quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Um pouco sobre Jean Piaget


Desde muito cedo Jean Piaget demonstrou sua capacidade de observação. Aos onze anos percebeu um melro albino em uma praça de sua cidade. A observação deste pássaro gerou seu primeiro trabalho científico. Formado em Biologia interessou-se por pesquisar sobre o desenvolvimento do conhecimento nos seres humanos. As teorias de Jean Piaget, portanto, tentam nos explicar como se desenvolve a inteligência nos seres humanos. Daí o nome dado a sua ciência de Epistemologia Genética, que é entendida como o estudo dos mecanismos do aumento dos conhecimentos.
      Convém esclarecer que as teorias de Piaget têm comprovação em bases científicas. Ou seja, ele não somente descreveu o processo de desenvolvimento da inteligência mas, experimentalmente, comprovou suas teses.
      Resumir a teoria de Jean Piaget não é uma tarefa fácil, pois sua obra tem mais páginas que a Enciclopédia Britânica. Desde que se interessou por desvendar o desenvolvimento da inteligência humana, Piaget trabalhou compulsivamente em seu objetivo, até às vésperas de sua morte, em 1980, aos oitenta e quatro anos, deixando escrito aproximadamente setenta livros e mais de quatrocentos artigos. Repassamos aqui algumas idéias centrais de sua teoria, com a colaboração do “Glossário de Termos”.


      1 - A inteligência para Piaget é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e, como tal, implica a construção contínua de novas estruturas. Esta adaptação refere-se ao mundo exterior, como toda adaptação biológica. Desta forma, os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam. O que vale também dizer que a inteligência humana pode ser exercitada, buscando um aperfeiçoamento de potencialidades, que evolui "desde o nível mais primitivo da existência, caracterizado por trocas bioquímicas até o nível das trocas simbólicas" (RAMOZZI-CHIAROTTINO apud CHIABAI, 1990, p. 3).


      2 - Para Piaget o comportamento dos seres vivos não é inato, nem resultado de condicionamentos. Para ele o comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. Esta teoria epistemológica (epistemo = conhecimento; e logia = estudo) é caracterizada como interacionista. A inteligência do indivíduo, como adaptação a situações novas, portanto, está relacionada com a complexidade desta interação do indivíduo com o meio. Em outras palavras, quanto mais complexa for esta interação, mais “inteligente” será o indivíduo. As teorias piagetianas abrem campo de estudo não somente para a psicologia do desenvolvimento, mas também para a sociologia e para a antropologia, além de permitir que os pedagogos tracem uma metodologia baseada em suas descobertas.


      3 - “Não existe estrutura sem gênese, nem gênese sem estrutura” (Piaget). Ou seja, a estrutura de maturação do indivíduo sofre um processo genético e a gênese depende de uma estrutura de maturação. Sua teoria nos mostra que o indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo. Ou seja, se puder agir sobre o objeto de conhecimento para inserí-lo num sistema de relações. Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um conhecimento anterior para poder assimilá-lo e transformá-lo. O que implica os dois pólos da atividade inteligente: assimilação e acomodação. É assimilação na medida em que incorpora a seus quadros todo o dado da experiência ou ëstruturação por incorporação da realidade exterior a formas devidas à atividade do sujeito (Piaget, 1982). É acomodação na medida em que a estrutura se modifica em função do meio, de suas variações. A adaptação intelectual constitui-se então em um "equilíbrio progressivo entre um mecanismo assimilador e uma acomodação complementar" (Piaget, 1982). Piaget situa, segundo Dolle, o problema epistemológico, o do conhecimento, ao nível de uma interação entre o sujeito e o objeto. E "essa dialética resolve todos os conflitos nascidos das teorias, associacionistas, empiristas, genéticas sem estrutura, estruturalistas sem gênese, etc. ... e permite seguir fases sucessivas da construção progressiva do conhecimento" (1974, p. 52).


      4 - O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos. Piaget diz que a embriologia humana evolui também após o nascimento, criando estruturas cada vez mais complexas. A construção da inteligência dá-se portanto em etapas sucessivas, com complexidades crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de “construtivismo sequencial”.


      A seguir os períodos em que se dá este desenvolvimento motor, verbal e mental.


      A. Período Sensório-Motor - do nascimento aos 2 anos, aproximadamente.
      A ausência da função semiótica é a principal característica deste período. A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) e das ações (motor) através dos deslocamentos do próprio corpo. É uma inteligência iminentemente prática. Sua linguagem vai da ecolalia (repetição de sílabas) à palavra-frase ("água" para dizer que quer beber água) já que não representa mentalmente o objeto e as ações. Sua conduta social, neste período, é de isolamento e indiferenciação (o mundo é ele).


      B. Período Simbólico - dos 2 anos aos 4 anos, aproximadamente.
      Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem, do desenho, da imitação, da dramatização, etc.. Podendo criar imagens mentais na ausência do objeto ou da ação é o período da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico. Com a capacidade de formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfação de seu prazer (uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). É também o período em que o indivíduo “dá alma” (animismo) aos objetos ("o carro do papai foi 'dormir' na garagem"). A linguagem está a nível de monólogo coletivo, ou seja, todos falam ao mesmo tempo sem que respondam as argumentações dos outros. Duas crianças “conversando” dizem frases que não têm relação com a frase que o outro está dizendo. Sua socialização é vivida de forma isolada, mas dentro do coletivo. Não há liderança e os pares são constantemente trocados.
      Existem outras características do pensamento simbólico que não estão sendo mencionadas aqui, uma vez que a proposta é de sintetizar as idéias de Jean Piaget, como por exemplo o nominalismo (dar nomes às coisas das quais não sabe o nome ainda), superdeterminação (“teimosia”), egocentrismo (tudo é “meu”), etc.


      C. Período Intuitivo - dos 4 anos aos 7 anos, aproximadamente.
      Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “idade dos porquês”, pois o indíviduo pergunta o tempo todo. Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a fantasia sem que acredite nela. Seu pensamento continua centrado no seu próprio ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e conjuntos sem no entanto incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no conjunto de flores, por exemplo). Quanto à linguagem não mantém uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às palavras do companheiro.
      Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente apresentados como Período Pré-Operatório.


      D. Período Operatório Concreto - dos 7 anos aos 11 anos, aproximadamente.
      É o período em que o indivíduo consolida as conservações de número, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenar elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, organizando então o mundo de forma lógica ou operatória. Sua organização social é a de bando, podendo participar de grupos maiores, chefiando e admitindo a chefia. Já podem compreender regras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos. A conversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada), sem que no entanto possam discutrir diferentes pontos de vista para que cheguem a uma conclusão comum.


      E. Período Operatório Abstrato - dos 11 anos em diante.
      É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático. É quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto em proveito de interesses orientados para o futuro. É, finalmente, a “abertura para todos os possíveis”. A partir desta estrutura de pensamento é possível a dialética, que permite que a linguagem se dê a nível de discussão para se chegar a uma conclusão. Sua organização grupal pode estabelecer relações de cooperação e reciprocidade.


      5 - A importância de se definir os períodos de desenvolvimento da inteligência reside no fato de que, em cada um, o indivíduo adquire novos conhecimentos ou estratégias de sobrevivência, de compreensão e interpretação da realidade. A compreensão deste processo é fundamental para que os professores possam também compreender com quem estão trabalhando.
      A obra de Jean Piaget não oferece aos educadores uma didática específica sobre como desenvolver a inteligência do aluno ou da criança. Piaget nos mostra que cada fase de desenvolvimento apresenta características e possibilidades de crescimento da maturação ou de aquisições. O conhecimento destas possibilidades faz com que os professores possam oferecer estímulos adequados a um maior desenvolvimento do indivíduo.
      “Aceitar o ponto de vista de Piaget, portanto, provocará turbulenta revolução no processo escolar (o professor transforma-se numa espécia de ‘técnico do time de futebol’, perdendo seu ar de ator no palco). (...) Quem quiser segui-lo tem de modificar, fundamentalmente, comportamentos consagrados, milenarmente (aliás, é assim que age a ciência e a pedagogia começa a tornar-se uma arte apoiada, estritamente, nas ciências biológicas, psicológicas e sociológicas). Onde houver um professor ‘ensinando’... aí não está havendo uma escola piagetiana!” (Lima, 1980, p. 131).


      O lema “o professor não ensina, ajuda o aluno a aprender”, do Método Psicogenético, criado por Lauro de Oliveira Lima, tem suas bases nestas teorias epistemológicas de Jean Piaget. Existem outras escolas, espalhadas pelo Brasil, que também procuram criar metodologias específicas embasadas nas teorias de Piaget. Estas iniciativas passam tanto pelo campo do ensino particular como pelo público. Alguns governos municipais, inclusive, já tentam adotá-las como preceito político-legal.
      Todavia, ainda se desconhece as teorias de Piaget no Brasil. Pode-se afirmar que ainda é limitado o número daqueles que buscam conhecer melhor a Epistemologia Genética e tentam aplicá-la na sua vida profissional, na sua prática pedagógica. Nem mesmo as Faculdades de Educação, de uma forma geral, preocupam-se em aprofundar estudo nestas teorias. Quando muito oferecem os períodos de desenvolvimento, sem permitir um maior entendimento por parte dos alunos.




Jean Piaget


Fonte: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/per09.htm

Desmotivada com o trabalho e prece aos céus!

Hoje é o último dia do mês de agosto. Graças a Deus. Tomara que esse semestre da faculdade acabe logo! Estou atolada de coisas para fazer. E tem momentos que nem sei por onde começar. Estou sentindo uma tristeza grande esses dias e não sei exatamente o  por quê. Sinto uma enorme insatisfação com o meu trabalho, que nem consigo disfarçar mais e essa semana por enquanto só fui trabalhar ontem. Não estou me sentindo motivada para ir para lá e para ficar lá.  Nem para atender as pessoas tenho mais disposição. Não sei como é possível a pessoa trabalhar assim, absolutamente desmotivada e sem vontade.
Já pensei em pedir demissão, mas não tenho coragem, por que não sei como vai ser depois. Não posso sair sem pelo menos ter algum em mente. Não posso me dar ao luxo de sair e ficar sem fazer nada. Gostaria de saber até quando vai durar esse tipo de dilema  na minha vida? Quanta vezes vou ter que blogar sobre isso? E quantas lamentações vão ter que acontecer  para acontecer uma mudança brusca e para melhor em minha vida atual. 
É claro que comparando há dois anos atrás, por exemplo, eu conquistei muitas coisas. Só que sempre quero mais. Quero atingir um nível que no momento em que eu estiver assim, insatisfeita com meu trabalho, eu largue e tenha condições de ir procurar outro e não ficar inteiramente dependente desse sistema de emprego mal remunerado e mecânico. Por que é isso que o nosso paí está gerando. Não estamos gerando empregos saudáveis e sim gerando trabalho, mão de obra barata. 
Para conseguir isso, estou fazendo a minha parte, estudando, trabalhando, ralando, dormindo pouco e me cansando muito, como muitas pessoas por aí, é claro. Mas eu espero que os céus, o universo, ou Deus, ou seja lá quem for que esteja no comando, ou até mesmo o destino, me dê uma força. Uma mãozinha, uma luz. Qualquer coisa que me faça melhorar a cada dia que passa, pois não é isso que nós queremos? Não é para isso que estamos aqui? Deve ser, senão não haveria sentido algum em viver.
Bom início de mês para vocês todos!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O curioso caso de Benjamin Button (Estou tentando fazer uma resenha desse filme)


Aniversário de relacionamento e coisas que só acontecem na Bahia

Ontem fiz cinco anos com o meu amor. E aproveitando que não fui trabalhar, pois peguei atestado médico
 (crise de enxaqueca há dias!) Eu fiquei em casa à noite e ele trabalhou de manha. Jantamos (a luz de velas!) e ficamos a noite toda juntinhos. Bom, pelo menos atá a hora que o vinho fez efeito e nós apagamos como duas pedras (risos)!
Mas foi uma ótima comemoração. Como eu já disse aqui para vocês, esse mês para mim, não está sendo de jeito nenhum o mês do desgosto. Estou satisfeita, mas quero que ele acabe logo, pois quero receber dinheiro.... Coisas de pobre mesmo, que fica esperando o mês acabar, para ter dinheiro novamente. Um dia saio dessa vida! Mas hoje já é dia 30/08 e por falar nisso, estou naquela velha agonia de fim de semestre.
Gostaria de falar sobre duas coisas que estão acontecendo aqui na Bahia e em Salvador. Coisas feitas pelo prefeito e principalmente pelo Governador. Que coisas são essas? A primeira, é a absurda redução de consultas e exames  do Planserv, por exemplo, terão especialidades médicas e determinados pacientes que só poderão utilizar consultas e /ou exames seis vezes ao ano. Passando disso, só se pagar mais para ser atendido. E isso foi feito, o projeto de lei que está para ser aprovado, sem  conversas, sem debates com os usuários, servidores que são os principais interessados. Esse projeto não pode ser aprovado, pois fere além de tudo a liberdade das pessoas, inclusive a liberdade de ficar doente!.
A segunda coisa que está ocorrendo já alguns dias aqui na minha gloriosa e adorada cidade, é que foi escolhida a modalidade de transporte para o desastre da copa, que o próprio governador admitiu que não será aberta aqui. Esse transporte é o metrô na Paralela e vai atá Lauro de Freitas (!) Vamos pasmar? Aliás eu já estou pasma. Temos doze anos tentando fazer um metrô, e agora já me inventaram outro? É inacreditável! Essas coisas só acontecem na Bahia!
E vocês o que acham dessas duas coisas abomináveis feitas pelo prefeito e também pelo governador?
Comentem e lembrem- se: Reflitam e questionem sempre!

domingo, 28 de agosto de 2011

O processo inibitório da criança na arte (Texto de minha autoria)


                         A criatividade  da  criança   deve  ser    estimulada;  em  casa,  na  escola  e  em  qualquer  lugar  que  ela  esteja.  Por  que  existe  essa  necessidade? Para  que  se  acabe  com  a inibição  na  arte   e  haja  o  desenvolvimento  pleno  dessa  criança  e  que  ela  se  torne  um  adulto  com  sentimentos  sensíveis  e  plenos.
                    O que  pode  ser  feito  para  o  desenvolvimento  dessa  criatividade  e  o  impedimento   desses  problemas  de  autoexpressão,  são  coisas  consideradas  simples:  valorizar e  respeitar  a  criança   como  pessoa  e  sua  visão  de  mundo,  além  de  muitas  outras  atitudes  que  podem  ser  tomadas  tanto  por  pais  quanto  por  professores.  Essas  atitudes  vão  ser  desenvolvidas  ao  longo  do texto  baseadas  em  alguns  autores  estudados.
                Deve-  se  ao  meu  ver  primeiramente:  “Buscar  através  de  instrumentos  de  percussão,  músicas    brincadeiras,  buscar o  desenvolvimento  auditivo,  rítmico,  a  expressão  corporal  e  a  socialização  das  crianças  e  jovens  estimulados  a  experimentar,  improvisar  e  criar”.  PCNs          ARTE, 1999 P. 25
                 No  trabalho  criador,  além  do  desenvolvimento  da  criatividade,    também  a  possibilidade  de  desenvolvimento  intelectual,  lúdico,  de pensamento  e  percepção.  Porém,  nesses  casos,  para  que  haja  progressos,  não  se  deve  tentar  interferir  nem  podar  a  arte  pura  da  criança,  mesmo  que  nesse  momento  sejam  apenas  garatujas.  Ou  seja  deve-  se  deixar a  criança  se  expressar  livremente,  pois  se  isso  não  acontecer  e se  de  alguma  maneira  um  adulto  interfere  tanto  criticando  quanto  elogiando,  pode  acontecer  e   provavelmente vai  acontecer  a  inibição  e  auto desvalorização.
                        Além  de  elogios ou  críticas, as  interferências  dos  adultos  podem  ser  maiores,  como  as  limitações  das  linhas  dos   livros  para  colorir.  De  acordo  com  as  leituras  realizadas,  esses  livros  podem  fazer  estragos.
                  “ … A experimentação e a pesquisa  tem  provado  que  mais  da  metade  das  crianças  expostas  aos  cadernos  de  colorir,  perdeu  sua  criatividade  e  sua  autonomia  de expressão. Tornaram- se  rígidas  e dependentes  de  modelos.” (LOWENFELD 1954, P.24)
                         As  crianças  tornam-se  presas,  com  pensamentos  padronizados  e  seguidoras  de  um  único  modelo,  sabendo-se  que  o sol  é  amarelo  e  o  céu  é  azul. Não    possibilidade  de  as  crianças  expressarem suas  experiências  e  emoções  e  acabam  virando  pequenos  adultos,  moldados  de  acordo  com  os  conceitos  dos  adultos.  Adultos  esses,  que podem  ser  os  pais  ou os  professores.
                  Pode- se  dizer  também  que  é  melhor  o  aprendizado  daquela  criança  que  trilha  sozinha  seus  caminhos,  e  vai  se  percebendo  no  processo  do  que  aquelas  que  são  “orientadas”  por  adultos.
                “A criança deve  expressar,  livremente  o  que  sente  dentro  de  si,  seja  o  que  for...”
                     “Promover  a  livre  expressão  artística  equivale,  portanto,  proporcionar  à  criança  uma  infância  livre  e  feliz.”
(LOWENFELD, 1954 P 36)

                   
                  Bom,  quando  a  criança  desenha  ou  pinta,  e  um  adulto  faz-  lhe  uma  crítica  ou  tenta  ensiná- la  a  fazer  “direito”,  a  criança  acha  que  não  pode  mais  desenhar  ou  pintar,  ela  consequentemente  perde  a  confiança  em  sua  expressão.
                 E  ela  acaba  virando  uma  criança  sem  arte,  que  copia  os  adultos  e  outras  crianças,  e  os  adultos  podem  estimulá- la  a continuar  copiando,  acabando  assim  com  sua  capacidade  criadora  e  suas  ideias  próprias.
                 A  inibição  da  criança no  desenvolvimento  da  arte  está  atribuída  a  essas  atitudes  dos  adultos  que  insistem  em  interferir  na  expressão  infantil,  “ensinando”  como  pintar  ou  desenhar,  ou  criticando,  elogiando  e  moldando.
                             “Traçar  riscos  num  pedaço  de  papel,  em  qualquer direção  significa,  para  a  criança,  alegria,  felicidade,  desafogo  e  contribui,  principalmente,  para  o  domínio  de  função  importantíssima:  a  coordenação  dos  movimentos.”  LOWENFELD P. 95


                    As  crianças  precisam  ter  experiências  externas  para  relacionar  com  suas  pinturas,  e   isso  passa  a  acontecer  a  partir  dos  cinco  anos,  onde  ela  passa  a  desenhar  as  coisas  e  pessoas  que  estão  ao  seu   redor.  E  assim  elas  desenvolvem  também  sua  sensibilidade.
                    Porém,    outro   fator  que faz  com  que  haja  inibição  dessas experiências,  que  é  mais  uma  vez  a  interferência  dos  adultos,  só que  dessa  vez  é  de  uma  outra  maneira,  fazendo  economia    e  querendo que  as  crianças  façam  também  de  materiais. Materiais  como:  lápis  de  cor,  hidrocor,  tintas,  papel  e etc.,  são  negados  às  crianças  ou  então  são  dados em  quantidades  menores.
                     E  falando  em materiais,  esses  materiais  tem  que  ser  usados  da  maneira  correta  e  o  uso  deles  tem  que  variar  de  acordo  com  a  idade  da  criança  e  à  medida  que  ela  vai  crescendo  os  materiais  mudam. Por  exemplo:  no  jardim  de  infância,  pode  se  usar  massa  de  modelar  e  depois  quando  estiver  maior  pode  usar  tintas,  telas,  tecidos,  ou  seja,  materiais  mais  densos  e  específicos.
                 Não  se  pode  imaginar  que  apenas  atividades  como  pintar  ou  desenhar  sejam  chave  para  a  atividade  criadora,  todas  as  suas  experiências  terão  importância  nesse  momento,  por  isso  os  pais  devem  proporcionar  bons  momentos  aos  filhos.
                       “O  professor  não  poderá  tornar  a  criança  mais  sensível  nas  aulas de atividades  artísticas,  se  os  pais  não  desempenharem  seus  papéis  no  lar.  O  professor  não  pode  fazer  mais  que  ajudar  aos  pais  fornecendo- lhes  o  “auxílio  técnico”  para  extrair  o  que  as  crianças  tem  dentro  de  si.  Se  a  criança  não  cresceu  num  ambiente  sensitivo,  dela  não  poderá  obter  muita  coisa.”   LOWENFELD, 1954 P .193



                    Assim,  com  todos  esses  fatores  que  intensificam  a  inibição  infantil,  cabe  a  nós  pensarmos  no  que  temos  feito  nas  artes  e  na vida  das  nossas  crianças ,  muitas  vezes  até  dando  papel  e  lápis  para  deixá-  las  “quietas”  quando  queremos.
                      
                   
                 “As  atividades  criadoras  nunca  devem  ser  impostas  às  crianças,  pois  devemm nascer  do  se  próprio  interesse  de  expressão.” LOWENFELD  P. 213



      

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Alguns textos meus, que vou divulgar no blog.

Esses dias vou divulgar alguns textos que eu fiz desde o primeiro semestre na UNEB. Todos relacionados à educação é claro, para quem possa interessar. Esses textos são apenas ensaios e trabalhos acadêmicos que eu já entreguei e já recebi nota. Não tendo em mim preocupação maior em haver plágios e disseminação na internet.
Quem se interessa por educação, crianças, literatura, cultura, teóricos em geral, etc. Pode acompanhar que tenho alguns textos bem legais no meu pen - drive!

O surgimento da infância e o lugar da criança ( Rafaela Valverde por Phillipe Áriés

Como  já  se  sabe,  até  um  determinado momento  da  história  não  se  considerava  a  criança,  com  suas  peculiaridades, como  um  ser  humano  significante.
 Por volta  do  século XII,  segundo Ariès ,  a  arte  não  representava a  infância  em  seus  produtos.  As  crianças,  nesse  período,  eram  vistas  como adultos em miniaturas e  assim  eram concebidas, inclusive  com músculos.
Essas crianças eram desmamadas muito tarde, não por se considerar esse ato importante, mas por desleixo. E em  geral,  eram  consideradas  assexuadas. Não existia fotografias do infante, por  haver o entendimento geral  que  esse  período  não  tinha  importância  e  por  isso  não  se  fazia  necessário  relembrá-lo. Achava- se  nessa  época  que  as  crianças  eram  facilmente  substituíveis  e  os  adultos  não  se  apegavam  muito  a  elas,  pela  facilidade  de  morte  dessas  criaturinhas.
Em geral, as  mortes coletivas de crianças eram  realmente  comuns nesse  período,  já  que  elas  não  recebiam  os  devidos  e  merecidos  cuidados físicos, mentais e de  higiene. Aliás, higiene era coisa rara nos antigos períodos  da  humanidade. Crianças  com  menos  de  um  ano,  em  geral  não  sobreviviam  muito  tempo,  pois  além  dessa  falta generalizada  de  cuidados,  ainda  existia  em  alguns  casos,  a  recusa da  mãe a  amamentá-las,  lançando essa  atribuição  à  amas –de-  leite,  coisa  muito  comum  na  época.
Segundo Ariès,  que  é  um  dos  pouquíssimos  teóricos  desse tema,  depois  de um  tempo  surgiram  representações  de  crianças mortas  em  fotos  e  pinturas. Representações essas, que ao meu ver, não serviriam para acalentar a dor da perda daquela criança e nem para matar a saudade, por exemplo. Afinal de contas  não  existia muitas  relações   de  afetividade  com  elas.
As  crianças  não  tinham  direito à  particularidades  de  roupas  infantis,  pois  segundo  esse  autor,  assim  que  saíam  das  fraldas,  passavam  a usar  roupas  de  adultos, em miniatura, é claro. Existia  o  desprezo  da  sociedade  em  relação  a  esse  período  de  infância. Como já foi constatado  era  um  momento  insignificante. Não  havia  respeito  ao  brincar, à saúde adequada  e  especializada,  e muitas  crianças  morriam  sufocadas  pelos  corpos  de  suas  mães,  enquanto ambas  dormiam. As  crianças, eram nesse  sentido,  consideradas    estorvos e  havia  o  consenso  que  elas   deveriam  crescer  logo,  pois  só  como  adultas,  teriam  algum  tipo  de  utilidade.
Nesse momento  histórico  era  natural  que  crianças  de  várias  idades  se  envolvessem  em  orgias e  experiências  sexuais, existindo  liberdade  para esse tipo de  atividade  na  infância.
 O toque  nas  genitais  era  considerado  normal e  até engraçado. Tudo era aberto e  liberado, pois  afinal  de  contas,  se a criança era um pequeno  adulto,  não  haveria  motivo,  para  ocultar dela  certas  coisas  de  adultos. Nada era  escondido das  crianças, elas  viam  e ouviam  tudo. 
Para  nós,  na  atualidade,  essas  atitudes,  esse  despudor  no  trato com  a  criança,  podem  ser  considerados absurdos,  mas  era  assim que  funcionava  a sociedade  naquele  período,  e  essa  conscientização  só  veio  mais  tarde,  com  estudos  e  intervenções  de profissionais  especializados. Não  existia essa  consciência que  temos  hoje, que  a  infância  é  sim  um  período  singular e  que  precisa  ser  respeitada  e  privada  de  certas  informações. E  que  essas  informações  só  devem  ser  passadas  para  as  crianças  nos  estágios  corretos  de   desenvolvimento  psicológico  e  cognitivo   ao  longo  do  seu  crescimento.
Aproximadamente  a  partir  do  século XVII,  com  o  auxílio,  estudo,  pesquisas  e  reflexões  de  educadores,  passou-  se  a  enxergar  a  criança,  não  mais  como  adulto  em  miniatura,  mas simplesmente  como  criança.
Segundo Elizabeth  Badinter,  em seu  livro  Um  amor  conquistado. O  mito  do amor  materno,  nesse  período  começaram  a  aparecer obras  que  incentivam   os  pais  a  terem  sentimentos  para  com  seus  filhos,  e  também  incitam  ao que  ela  chama  de  amor  materno. (Badinter, 1985) 
Acredito na ideia  de  que  nesse  período  se  fortaleceram  os  laços  familiares,  consolidando  se  assim,   o  que  hoje  chamamos  de família  propriamente  dita,  e inclusive  já  existem  diversas vertentes desse  tipo de   família  tradicional.
Assim, essa  conscientização  foi  impulsionada   principalmente   pelo  avanço  do  capitalismo,  a criação  das  cidades  e  o  surgimento  de  classes  sociais. Além  do  interesse  da  igreja  católica,  que  ao  meu ver,  tinha  vários   outros    interesses  por trás,  mas  que  inegavelmente  trouxe-nos  diversos  progressos  para  essas  correntes  atuais  que  defendem  a  infância. Ela, a  Igreja,  foi a  criadora  dos  colégios,  onde  se  deu  uma melhor  educação  e se  intensificou  a   socialização  infantil, mesmo  ás  vezes  de  forma  precária,  mas  era  o  melhor  que  podia ser  feito  na  época.
Com  o  surgimento  do  sistema  capitalista,  fez  se  necessário,  portanto  a  criação  de  mão  de  obra  especializada  para  trabalhar  no  comércio  e  nas  indústrias. Existia  uma  nova  demanda  a  ser  cumprida  e os  adultos  nem  sempre  poderiam  aprender  o  funcionamento  de  máquinas  industriais  e  segredos  comercias. Por  isso  nasce  a necessidade  de  ensinar  às  crianças  que  seriam  a  mão  de  obra  do futuro  e  teriam  mais  facilidades  para  aprender. Isso  só  foi  descoberto depois.  O  que  aconteceu  e  assim  permanece  até  hoje, é que  dada  a  devida  importância  a  criança,  deu  -se  também  a  criação  de  consumidores  e compradores  que  sustentariam  o  sistema  fabril  e  comercial.
Através  do capitalismo,  e  dessas  demandas  que  ele  trouxe,  é  que  nasceu  a preocupação  com  a infância,  ou  melhor  daí  veio  o surgimento  da  infância, tal  qual  é  hoje.  E  passou  a  haver  preocupação,  não  só  com  a  infância,  mas  também  com  o  futuro  adulto  que  se  formaria.
Isso  foi  um  marco  em  todo  o  mundo,  pois  começaram  a  aparecer  vários  estudos  de  psicólogos,  educadores,  médicos (que  se  tornaram pediatras),  etc., sobre  a  infância,  sobre  o momento da   criança,  sobre o  processo de  aprendizagem, etc.  E  até  os  pais,  através  do  amadurecimento  da  sociedade  em  diversos  aspectos  tornaram-  se  pais  mais  amorosos  e  cuidadosos  com  seus  filhos. Veio a  importância  do  reconhecimento  da  paternidade  e  do amor  paternal,  a  importância  do  aleitamento materno  e  dos  laços  afetivos  que  esse ato  implicam.
Assim  houve  uma  mudança  no  século XVIII,  criança  torna-  se  insubstituível,  e  “  A saúde  da  criança  tornou-  se  objeto  principal  da  preocupação  dos  pais.”(Badinter, 1985).
A  criança  passou  a  ser  mais  respeitada,  cuidada  e  protegida  por  todas  as  sociedades. Agora  era  visto  ali,  um  ser  especial,  que  necessitava  de  tudo  do  bom e  do  melhor  que  os  adultos  pudessem  proporcionar.  

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Dois clipes especiais para mim, para comemorar o dia de hoje!

Hoje o blog faz três anos. É claro que antes o nome era outro e eu amadureci muito na  escrita, graças a Deus!
Desculpem, não pude preparar nada especial. Falta de tempo absoluta! Final de semestre é punk! Realmente estou atolada e com uns probleminhas pessoais. Meio depressiva, meio chateada, meio de TPM, meio de mal com a vida. Quero me livrar de alguns encostos da minha vida e parece que eu não consigo!
Ontem fiz uma postagem, ótima sobre o suicídio de Vargas. Porém por causa dessa internet maldita perdi minha postagem.
Mas deixa isso para lá, hoje é dia de festa. Vou postar alguns vídeos que são meu xodó e que estão armazenados com carinho na minha conta do Youtube. Dedico a vocês, obrigada! E desculpem pelo que eu tinha preparado não ter dado certo.
                                


domingo, 21 de agosto de 2011

Prova concurso UFBA, Bairro da Ribeira e estrutura da escola

Foi hoje a prova lá na Ribeira, no Colégio Pres. Costa e Silva. Cheguei lá com muita antecedência. Meu amor foi comigo, e fiquei surpresa e encantada. E falei: "Nossa é por isso que os moradores daqui não querem sair. Que lugar agradável!" E isso é a pura verdade! O Largo da Madragoa, surpreendentemente é lugar bem agradável e familiar. Com música instrumental ambiente e músicas antigas, isso mesmo, do tempo da minha vó. E  realmente tinham vários idosos lá dançando e se divertindo muito. Achei o lugar sensacional, uma praça tranquila, apesar de suja, porém familiar e com muitas crianças brincando. Seria uma lugar onde eu moraria! Nem sabia e imaginava que havia um lugar como esse ainda em Salvador. Por que o que nós moradores dessa cidade costumamos ver nas praças, são: carros com seus sons altíssimos, tocando músicas de péssima qualidade, com pessoas bebendo e dançando e uma verdadeira desordem que em nada se aproxima  com o clima familiar que vi ali na Ribeira hoje.
Para mim, foi um passeio maravilhoso pela cidade baixa, que até me acalmou um pouco para fazer a prova. Estava nervosa, ansiosa e até tive tonturas antes de sair de casa, pode? Em nenhuma prova que fiz, fiquei assim, mas depois me estabeleci e fiquei bem.



Praia da Ribeira, em Salvador



Colégio Costa e Silva
       Ufva       
Agora vou falar um pouco sobre a organização, da escola e da prova propriamente dita. Os portões foram abertos pontualmente às 12:00, e tenho que dizer que a organização do concurso foi muito boa. Inclusive, depositamos nossos celulares em um um plástico lacrado para não haver nenhum tipo de fraude. Bom, para mim isso pode ser novidade, pois foi o meu primeiro concurso. Começamos a prova e eu achei a primeira parte que foi Português é claro, até fácil. Mas não vou comentar nada sobre a prova nesse momento. Vi na internet, não sei se é uma informação verídica, mas vi que tinham que ser feitos 3.500 pontos de 8.000.
Bom e por último vou falar da escola, grande, espaçosa, com áreas bem aproveitadas, quadra, vários banheiros... Uma boa estrutura, só que percebi que os que estava em condições ruins, era pelo que os alunos destruíam. Como por exemplo o banheiro, quebrado e com as portas pichadas e riscadas. Quando vamos educar nossas crianças e adolescentes?
Não sei como isso funciona e se funciona, porém a escola estava bem limpa, as mesas da sala que eu fiz a prova eram novas, modernas e bonitas ( a não ser pelos riscos na carteira). E eu gostei bastante daquela organização escolar, daquele ambiente escolar e percebi, que em algum momento da minha vida, quero estar em um ambiente como esse.  O que falta agora, é que a criança venha de casa com educação doméstica e que os governos mentirosos valorizem, de verdade o professor!






sábado, 20 de agosto de 2011

Amanhã é a prova do concurso da UFBA

Amanhã é a prova do concurso da UFBA para Técnico em Administração. Estou ansiosa e com um friozinho na barriga, como nunca fiquei, nem no vestibular. Mas como Pablo disse, eu passei em todas as provas que fiz. Mas agora é diferente, um concurso maior, com uma concorrência de 400,23 para cada vaga. Bom, vou ficar confiante, mas sabendo que muitas pessoas estão no páreo.
Vou ficar confiante em Deus, na vontade dele.  Vou me inscrever em mais dois concursos, o do INSS e o do Conselho Regional de Medicina Veterinária/ Ba, não acreditava em concursos, mas agora vou acreditar EM MIM. Bom, é isso. Vou sair um pouco para relaxar e depois vou dar mais uma última repassada nos assuntos. 
Boa sorte para mim!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Coisas que acontecem comigo!

Coisas incríveis acontecem com a gente não é? Hoje mesmo aconteceram coisas inusitadas comigo. Como estamos mal servidos e mal formados socialmente e como a cidadania está em falta em nossa Sociedade.
Por que digo isso? Pela minha vivência no dia a dia em Salvador. Hoje, por exemplo, na sinaleira da primeira etapa de Castelo Branco, aproximadamente as 6:00 da manhã,ia ser atropelada por um ônibus na faixa de pedestres e com o sinal fechado! Pasmem! Aliás, eu não seria atropelada, apenas ele, o motorista maluco, jogou o ônibus em cima de mim. Só isso!
Ainda buzinou viu? Para eu sair da frente! Eu, prontamente apontei com o meu cansado dedo  indicador para o sinal que estava vermelho. Que cara de pau, não?
Essa cidade está abandonada.nada é fiscalizado! Fui fazer exames de laboratório, e fiquei muito tempo, tentando tirar sangue do meu braço, mas foi difícil. Acabei tirando da mão mesmo, que dói mais. Estou aqui com o braço todo furado. Depois fui para a faculdade e lá recebi um conselho de uma pessoa mais velha, da minha sala, que eu gosto muito. Não vou entrar em detalhes agora, mas isso me marcou.
Depois, meu ônibus atrasou e cheguei mais uma vez atrasada ao trabalho e irritada também. É duro depender de "buzú" viu? Essa empresa TRANSOL, de ônibus de Salvador, é mais uma M******!  Todos os dias atrasa! Continua....

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Minha opinião sobre o Criança Esperança por ELIANE SINHASIQUE




Recebi esse texto em meu e mail, e não sei se é verdadeiro. Coisas da internet... Porém quis trazer aqui para dizer que essa é exatamente a minha opinião sobre esse Criança Esperança. Isso não é obrigação de nós brasileiros, cidadãos que batalhamos tanto e pagamos tantos impostos. Isso é função dos safados dos governantes!


SE 30% DOS BRASILEIROS (AS) FIZESSEM O QUE A SRA.ELIANE ESTÁ FAZENDO, O BRASIL SERIA OUTRO.
PARABÉNS.


CARTA ABERTA DE ELIANE SINHASIQUE (jornalista e publicitária) PARA RENATO ARAGÃO (o Didi da REDE GLOBO DE TELEVISÃO) . . .. . . !!!
Nota DEZ para essa mulher ! Parabéns !

Querido Didi,
Há alguns meses você vem me escrevendo pedindo uma doação mensal para enfrentar alguns problemas que comprometem o presente e o futuro de muitas crianças brasileiras. Eu não respondi aos seus apelos (apesar de ter gostado do lápis e das etiquetas com meu nome para colar nas correspondências) ...........
Achei que as cartas não deveriam ser endereçadas a mim. Agora, novamente, você me escreve preocupado por eu não ter atendido às suas solicitações.
Diante de sua insistência, me senti na obrigação de parar tudo e escrever uma resposta.
Não foi por " algum motivo " que não fiz a doação em dinheiro solicitada por você. São vários os motivos que me levam a não participar de sua campanha altruísta (se eu quisesse poderia escrever umas dez páginas sobre esses motivos).
Você diz, em sua última carta, que enquanto eu a estivesse lendo, uma criança estaria perdendo a chance de se desenvolver e aprender pela falta de investimentos em sua formação !
Didi, não tente me fazer sentir culpada. Essa jogada publicitária eu conheço muito bem. Êsse tipo de texto apelativo pode funcionar com muitas pessoas mas, comigo não.
Eu não sou ministra da educação. Não ordeno e nem priorizo as despesas das escolas e nem posso obrigar o filho do vizinho a freqüentar as salas de aula.
A minha parte eu já venho fazendo desde os 11 anos de idade, quando comecei a trabalhar na roça para ajudar meus pais no sustento da família.
Trabalhei muito e, te garanto, TRABALHO NÃO MATA NINGUEM ! Muito pelo contrário, faz bem !
Estudei na escola da zona rural, fiz Supletivo, estudei à distância e muito antes de ser jornalista e publicitária eu já era uma micro- empresária.
Didi, talvez você não tenha noção do quanto o GOVERNO FEDERAL tira do nosso suor para manter a saúde, a educação, a segurança e tudo o mais que o povo brasileiro precisa.
Os impostos são muito altos ! Sem falar dos Impostos embutidos em cada alimento e em cada produto ou serviço que preciso comprar para o sustento e sobrevivência da minha família.
Eu pago pela educação duas vezes : pago pela educação na escola pública, através dos impostos, e na escola particular, mensalmente, PORQUE SOMENTE A ESCOLA PÚBLICA NÃO ATENDE COM ENSINO DE QUALIDADE QUE, ACREDITO, MEUS DOIS FILHOS MERECEM !!!
Não acho louvável recorrer à sociedade para resolver um problema que nem deveria existir, pelo volume de dinheiro arrecadado em nome da educação e de tantos outros problemas sociais !
O que está acontecendo, meu caro Didi, é que os administradores dessa dinheirama toda não veêm a educação como prioridade !
PARA ÊLES, A EDUCAÇÃO LHES RETIRA A SUBSERVIÊNCIA E ÊSSE FATO, POR SI SÓ, NÃO INTERESSA AOS POLÍTICOS QUE ESTÃO NO PODER. POR ISSO, O DINHEIRO ESTÁ SAINDO PELO RALO; ESTÃO JOGANDO FORA , OU APLICANDO MUITO MAL !!!
Para você ter uma idéia, na minha cidade cada alimentação de um presidiário custa para os cofres públicos R$ 8,82 (oito reais e oitenta e dois centavos), enquanto que a merenda de uma criança na escola pública custa R$ 0,20 (vinte centavos) !!! O governo precisa rever suas prioridades, você não concorda ? Você pode ajudar a mudar isso ! Não acha ?
Você diz em sua carta que não dá para aceitar que um brasileiro se torne adulto sem compreender um texto simples ou conseguir fazer uma conta de matemática. Concordo com você !
É por isso que sua carta não deveria ser endereçada à minha pessoa. Deveria ser endereçada à Presidente da República !!!
Ela é "a cara" !!! Ela é quem tem a chave do cofre e a vontade política para aplicar os recursos !
Eu e mais milhares de pessoas só colocamos o dinheiro lá para que ela faça o que for correto e necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas do país, sem nenhum tipo de distinção ou discriminação. MAS, NÃO É O QUE ACONTECE !!!
No último parágrafo da sua carta, você joga, mais uma vez, a responsabilidade para cima de mim, dizendo que as crianças precisam da "minha doação" e que a "minha doação" faz toda a diferença...
Lamento discordar de você, Didi !!! Com o valor da doação mínima de R$ 15,00 (quinze reais) eu posso comprar 12 quilos de arroz para alimentar minha família por um mês, ou posso comprar pão para o café da manhã para 10 dias...... !!!
Didi, você pode até me chamar de muquirana, não me importo, mas, R$ 15,00 (quinze reais) eu não vou doar!Minha doação mensal já é muito grande. Se você não sabe, eu faço doações mensais de 27,5% de tudo o que ganho !!!
Isso significa que o governo leva mais de um terço de tudo que eu recebo e posso te garantir que essa grana, se ficasse comigo, seria muito melhor aplicada na qualidade de vida da minha família !
Você sabia que para pagar os impostos eu tenho que dizer NÃO para quase tudo que meus filhos querem ou precisam ? Meu filho de 12 anos quer praticar tênis e eu não posso pagar as aulas que são caras demais para nosso padrão de vida. Você acha isso justo ? Acredito que não. Você é um homem de bom-senso e saberá entender os meus motivos para não colaborar com sua campanha pela educação brasileira.
Outra coisa Didi, MANDE UMA CARTA PARA A PRESIDENTE "DILMA" pedindo para ela selecionar melhor os ministros e também os professores das escolas públicas ! Só escolher quem, de fato, tem vocação para ser ministro e para o ensino.
Melhorar os salários daqueles profissionais também funciona para que êles tomem gosto pela profissão e vistam, de fato, a camisa da educação ! Peça para ela, também, fazer escolas de horário integral, escolas em que as crianças possam, além de ler, escrever e fazer contas, possam desenvolver dons artísticos, esportivos e habilidades profissionais. Dinheiro para isso está sobrando sim ! Diga para ela priorizar a educação e utilizar melhor os recursos.
Bem, você assina suas cartas com o pomposo título de Embaixador Especial do Unicef para Crianças Brasileiras e eu vou me despedindo assinando... Eliane Sinhasique - Mantenedora Principal dos Dois Filhos que Pari !!!
P.S.: Não me mande outra carta pedindo dinheiro. Se você mandar, serei obrigada a ser mal-educada: vou rasgá-la antes de abrir.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Comemoração dos três anos do Blog!

Dia 25, semana que vem é o aniversário do blog. Confesso que ando meio sem tempo, com trabalhos da faculdade, semestre-se -aproximando-do -fim-pós-greve, estudando para concurso.... Ufa! Pensem na correria! Ainda deu essas dores nos braços de novo de tanto digitar! Mas vou fazer algo especial para esse dia, podem esperar e espero que  vocês me prestigiem comentando. Já tenho em mente mais ou menos o que vou fazer.
Mas ainda é uma ideia em desenvolvimento e se Deus quiser vai dar certo. Fui!
Podem sugerir alguma coisa  a comemoração...

Modelo de resenha de filme

Eu tenho que fazer uma resenha do filme O curioso caso de Benjamim Button, para a disciplina Psicologia do Desenvolvimento. E como não sei fazer nada disso, já que a escola brasileira, em especial, a  pública, não nos prepara para a vida universitária. Creio que algumas pessoas devem estar querendo saber também, já que o que agente não sabe a gente corre atrás para aprender. Vou deixar aqui um modelo  de resenha de filme, para quem for universitária como eu, ou que esteja precisando.Nunca se sabe!




MODELO DE RESENHA DE FILME


Nome:_____________________________________________
Curso: ________________ Data: ___/___/_______ Disciplina: ­____________

1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA (SEGUIR AS NORMAS DA ABNT)
Fazer a referência da obra: nome do filme, diretor, data de edição e local.
2 BREVE SÍNTESE DA OBRA
Deve conter as idéias centrais da obra em estudo (há diferenças entre idéias acessórias, idéias principais e idéias centrais); fornecendo informações gerais informações sobre o tema de que trata o filme, o que explana, exige algum conhecimento prévio para o entendimento, possui alguma característica especial.
3 PRINCIPAIS TESES DESENVOLVIDAS NA OBRA
Analisar o conteúdo da obra de forma propriamente dita; o objetivo é traçar as principais teses do/a autor/a e não resumir a sua obra (resenha não é resumo!); é preciso ler com muita atenção para se apreender o que é fundamental no pensamento do/a autor/a.
Depois de apresentar e compreender o/a autor/a e sua obra, traçar alguns comentários pessoais sobre o assunto, ancorados em argumentos fundamentados academicamente.
Julgar a obra quanto a sua contribuição no campo do conhecimento, originalidade de idéias, quanto às circunstâncias Cult Urais a quais a obra foi escrita, qual é o estilo do autor (conciso, objetivo, simples, idealista, realista...). Julgar o estilo: conciso, simples, claro, preciso, coerente, sua linguagem é ou não correta segundo a língua em questão. Julgar a forma: qual é a lógica sistematizadora da obra, sua originalidade, seu equilíbrio na disposição e na explicitação das partes.

3 CONCLUSÕES
Dizer a contribuição deste filme para os conteúdos da disciplina Psicologia do Desenvolvimento e Educação.  Indicação do resenhista: a que público a obra se dirige (geral, de especialistas, estudantes...).  



terça-feira, 16 de agosto de 2011

Novo sistema do Ministério do Trabalho

Estou com aquelas velhas dores nos braços novamente. Sabe, dores de tanto digitar? Que eu sentia na Contax. 
Pense no sistema, mais burro e idiota que eu já vi na minha vida! E o olhe que eu já trabalhei com muitos sistemas na vida, mas esse sistema Mais Emprego do Ministério do Trabalho, que é um sistema novo, e que deveria funcionar plenamente, é uma DESGRAÇA!
Cai a todo momento, é lento, temos que ficar recorrendo todo tempo ao sistema antigo. Isso é incoerente. Se o sistema é novo, deve- se usar ele e pronto. E não ficar olhando algumas informações no sistema velho. Isso é um avilte e uma agressão a inteligencia humana, além de ferir as normas de relações de emprego, já que nós funcionários, passamos por um estresse mental e físico muito grande e ainda me sinto presa, como se estivesse em um trabalho escravo. Já que a pressão vem de todos os lados, inclusive das pessoas que nós atendemos.
Eu estou aqui colocando minha cara a tapa para reclamar desse sistema, cujo o intuito é recolocar as pessoas no mercado de trabalho e não pagar seguro desemprego. Mas para onde vai o dinheiro do seguro desemprego? Com certeza para o bolso dos políticos.
E as pessoas não tem interesse em reclamar de um sistema ruim como esse por que elas chegam, são atendidas e vão embora, mas quem fica lá a tarde inteira e atendendo várias pessoas e com as diversas demandas do seguro desemprego, somos nós funcionários, que ganhamos uma merrequinha no  final do mês. Principalmente quem é do Programa Mais Futuro como eu, que nada mais é do que economia de dinheiro para o governo!
E nós brasileiros, que somos pessoas sem ética mesmo, queremos dar entrada na seguro desemprego e ficar "de boa" em casa, trabalhando por conta própria ou abrindo o próprio negócio. A pessoa não é obrigada a ir a nenhuma seleção de emprego determinada pelo Ministério do trabalho, porém ela não tem obrigação também de receber o seguro desemprego e nem o governo de pagar.
É esse o meu desabafo!

sábado, 13 de agosto de 2011

Língua e publicidade

Estou fazendo um trabalho sobre língua e publicidade e depois é claro que vou relacionar com a educação, que é efetivamente a minha área.  Bom, descobri muita coisa interessante sobre esse assunto.  A linguagem se for bem utilizada,  pode ser usada para a publicidade com sucesso. E é bem utilizada e há muito tempo. Fico pensando, que trabalho fascinante deve ser o do publicitário. Antes, há algum tempo, queria seguir nessa carreira. 
Pesquisei sobre a função apelativa e a função estética que são as mais utilizadas pela propaganda. E para mim está sendo bem divertido perceber coisas na propaganda que nunca tinha percebido. 
Os aspectos ortográficos utilizados, as figuras de linguagem, os métodos criativos de passar a mensagem.
Bom, por enquanto é isso.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

O meu dia...

Hoje fui ver umas escolas para fazer mais um fatídico trabalho de observação de campo. Fui em duas. Uma da rede municipal e outra particular. Quem disse que elas estavam funcionando? Nada. Parece que transferiram o dia do estudante, que foi ontem, para hoje. Não sei se sou contra ou a favor  disso, prefiro não opinar no momento. Deixa minha boca quieta. Mas  isso com certeza me atrapalhou muito. Não consegui fazer meu exame de sangue como havia previsto, por que a senha de autorização venceu. Aff que saco! No outro plano não tinha nada disso! Estou de saco cheio de tantos problemas para resolver!
Fui trabalhar e naquele mesmo estresse de sempre.Estou com dor no braço de tanto digitar.
Quero dizer também que vai abrir o concurso do INSS, quem tiver interesse fica de olho.Eu estou bem ligada nesse lance de concursos e em breve sairá o edital.
Basicamente esse foi o meu dia.
Gostaram da postagem de ontem?
Comentem!
Agora vou estudar!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Nada de conformismos e alienações, vamos refletir!

Estou vivendo num ritmo alucinado, frenético. Coisas a mil para fazer, que nem sei por onde começar. Acontecem mil coisas nessa cidade, nesse país que são absurdas, porém eu chego em casa e não tenho com quem conversar. Para quem contar as barbaridades que ouço e vejo no meu dia- a dia.
Não estou reclamando, apenas constatando um fato da minha vida atual. E percebendo quanta coisa fica dentro da gente, sem que a gente sequer perceba. Por exemplo: você vê alguma coisa, pode ser uma coisa inusitada. Se você não refletir sobre aquilo no momento, não falar com alguém, você acaba esquecendo, porém nem tudo. Aquelas sensações ficam no nosso inconsciente e nos absorvemos as energias pelas quais somos submetidos.
O que estou querendo dizer é que:  ESTOU CHEIA DE COISAS PARA FALAR AQUI!!!
A primeira coisa que eu quero dizer é que eu me sinto no caos. Sei que já isso muitas vezes aqui, mas insisto em repetir. Exijo que se tome uma providência contra a idiotização das pessoas ao meu redor. Não aguento mais certas coisas. Ok, vou começar: Começo o dia muito cedo e logo vou pegar um ônibus lotado, cujo eu pago um transporte muito caro. Ainda tem os sem-noção que põe música de qualidade duvidosa e letras pornográficas para eu e os demais passageiros ouvirmos. E fora os que gostam de ficar se encostando... Esquece isso! Sim, aí fico mais um tempão em outro ônibus que sai da Estação Pirajá para chegar na UNEB. Passo pela Avenida Paralela, grande ponto de engarrafamento em Salvador e descubro que inventaram mais um metrô naquela região e que vai custar bilhões dos bolsos dos cidadãos. Mas e o outro metrô? O pré- adolescente de 12 anos? Aquele mesmo, calça curta? Neca!
Antes de entrar, no ônibus na E.P, presencio policiais em uma fila problemática que é a de Itapuan, batendo em vários homens que tentaram invadir a fila. Isso mesmo homens! Marmanjões que ignoram a presença de grávidas, velhos e crianças só para ir "daqui-prá-li" sentados e de preferência confortáveis. Mas por que eles invadem a fila? Por que tem que haver a remediação? Não poderia nem acontecer isso, para não precisar remediar?
Sabe essas coisas me deixam chateada. Nada para mim é banal Nada para mim é normal. Até quando vejo um animal abandonado na rua, fico pensando como será que ele foi parar ali, se ele tem alguma doença, se pode ser atropelado, etc. Não me contento em me conformar com as coisas! Até com o baleiro me preocupo, como será a velhice dele. Mas as pessoas estão o tempo todo alheias ao mundo em que vivem. Estão sempre interessadas em seu próprio umbigo e pronto, mas isso é fatalismo do sistema capitalista em que vivemos e do qual somos reféns e até gostamos dele, não posso negar. Mas não devemos nos enganar, estar alienados e alheios ao que está ao redor, por que essa é a nossa sociedade, essa é a sociedade que deixaremos para nossos filhos!
Voltarei em breve e isso é uma ameaça!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Animais abandonados e meu níver de casamento!

Hoje passei por uma situação inusitada. O ônibus que eu estava de manhã, para ir para a faculdade, deu uma freada brusca. Tomamos um susto. Todos nós, passageiros. Mas quando percebi o que estava acontecendo e passado o susto, dei risada. Muita risada!.
O motorista freou para não atropelar um cachorro de rua, pode? Coitados, vejo o sofrimento nos olhos desses animais, doer profundamente. Mas nesse momento da minha vida, infelizmente não posso fazer nada por esses bichinhos inocentes, que foram abandonados por idiotas que não se importam, se os animais sofrem ou não. Eu mesmo não podendo fazer muita coisa para ajudar, já adotei dois gatinhos da rua. Eles estavam bem pequenininhos quando peguei, na mira de um carro. E volta e meia faço isso. Não posso no momento fazer com cachorros, pois além de não me afinar muito com eles (sou mais chegada em gato), não tem estrutura, casa e nem tempo para adotar cães. Mas gatos sim, que são mais independentes e eu amo de montão!
Quando eu era criança sonhava em ter uma casa, para abrigar todos os animais de rua, mas cresci e percebi que era só ilusão de menina.... Mas quero dizer que me compadeço muito desses animaizinhos de rua, desprezo quem abandona e elogio pessoas como esse motorista do ônibus que eu estava hoje, que deu um sustão na gente, para salvar o cãozinho.




Ah! Amanhã é meu aniversário de casamento. Um ano! Só para registrar!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...