terça-feira, 17 de julho de 2018

Pela Hora da Morte

Resultado de imagem para morte


Um dia estamos vivos
No outro não se sabe
É difícil prever
E viver antes que tudo acabe

De repente a morte nos alcança
Nos traz quem sabe a bonança
E num dia de sol
O ar deixa de entrar nos pulmões

A vida paralisa
E se esvazia no oco de um estampido
Penso cá com meus botões
Se não pode ser menos sofrido

Esse lance de viver de repente
E esperar pela morte
Mas a espera é latente
Fingimos vida

Enquanto ela durar
E num golpe de sorte
Longa e bonita será
Ninguém pensa nessa ideia descabida

De sair e não voltar
Ora essa, eu vivo porque a morte existe
Só não sei quando ela vem
E já aparece nos deixando tristes

Todo mundo sabe
Que a morte impulsiona a vida
A vontade da existência arde
E tudo queremos ver

O mais intensamente porssível
Se encontra a substância
Que em um dia icógnito
Será só uma lembrança

Digna de glória é a vida
Saber vivê-la é difícil
Desperdiçamos muitas coisas
Deixamos a cargo do invisível

E nesses devaneios
Vou deixando a reflexão
Somos tão inteiros
E ao mesmo tempo imcompletos

Precisamos inundar nossos pulmões de ar
Não deixamos nosso sangue escapar 
Lutamos ferozmente pela presença de sopro diário
E a cada manhã seguimos num embate mais que necessário




Rafaela Valverde

sábado, 14 de julho de 2018

Luzes artificiais

Resultado de imagem para luz no fim do túnel


A luz no fim do túnel nunca acaba
É  gente que não está onde ela está
O dia sempre está lá quando acaba o túnel
A não ser que seja noite
Se for, terá luzes artificiais
Mas de dia a luz branca do fim do túnel estará lá
Por mais que não possamos ver
Estar presa em um carro passando em túneis escuros
ou artificialmente iluminados dá angústia
Esperamos sempre a luz
E quando ela não vem?
Ah, sim, ela vem!
E se for noite e não tiver luz, tem o sereno
Aquele ventinho na cara
Torna tudo mais ameno
Por mais que eu saiba que logo depois pode vir outro túnel
Sem luz
Ou muito longo
E a luz pode demorar a chegar
Mas ela está lá
Mesmo que seja noite
O dia chegará
E a luz no fim do túnel
Voltará!



Rafaela Valverde

Marcas

Resultado de imagem para marcas da vida

Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Assim como a cada ano que vem e vai a gente fica diferente
Porradas da vida vão moldando a gente assim como a depender da caneta,
a letra pode ser bonita ou feia, com tinta forte ou fraca.
No entanto, mesmo de formas diferentes é a gente quem escreve
Assim são as porradas e as mudanças
Muitas vezes somos responsáveis por elas
Porque escolhemos de mais
Ou de menos
Somos teimosos, birrentos, chatos, implicantes...
Então acabamos sendo marcados
Assim como a escrita com força marca o papel
Não tem como voltar atrás
A mão dói
Daí a gente escreve com menos força
Como dói, a gente para de querer o que hipoteticamente nos causará dor
Mas o que é mesmo que dói?
Dá para evitar?
Ou a gente só se ilude?
Dá para desescrever?
Dá para desmarcar o papel?
E a vida?
Cada vez que escrevemos nossa letra é diferente
Cada vez que a vida nos marca é diferente
Só resta aceitar.






Rafaela Valverde

Filme Tungstênio

Resultado de imagem para filme tungstenio

Essa semana assisti o filme Tungstênio. Foi lançado no dia 21 de junho, está em cartaz no Espaço Itau de Cinema e é um filme gravado aqui mesmo em Salvador, na praia da Boa Viagem, no Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, Ponta de Humaitá, Ribeira, Massaranduba e Gamboa de Baixo. Nem preciso falar sobre a fotografia, tendo em vista essas belezuras de paisagem. O filme é baseado na obra homônima de HQ de Marcelo Quintanilha (2014). Dirigido por Heitor Dhalia, o filme cujo o nome faz referência ao metal mais pesado da tabela periódica, o que já dá a entender quantas tensões podem ser trabalhadas e são, traz o excelente Fabrício Boliveira, a maravilhosa Samira Carvalho, José Dumont, Wesley Guimarães entre outros. Existe ainda a narração onisciente do excelente ator Milhem Cortaz, o que é um dos recursos mais importantes e diferenciais do filme. Pois não é uma narração comum, na minha opinião. O uso ilegal de explosivos para pesca é o estopim para a tensa trama bem atuada e bem dirigida. Seu Nei, vivido por José Dumont  é um sargento aposentado ainda um tanto obcecado pelo poder e é ele quem vê os pescadores. Fica muito nervoso e exige que se repeite a lei e afirma o tempo todo que "no tempo dele as coisas não eram assim." Os diálogos são bem marcados acerca de determinado tema e as cenas de brigas, violência e amor se intercalam. Com câmeras localizadas em locais diferenciados, o diretor tenta mostrar os mesmos ângulos da HQ. Ele afirmou que foi o mais fiel possível à premiada HQ (Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême na França, na categoria Thriller). Marçal Aquino e Fernando Bonassi são os roteiristas e o produtor associado foi Guel Arraes. O filme gravado em 2016 é muito bom e vale a pena assistir. Ainda está em cartaz, mas não sei até quando. Então corram!



Rafaela Valverde

quarta-feira, 11 de julho de 2018

As Canções Que Você Fez Pra Mim - Maria Bethânia


Minha cara. A cara das minhas dores de cotovelo. Rsrsrs


Hoje eu ouço as canções que você fez pra mim
Não sei porque razão tudo mudou assim
Ficaram as canções e você não ficou.

Esqueceu de tanta coisa que um dia me falou
Tanta coisa que somente entre nós dois ficou
Eu acho que você já nem se lembra mais.

É tão difícil olhar o mundo e ver o que ainda existe
Pois sem você meu mundo é diferente
Minha alegria é triste.

Quantas vezes você disse que me amava tanto
Tantas vezes eu enxuguei o seu pranto
E agora eu choro só sem ter você aqui

Esqueceu de tanta coisa que um dia me falou
Tanta coisa que somente entre nós dois ficou
Eu acho que você já nem se lembra mais

É tão difícil olhar o mundo e ver
O que ainda existe
Pois sem você meu mundo é diferente

Minha alegria é triste
Quantas vezes você disse que me amava tanto
Tantas vezes eu enxuguei o seu pranto
E agora eu choro só sem ter você aqui.




Rafaela Valverde

Da calma e do silêncio - Conceição Evaristo

Resultado de imagem para conceição evaristo


Quando eu morder
a palavra,
por favor,
não me apressem,
quero mascar,
rasgar entre os dentes,
a pele, os ossos, o tutano
do verbo,
para assim versejar
o âmago das coisas


Quando meu olhar
se perder no nada,
por favor,
não me despertem,
quero reter,
no adentro da íris,
a menor sombra,
do ínfimo movimento.


Quando meus pés
abrandarem na marcha,
por favor,
não me forcem.
Caminhar para quê?
deixem-me quedar,
deixem-me quieta,
na aparente inércia.
Nem todo viandante
anda estradas,
há mundos submersos,
que só o silêncio
da poesia penetra.



Rafaela Valverde
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...