse caso, a professora foi filmada dançando em um show de uma banda que não vale nem a pena citar o nome, onde ele levantou a saia dela e puxou a sua calcinha fio dental. Ela perdeu o emprego, foi chamada de vadia durante muito tempo, teve sua vida invadida, sua família exposta e a história explorada até nos cansar e caiu mais uma vez no esquecimento.

Agora como é que a vida pessoal de alguém pode interferir e manchar a sua carreira? Enquanto a banda estava em "ambiente de trabalho", quando ocorreu o fato e não tiveram a sua carreira manchada e destruída. Ao contrário, vão fazer show com patrocínios gigantes que poderiam estar patrocinando coisas mais úteis como o teatro por exemplo, mas isso é assunto de outro post. Agora eu quero falar sobre a diferença de gênero nesse caso, por que a professora  não cometeu nenhum crime, ao contrário dos "deliquentezinhos" que cometeram um crime bárbaro com duas meninas menores de idade que nunca mais esquecerão a violência sofrida.

Professora Jaqueline no show

A professora estava em um momento de desconcentração, em um final de semana e teve o azar de ser filmada e ser exposta na internet, por que se não fosse por isso, ninguém ia saber o que aconteceu naquele show aquela noite. E quantas outras pessoas não se comportam dessa forma quando bebem demais? Profissionais respeitados perdem a linha em momentos de folga. E ela, por que é mulher foi tratada dessa forma absolutamente humilhante enquanto os homens estão sendo quase perdoados pela sociedade e pela justiça que possibilita que eles cometam novamente esse crime horroroso de uma forma ainda pior. Se é que isso é possível piorar.









Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...